Artigos - Jornal Cruzeiro do Vale

Acig: iniciativa meritória

Por Alvaro Correia, ex-parlamentar

Fundada em junho de 1982, para dar suporte a classe empresarial de Gaspar que vivia desamparada e sem orientação, a Acig, passados hoje 37 anos, vem cumprindo brilhantemente a sua missão. Bem orientada e unida classe empresarial gasparense tem crescido significativamente, colocando Gaspar entre os 20 municípios que mais arrecadam para os cofres do estado.

Independente do apoio e incentivo que tem dispensado aos responsáveis pela condução do nosso parque industrial, a Acig acaba de tomar mais uma feliz e oportuna iniciativa, lançando o Prêmio Empreendedorismo Leopoldo Schmaltz.
Essa importante promoção, a um só tempo, provoca uma saudável disputa entre as empresas concorrentes e ao mesmo tempo presta uma justa homenagem ao primeiro empresário de Gaspar, Sr. Leopoldo Schmaltz, cujo nome será dado ao Prêmio Empreendedorismo.

Quando dizemos justa e merecida homenagem, é porque, no nosso entendimento, o Sr. Leopoldo Schmalz, pela sua história, é digno e merecedor desta honraria.

Gaspar foi transformado em município em 1934 e quatro anos após, em 1938, o Sr. Leopoldo Schalmlz, recém formado na Europa já instalava aqui a Fábrica de Linhas Círculo , juntamente com seus cunhados Júlio Schramm e Willy Schossland. E nunca mais arredou os pés daqui, embora a Círculo tenha crescido tanto e despertado a cobiça de outros empresários.

Ao completar 85 anos em plena atividade e com mais de mil operários, não é preciso dizer da importância da Círculo para os gasparenses.

Está de parabéns o Sr. Nelson Bornhausen presidente da Acig, pois com essa promoção homenageia uma figura que todos os gasparenses admiram e respeitam e ao mesmo tempo projeta o nome da entidade que abriga a classe empresarial de Gaspar.

Em tempo; com satisfação e orgulho quero registrar que tive a honra de trabalhar com Sr. Leopoldo 10 anos após a fundação da Círculo.

Após me formar no curso complementar no Grupo Honório Miranda, obtive em 1948 meu primeiro emprego na Fábrica de Linhas, como auxiliar de escritório com carteira assinada pelo próprio Sr. Leopoldo Schmalz e com salário inicial de 130 cruzeiros mensais. Naquela época trabalhavam no escritório da Círculo poucas pessoas.

O Sr. Silvio Paulo Schmidt, que era o chefe; o Sr. Henrique José dos Santos, que jogava no Tupi e eu como o recém contratado.

O Sr. Leopoldo ocupava uma sala ligada ao escritório, o que permitia cumprimentos diários e conversas relativas aos trabalhos da empresa.

Nomeado estafeta do Correio em 16/08/1948 deixei a Círculo nesta data e mais uma vez coube ao Sr. Leopoldo Schmalz assinar minha carteira de trabalho. Tendo firmado uma excelente amizade com o Sr. Leopoldo durante o tempo em que trabalhei na Círculo, passado alguns anos com ele me encontrei num evento social e quando eu já estava investido do mandato de Deputado. Batemos um bom papo e revivemos fatos da Fabrica de Linhas.

Na despedida, o Sr.Leopoldo como o tratávamos, me deu um abraço acompanhado de uma frase que me tocou fundo: “Eu sempre imaginei que o senhor seria um grande homem.”

 

Edição: 1901

Comentários

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.