Lista telefônica

?Salve Gaspar, terra de alegria, teus filhos jamais se esquecem de ti...? - Jornal Cruzeiro do Vale

?Salve Gaspar, terra de alegria, teus filhos jamais se esquecem de ti...?

08/03/2018

O hino da nossa cidade prega em forma de epopeia que suas crias não a esquecem. Às vésperas de completar 84 primaveras, Gaspar vem descobrindo que seus filhos lhe menosprezam. Será que Neuza Cavallari (compositora do hino), ao desenhar a canção em 1968, profetizaria que um dia poderia estar equivocada? No auge de seus 66 mil habitantes, a cidade não é valorizada pelos gasparenses.

Primeiramente, ignoramos que temos um hospital em Gaspar. Reclamamos que o local está abandonado, que faltam verbas e funcionários. Contudo, quando necessário ir à casa de saúde, deixamos nosso dinheiro para aqueles de Blumenau e região. Talvez até por influência dos nossos ascendentes, que preferem que o nosso parto seja realizado na cidade da Oktoberfest.

Quando começamos a caminhar com as próprias pernas, todos os caminhos levam à Blumenau ou Litoral. A nossa cidade já teve shopping e até cinema, porém as pessoas preferiam ouvir o rugido do “Rei Leão” no município vizinho. Resultado? Hoje em dia, no mesmo local, apenas se escuta o discurso de políticos e a frenagem de veículos do viaduto.

Prestigiamos todas as festas do lado de lá, compramos traje típico alemão, pagamos uma fortuna o estacionamento e um copo de chopp. Do lado de cá, achamos caro pagar um quentão ou pinhão por R$3,00 na festa de São Pedro, sem gastar com estacionamento e entrada, o locutor da roda da fortuna no final da noite fica rouco e extenuado tentando vender bilhetes de R$1,00.

E o que falar do abandono do Clube Atlético Tupi, já mencionado em colunas anteriores. Em grave crise financeira e de apoio, cada vez mais caminha a passos largos para fechar as portas. Contudo, observamos empresários de Gaspar, nascido e criados aqui, patrocinando agremiações de outras cidades. Ou ainda, dezenas de pessoas se dirigindo até Blumenau para assistir uma partida do Metropolitano, mas não são capazes de marcar presença no Carlos Barbosa Fontes. Concórdia possui um time na primeira divisão do campeonato catarinense, com a mesma população de Gaspar! Na nossa cidade é normal a criação de consulados ou bares de torcidas de clubes gaúchos, cariocas e paulistas, entretanto, não existe nenhum encontro da torcida do índio gasparense. Dezenas de pessoas pagaram para ver em 2017 o furacão do Botafogo – Jairzinho - em uma churrascaria de Gaspar, será que esse pessoal irá prestigiar o jogo festivo, com entrada gratuita, no dia 18/03 entre o Master do Tupi vs Master do Atlético/PR – furacão do Paraná - em nossa cidade?

E por falar em esporte, tem gente daqui que vai até Blumenau caminhar, correr, pedalar, jogar vôlei ou tênis no parque Ramiro, no entanto, se recusa a colocar o pé no complexo do Ginásio João dos Santos.

A grama do vizinho sempre é melhor, o sorvete em Blumenau é mais gelado, a cerveja desce mais redonda, a picanha é mais saborosa, o sushi mais fresco, a música da festa é mais harmoniosa e convidativa, até a fé na Igreja do lado é maior! A propósito, agora Gaspar terá uma filial da Loja Havan, será que o gasparense vai parar de comprar nesse estabelecimento?

Pobre Neuza! O filho se tornou bastardo. A criadora do hino ainda está viva, mora na cidade de Piracicaba/SP, local que nasceu, sim, a compositora não tem ligação com Gaspar. O povo que se julga tão barrista, que se diz apaixonado por esta terra, é infiel às raízes na hora de demonstrar, se revelando em sua maioria um cosmopolita.

Parabéns, Gaspar! Somos ingratos, não reconhecemos e prestigiamos suas riquezas, belezas e monumentos, mas continue sempre noite e dia iluminando o grande e belo Vale do Itajaí.

E você, o que pensa sobre isso?

 

Edição 1841

Comentários

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.