Lista telefônica

Por Augusto Diegoli - Jornal Cruzeiro do Vale

Por Augusto Diegoli

20/12/2016

Campo sem crise
A maior recessão da história afeta praticamente todo o país, mas o campo catarinense não sente o problema, observa dirigentes da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado (Faesc). A entidade destaca a formação de jovens para abrirem empresas rurais. Nas pequenas cidades de SC o agronegócio flui bem, impulsionando a venda de carros e máquinas. A maioria dos grãos está com bons preços e o mesmo ocorre com a produção de carnes.

Pronegócio de Inverno
De 9 a 13 de janeiro de 2017 a cidade de Brusque receberá, mais uma vez, dezenas de lojistas de todo o Brasil com a 40ª Pronegócio. Realizada pela Associação das Micro e Pequenas Empresas de Brusque e Região (AmpeBr), em parceria com o Sebrae/SC, a rodada apresentará as coleções do Inverno 2017, nos segmentos de moda feminina, masculina, infantil, de cama, mesa e banho.

Tamanho
A rede de farmácias Preço Popular cresceu de maneira surpreendente. Já tem 310 lojas e está presente nos Estados de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e em São Paulo. A família de Joinville, proprietária do negócio, também controla a Drogaria Catarinense. Tudo sob o guarda-chuva da Clamed.

Maiores IPM de SC
Os 10 maiores Índices de Participação dos Municípios (IPM) de Santa Catarina para 2017, são: Joinville (9,0799), Itajaí (7,1555), Blumenau (4,8900), Jaraguá do Sul (3,0782), Florianópolis (2,9363), São José (2,4422), Chapecó (2,4328), Lages (1,9439), Criciúma (1,9122) e Brusque (1,7311).

Novo leilão
A juíza Clarice Lanzarini, da Vara Comercial de Brusque, determinou que seja realizado novo leilão dos bens da Fábrica Renaux, cujo primeiro, realizado meses atrás, não vendeu quase nada do patrimônio da massa falida. Ordenou também a realização de leilão da marca Renaux. Para isso, foi nomeada a leiloeira Elizabete Ubialli, que terá remuneração de 5% sobre o valor da venda. O novo leilão deverá acontecer em meados de 2017.

Banco do Brasil
Um total de 9,4 mil funcionários aderiu ao plano de aposentadoria do Banco do Brasil, anunciado em novembro para cortar gastos. Ao todo, a instituição emprega aproximadamente 109 mil colaboradores no país. A medida deve gerar uma economia de R$ 2,3 bilhões em 2017. A instituição financeira irá gastar R$ 1,4 bilhão neste ano para pagar a grana prometida aos funcionários que vão sair.

Falência
O negócio de revenda de combustíveis nos postos não é tão lucrativa como se imagina. Com a crise, 24 postos fecharam em Florianópolis e outros 36 quebraram em Joinville. A sobrevivência depende mais de lojas de conveniência e outros serviços do que dos combustíveis.

Alerta aos lojistas
Os lojistas de Balneário Camboriú estão sendo alertados pela CDL sobre o risco de fraudes que aumentam na temporada de verão. A mais comum é o uso de dinheiro falso, em especial as cédulas de R$ 50. A conferência das cédulas deve ser uma rotina. É a única maneira de evitar prejuízo. Segundo a entidade, de cada milhão de notas de real que estão em circulação, 92 são falsas.

Busscar Ônibus
Dois grupos empresariais do exterior e um nacional têm interesse em comprar as unidades operacionais da Busscar Ônibus, em Joinville. O grupo brasileiro se compõe de investidores e de empresa paulista fabricante de carrocerias. As empresas do exterior manifestaram a intenção de apresentar proposta formal, mas ainda não o fizeram. São a chinesa Liaoyuan Group e a portuguesa Imparávelepopeia UniPessoal. Ambas afirmam que também querem retomar a operação da produção de ônibus em Joinville.

Selo de acreditação
O curso de Medicina da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) acaba de receber o selo de acreditação do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Educação Médica, pelo cumprimento de pré-requisitos exigidos pelo Sistema de Acreditação de Escolas Médicas. A certificação comprova a excelência do curso em diferentes aspectos, que envolvem requisitos educacionais, perfil dos professores, qualidade da gestão e da infraestrutura disponível, entre outros pontos.

Expansão
Duas novas unidades da Casas d’Água foram iniciadas. Uma ficará em Brusque e outra, em Canasvieiras, na Capital. A unidade de Biguaçu acaba de ser inaugurada. A empresa tem hoje 17 unidades e 1.200 empregados diretos. Completará 50 anos em outubro de 2017.

Lucro da Oktoberfest
O lucro da edição deste ano da Oktoberfest cresceu 70% em relação a 2015. As receitas da festa superaram as despesas em cerca de R$ 3,2 milhões. Uma fatia do superávit da festa germânica vem sendo usada em questões estratégicas para a cidade. Parte da elaboração dos projetos do Plano Municipal de Turismo, do Vale da Cerveja e do Centro de Convenções da Vila Germânica foi paga com o dinheiro extra gerado na Oktoberfest.

PIB principais cidades de SC
O IBGE divulgou o PIB das cidades de SC referente o ano de 2014. O valor representa a soma dos valores brutos dos três grandes setores de atividade econômica, como agropecuária, indústria e serviços, entre os anos de 2010 e 2014, bem como os impostos, líquidos de subsídios. O crescimento apontado abaixo refere-se ao ano anterior (2013). Joinville R$ 24,57 bilhões (+11,43%), Florianópolis R$ 17,32 bilhões (+15,72%), Itajaí R$ 17,12 bilhões (+10,61%), Blumenau R$ 16,76 bilhões (+28,14%), São José R$ 7,98 bilhões (+4,22%), Chapecó R$ 7,71 bilhões (+13,67%), Jaraguá do Sul R$ 6,99 bilhões (-10,11%), Criciúma R$ 6,48 bilhões (+17,91%), Brusque R$ 5,39 bilhões (+22,76%) e Palhoça R$ 5,24 bilhões (+31,47%).

Xô, crise
Na contramão da difícil situação do setor têxtil, a Fakini, de Pomerode, comemora o aumento de 40% nas exportações neste ano. Cerca de 170 mil peças da marca desembarcaram em sete países da América Latina. Para 2017, a empresa quer crescer mais 25% no mercado internacional.

Cobrança de bagagem
A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aprovou novas regras para o transporte aéreo de passageiros, válidas a partir de 14 de março do ano que vem. Entre as mudanças, ficou determinado que as companhias aéreas não terão mais que oferecer uma franquia de bagagens aos passageiros e que poderão cobrar pelo serviço relativo ao volume despachado.

Guia de SC
A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de SC (Abrasel) acaba de lançar mais uma edição do Guia da entidade, considerada a publicação mais completa sobre os equipamentos turísticos, bares e restaurantes de SC. Com 50 mil exemplares de tiragem, é distribuído em hotéis, restaurantes, aeroportos e rodoviárias, entre outros pontos. São mais de 300 locais espalhados pelo Estado.

Buettner (1)
A juíza Clarice Lanzarini, da Vara Comercial de Brusque, autorizou a liberação de R$ 400 mil para o pagamento de salários atrasados de ex-funcionários da Buettner. O valor será usado para quitar vencimentos equivalentes aos três meses anteriores ao decreto de falência da empresa têxtil, feito em abril. Cerca de 250 pessoas serão beneficiadas, com limite de recebimento de até cinco salários mínimos. Os depósitos devem ocorrer em até 60 dias.

Buettner (2)
Pelo menos duas empresas de Brusque, uma atacadista e outra fabricante de artigos de cama, mesa e banho, estão interessadas em comprar o estoque de tecidos e fios da Buettner, avaliado em torno de R$ 700 mil. As propostas estão em análise. A juíza também nomeou um leiloeiro para tentar vender algumas máquinas antigas do parque fabril. Tudo que entrar no caixa vai ajudar a pagar as dívidas da centenária empresa têxtil brusquense.

Pronto-socorro
A Maternidade e Hospital Aliança, em Brusque, empresa responsável pela gestão do antigo Hospital Evangélico, anunciou em comunicado à imprensa o fechamento temporário do pronto-atendimento da instituição. O que motivou a paralisação foi a falta de médicos, segundo o comunicado. Recentemente, a inadimplência com relação ao atendimento na UTI gerou um comunicado para explicar a interrupção de alguns serviços.

Recursos para pagar dívidas
Na busca por acelerar a recuperação da economia brasileira, o governo estuda duas medidas. Uma delas é permitir o uso do FGTS para que os trabalhadores quitem empréstimos em bancos. A outra possibilidade em análise é a liberação dos depósitos compulsórios (recursos que os grandes bancos depositam obrigatoriamente no Banco Central) para refinanciar dívidas de pessoas jurídicas e físicas. O elevado endividamento de empresas e consumidores provoca um travamento do mercado de crédito.

O buraco da Previdência (1)
A reforma da Previdência é uma velha ladainha e muita gente pensa que é só para prejudicar os mais pobres e os velhinhos. Acontece que o Brasil tem uma série de distorções que transformaram o pagamento de pensões e aposentadorias numa despesa que não para de crescer. Se tudo ficar como está, o peso da Previdência nas contas públicas vai ser insustentável. O rombo só cresce. O Brasil ainda é um país relativamente jovem, mas vai envelhecer rapidamente nas próximas décadas. Nasce menos gente e as pessoas vivem mais . Não tem erro.

O buraco da Previdência (2)
O problema é que o país já gasta hoje com a Previdência mais até do que deveria gastar quando vier esse envelhecimento. Proporcionalmente gastamos hoje até mais do que a Suíça e a Inglaterra, sendo que lá há mais idosos na população e eles vivem mais. Os grandes problemas aqui são as pessoas que se aposentam cedo demais e os privilégios de alguns setores, como servidores públicos e políticos, por exemplo. O desafio é mudar de maneira equilibrada. A idade para se aposentar tem que levar em conta a expectativa de vida, ou seja, a idade média em que as pessoas morrem.

O buraco da Previdência (3)
Hoje, no Brasil, ela está em torno de 75 anos. É preciso também acabar com essas aposentadorias especiais. Tratar todo mundo da mesma maneira. A proposta do governo é boa nesses dois quesitos. Claro que pode e deve ser aperfeiçoada. Tem muito exagero. Não dá, por exemplo, para querer 49 anos de contribuição. Cabe ao Congresso fazer os ajustes. Mas o perigo é que os deputados queiram fazer média e acabem desfigurando a reforma. Aí vai ser tempo perdido e futuro incerto pela frente.

João Calvino (1)
Rolex, Omega ou Breitling: justamente João Calvino, um homem asceta e de costumes rígidos ajudou a promover a cara e luxuosa indústria de relógios de Genebra, na Suíça. Ele refutava as joias como um luxo exagerado, mas aceitava os relógios como coisa súteis. Talvez também para que ninguém perdesse a hora do culto, dizem as más línguas. Segundo alguns historiadores, Calvino foi o “consumidor da Reforma”. Mas de 80 milhões de cristãos reformados adotam o seu nome para definir a sua confissão. Os calvinistas são, ao lado dos luteranos, o segundo maior ramo do protestantismo.

João Calvino (2)
Calvino veio ao mundo no dia 10 de julho de 1509 em Noyon, distante cerca de 100 quilômetros de Paris. Ele tinha oito anos quanto Lutero (1483-1546) fixou as lendárias 95 teses na porta da Igreja em Wittenberg. O “Lutero francês” morreu no dia 27 de maio de 1564 em Genebra, com apenas 54 anos de idade. Filho de família de posses, ele teve uma formação clássica e estudou humanística. Católico fiel desde o berço, através de amigos, Calvino teve acesso às progressistas ideias reformatórias, como a liberdade de consciência e o acesso irrestrito a um Deus gracioso sem os desvios através de sacerdotes, do papa ou da igreja. Por volta do início de 1530 ele aderiu ao movimento da Reforma, confessou publicamente sua fé evangélica e teve que fugir de Paris.

João Calvino (3)
Depois de algum tempo em Basileia e Estrasburgo, em 1541, Calvino fixava residência definitiva em Genebra para passar ali o resto de sua vida. Ele transformou aquela antes provinciana cidade num centro intelectual, atraindo estudiosos, artífices e famílias que buscavam abrigo da perseguição religiosa. Com Lutero a Reforma, que cozinhava em banho-maria por muito tempo, pegou fogo e renovou a Europa drasticamente, levando ao surgimento das igrejas evangélicas. Calvino, que jamais encontrou Lutero pessoalmente, faz parte da segunda onda dessa revolução religiosa. Ao lado de Lutero e depois dele nenhum teólogo marcou o cristianismo protestante de forma tão profunda quanto Calvino. Ele apostava numa renovação radical da igreja. As igrejas reformadas, que se baseiam sobretudo em Calvino, geralmente são muito simples. Não há crucifixo nem afrescos porque o mandamento bíblico de não adorar imagens é levado muito a sério. No centro do culto está a pregação, as hierarquias são rasas, as comunidades e os leigos determinam as coisas e bispos são algo comum apenas em poucas igrejas reformadas.

João Calvino (4)
Que tipo de pessoa era Calvino? Testemunhos da época o descrevem como pessoalmente intolerante, enquanto outros o descrevem como um paciente mediador de disputas. A rigidez de Calvino contra si mesmo e os outros também pode ser consequência das mazelas do destino. Primeiro teve que fugir de sua terra natal, em 1549 morria sua esposa e um filho sobreviveu ao parto apenas por pouco tempo. Mas também havia um Calvino obscuro. Devido a sua substância em comprometer-se em questões de fé, ele era visto como o “déspota de Genebra”. Sua participação ativa na acusação contra o médico e jurista espanhol Miguel Servet mancha pesadamente sua reputação até hoje. Servet fora acusado de heresia e blasfêmia e no dia 27 de outubro de 1553 foi executado na fogueira. Os historiadores desculpam Calvino com argumentos das circunstâncias da época. Mas o escritor Stefan Zweig acusa: “A queima de Servet é imediatamente entendida por todos os contemporâneos como um divisor de águas moral da Reforma”.

João Calvino (5)
Ainda assim: a democracia moderna, os direitos humanos e o ecumenismo inspiram-se em Calvino. Em sua ordem de culto de Genebra desenvolvida em meados do século 16, muitos percebem um modelo para a futura divisão estatal de poderes. Em oposição ao reformador de Wittenberg, com seu jeito barroco, Calvino aparece nas pinturas sempre sisudo e severo. Talvez por isso mesmo desde o século 16 fixou-se o clichê dos calvinistas como inimigos do prazer, da arte e da vida. Também a imagem distorcida de um Calvino como “pai do capitalismo” manteve-se com insistência. Talvez também porque Calvino sempre é imediatamente associado às virtudes da economia e da disciplina no trabalho – e também por causa de seu legendário apego à pontualidade.

No vermelho
O número de consumidores registrados nos cadastros de inadimplentes se estabilizou em novembro, crescendo 0,69% ante o mesmo mês de 2015, informa o SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito). Em 12 meses, a estimativa aponta que 1 milhão de brasileiros entraram na lista.

Para refletir
Deus não castiga. Deus não se ofende, por isso, não castiga. A lei Divina é amor puro. Sua ação visa ao aprimoramento de todas as criaturas. Não se sinta castigado. Tudo objetiva a sua melhoria. Procura apenas o seu bem. É Deus atuando dentro de você para o aperfeiçoar. Não maldiga os contratempos. Use o poder de sua mente. Se agradecer, encontrará mais o Deus que, no seu íntimo, está querendo lhe ajudar. Toda ação de Deus é para o nosso bem. 

Comentários

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.