Lista telefônica

Por Herculano Domício - Jornal Cruzeiro do Vale

Por Herculano Domício

20/12/2017

O PSDB DE GASPAR É CONTRA O AUMENTO ABUSIVO DA COSIP. VEREADORA VOTOU A FAVOR SEM CONSULTAR O PARTIDO. QUEIMOU-SE. ESTÁ À CAÇA ÀS BRUXAS

O PSDB de Gaspar saiu de cima do muro. Foi claro à sociedade gasparense nesta terça-feira que é contra o aumento de 40% da Cosip, numa inflação de 2,5%. O aumento foi aprovado à toque de caixa na segunda-feira, na Câmara de Vereadores, numa sessão extraordinária polêmica, com o voto decisivo da mais jovem vereadora já eleita no município, Franciele Daiane Back, do Distrito do Belchior.

Franciele não só votou (7 a 6), como defendeu abertamente o aumento durante a sessão sob o repúdio dos presentes. Classificou à alta majoração como “necessária” e feita como “um ato de coragem” do prefeito Kleber Edson Wan Dall, PMDB, a quem, pessoalmente, está atrelada no projeto político e proteção. Foi provocativa com a dita oposição (PT, PSD e PDT que votaram contra o aumento) e com quem assistia a sessão: “perco a popularidade, mas não perco a credibilidade”. Na terça-feira, ontem, perdeu a eleição para a presidência da casa e até a compostura com os eleitores, internautas, correligionários e o próprio partido, de quem estava isolada nestes dois casos.

O comportamento de Franciele, não de segunda-feira, apenas, cavou a própria sepultura da sua prometida presidência da Câmara. Pessoalmente sempre achei ser uma temeridade à promessa pessoal de Kleber, que não tinha aval no núcleo duro do PMDB de Gaspar, bem como a concretização dela. Na segunda-feira era dia dela ficar quieta, não provocar e se expor ao mínimo. Cumpria-se o papel: votava apenas com o governo. Entretanto, mais uma vez, mal assessorada, porque não se deixa a isso, a arrogância e a auto-suficiência não a permitiu.

Como eu suspeitava, antecipei e escrevi, daria o médico Silvio Cleffi, PSC. Era o plano B. E foi. Lavei mais uma vez a alma e só aqui os leitores e leitores sabiam disso antecipadamente. Na coluna de sexta-feira, feita especificamente na edição impressa do jornal Cruzeiro do Vale, o mais antigo e o de maior circulação em Gaspar e Ilhota, comento. E se o PMDB quisesse manter a hegemonia de poder e até proteger a própria Franciele, deveria ter proposto Francisco Hostins Júnior, no lugar dela, adiando a promessa e compromisso de Kleber. Também está escrito por mim. É só conferir as colunas anteriores.

Impressionante é como o poder de plantão não percebeu isso. O poder cega.Ou então, tudo isso foi de propósito? Silvio é tão perigoso quanto Franciele: quer sempre mais poder, de forma rápida, não importando os meios. E a oposição percebeu isso há muito tempo, quando ele colocou sucessivamente a faca no pescoço por causa das questões corporativas da saúde. E agora? Chora Franciele. Se houver aprendizado, terá valido a pena! Ontem, todavia, todas as atitudes de Franciele mostravam uma pessoa amarga e desorientada a procura de culpados, caçando as bruxas, para aquilo que só ela deu causa.

Pior mesmo, vai ser quando se descobrir que isso pode ter sido embalado e parido intramuros no próprio PMDB. É muito difícil aceitar que Silvio tenha traído sem algum mínimo sinal do PMDB, para quem vai trabalhar para dar base e sustentação. Se não for assim, o preço será alto demais, maior que a desmoralização  de terça-feira a qual ficará marcada para quem queria Franciele na presidência da Casa. Vou escrever na sexta-feira sobre isso.

Franciele ainda não entendeu qual era o seu papel para o PMDB, que agora virou o velho MDB. Franciele não negociou com o PMDB. Sozinha, aceitou a cantada de Kleber e que foi lá na noite da eleição acertar essa frágil maioria na Câmara que depois da contagem da tarde, percebeu não tê-la. Frágil, até porque Kleber não manda no PMDB e Franciele não quer o PSDB se não for ela a que mandasse nele autoritariamente.

Sem o seu partido, a quem solenemente dispensou em todo esse processo, mal orientada por Luciano Coradin e Claudionor da Cruz Souza, nesse processo de dissidência no ninho tucano, Franciele foi e ainda está sendo usada por velhas raposas do PMDB, com frutas doces e sem contrapartidas, por enquanto. Também já escrevi aqui várias vezes sobre isso. Alguém precisava explicar à Franciele como funciona o PMDB, PP, PT aqui. Todos iguais. Jogam para os mesmos, funcionam fortemente nos bastidores; não é Francisco Solano Anhaia? Mas, isso é também para outro comentário.

ERRÁTICOS E EQUIVOCADOS

Voltemos ao angu da Cosip. Sem argumentos técnicos, segundo Franciele, e com o mesmo texto de seus mentores derrotados de terça-feira na eleição da Câmar), o “prefeito Kleber fez o que os outros prefeitos [Pedro Celso Zuchi, PT, por 12 anos e Adilson Luiz Schmitt, PMDB, por quatro], não tiveram coragem de fazer: reajustar o que estaria defasado”. Falso.

Franciele, Luciano e Claudionor os mesmos que ser armaram na negociação pela presidência da Câmara e que perderam bisonhamente, consideraram a taxa criada pelo PT em 2002, desatualizada. Entretanto, o próprio relator da matéria no Legislativo, Dionísio Luiz Bertoldi, PT, demonstrou que houve aumento de 218,7% da Cosip desde que ela foi criada até hoje. Isso dá, segundo o próprio Dionísio, uma média anual de aumento de 14,54%. Ou seja, bem maior do que as inflações anuais registradas no período.

Das duas uma: ou o relatório de Dionísio está errado, ou é falso e não foi devidamente contestado por ninguém, incluindo a Franciele, ou a vereadora e seus assessores não sabem fazer contas e acham que seus eleitores também.

Luciano Coradini por exemplo questionou um correligionário empresário se ele conseguiria manter o mesmo preço de um produto por 15 anos. Só isso, mostra a desinformação ou a má intenção ao debate. O preço da Cosip não está igual por 15 anos e isso foi demonstrada amplamente durante o debate na Câmara, sem contestação aos números, e nos parágrafos anteriores.

A presidente do PSDB de Gaspar, a ex-vereadora e ex-candidata derrotada a prefeita nas últimas eleições, Andreia Symone Zimmermann Nagel, estava quieta até a polêmica estourar na segunda-feira e o voto do PSDB ser questionado fortemente nas redes sociais, exatamente com a manifestação de desdém da vereadora. Não era o voto do PSDB. Franciele não consultou o partido sobre o assunto e nem avisou oficialmente do seu posicionamento. E a nota do partido incendiou internamente ainda mais o debate. Franciele percebeu que estava isolada neste assunto. E foi à forra. Como perdeu a presidência de forma constrangedora, só restou colocar em marcha à vingança aos seus.

Franciele, a jornalista, a que foi assessora do vereador Jaime Kirchner, PMDB, que o deixou a ver navios para ter uma carreira solo, experimentou do mesmo veneno. Depois de derrotada da Câmara, por gerenciar a conta do site do partido na internet, tirou do ar a nota oficial do PSDB sobre a Cosip, os comentários e bloqueou o acesso da presidente Andreia. Censura! Este fato é emblemático. Ele mostra como seria a presidente da Câmara, com qualquer um, se ela fosse contrariada nas suas determinações de poder, que buscou sem pudores, e de forma isolada. Dizia a nota que sumiu do site do PSDB:

“O PSDB de Gaspar esclarece que é CONTRA todo e qualquer projeto de lei que aporte na Câmara de Vereadores e que não respeite ao menos o prazo estabelecido pela lei de 45 dias para estudo e análise, como ocorreu com os projetos que foram apreciados na Câmara Municipal no dia de ontem (19/12). Em relação ao projeto que aumenta a taxa de iluminação pública - COSIP - em 40% o PSDB de Gaspar é CONTRA o aumento, entende que se faz necessário primeiramente, buscar projetos que possam dar eficiência ao setor e esclarecer a população, através, por exemplo, de audiências públicas, buscando a transparência, que DEVE ser uma prerrogativa de toda administração pública. O PSDB de Gaspar também esclarece que o voto da vereadora Franciele Back é EXCLUSIVAMENTE de sua responsabilidade”.

Daí em diante, dois debates se estabeleceram na cidade. O primeiro entre os tucanos e o segundo entre a vereadora Franciele e seus eleitores que majoritariamente nas redes demonstraram a contrariedade ao voto dado por ela.

Entre os tucanos está claro que vereadora é uma rebelde, centralizadora e que não consegue conviver em grupo, com opiniões divergentes, muito menos se estabelecer na dialética pelo partido e causas estratégicas de sobrevivência política num ambiente dominado pelo PMDB e PT. Pior, com o resultado da eleição da mesa diretora da Câmara ficou, de forma definitiva, que ela está sendo usada, exatamente, por não estar no partido, por usá-lo um ente político e protetor aos seus interesses políticos e comunitários. Entre os seus eleitores, inclusive na área de comentários da coluna, a desaprovação da atitude dela foi imediata.

Os tucanos sabem desse problema desde o dia da eleição de Franciele em outubro do ano passado. Não o resolveram desde então. Conviveram. O resultado só poderia ser esse. O ex-presidente do PSDB de Gaspar, o advogado Renato Nicoletti, tinha reais dificuldades para se estabelecer num trabalho conjunto com Franciele. E isso continuou com Andreia. Franciele de forma intencional, alimentada por seus “assessores” e pelo governo de Kleber, Luiz Carlos Spengler Filho, PP e Carlos Roberto Pereira, isolou-se quando não conseguiu se impor como presidente do partido como queria, ou ter no seu lugar, o seu mentor Claudionor de Souza Cruz.

Ontem, questionada por mim, pois estava no centro da fogueira acessa por Franciele, Andreia mandou dois recados: o primeiro estava ardendo e o segundo, um que ela diz ter escrito para os tucanos numa rede privada de whatsapp que a questionaram sobre o assunto. “é para não causar mais ruído do que já temos”, justificou-me, com medo de que voltasse o pesadelo de uma troca errada de informações entre eu e ela no passado e que a deixou exposta no diretório.

“Entendo que o vereador deve ouvir o seu partido antes de qualquer decisão, afinal precisa dele para se eleger. O vereador só pode falar em nome do partido, quando este foi consultado. Caso contrário a opinião é pessoal, e a responsabilidade é de quem se manifesta. Antes de publicar a nota oficial, ouvi muitos tucanos do diretório, nem todos estão em grupos de watts ou se manifestam por meio deles, mas sem dúvida é de extrema importância ouvi-los, e através da nota se manifestou a opinião da maioria”. Alguma dúvida?

Mas, quando o diretório do PSDB de Gaspar se manifesta contra o aumento da Cosip ele não se alinha ao discurso da dita oposição como o PT, PDT e PSD? Na eventual demagogia, não. Na construção de uma solução, sim! É claro que a iluminação precisa ser melhorada, pode até defasada nos valores pela inércia dos administradores em buscar tecnologia, mas não foi isso que Kleber propôs. Impôs aos gasparenses apenas custear algo defasado. Renegou a sua marca de propaganda de governo que não colou até agora: a “eficiência”.

Escrevi o que segue abaixo em dois artigos anteriores para exemplificar que o que pede Kleber é algo atrasado, ainda mais, quando o seu chefe de gabinete, é um engenheiro eletricista, que antes de se aposentar, foi um afamado gerente regional da Celesc. Ele até chegou a fazer um vídeo pífio sobre o assunto.

Quer um exemplo para que se possa compreender popularmente a tamanha burrice e atraso que o governo Kleber faz no fechar do ano com os gasparenses? Estão aprovando dinheiro para pagar a gasolina consumida por um carro velho que bebe um litro para fazer apenas seis quilômetros, quando hoje no mercado, um automóvel de idêntica potência, maior conforto, segurança e atualidade tecnológica, principalmente, faz 18 quilômetros com o mesmo litro de combustível”.

Na área de comentários da coluna, ontem, apesar da idade, vivo lendo, praticando inovação e por isso, em plena atividade produtiva e remunerada, publiquei um artigo onde o governo de São Paulo, do mesmo PSDB de Franciele, a mais jovem vereadora eleita de Gaspar, jornalista, antenada no mundo digital, e que é capaz de praticar o atraso contra a sociedade e seus eleitores, por questões menores. Veja como começa o artigo:

“O governo do Estado de São Paulo assinou nesta quinta-feira (14) uma parceria com a empresa norte-americana CG/LA Infrastructure para realização do Ilumina SP. A proposta é impulsionar a modernização da iluminação pública nas cidades com estudos de viabilidade atraentes à iniciativa privada. Mas que também gerem receita aos municípios, reduza os custos e melhorem o serviço para população”.

Isto é ser eficiente. Isto é livrar os cidadãos de obrigações que o estado cria por ser preguiçoso, burocrático, antigo e repassador de custos da sua ineficiência produtiva, tecnológica e administrativa. O mundo é outro. Muda muito rapidamente nesse ambiente da tecnologia eletrônica.

Bom, enfim! Preciso encerrar. Estou sendo repetitivo. E não adianta! Os políticos não vão mudar. Os políticos e a sua politicalha, antiga, e apenas “remodelada”, infelizmente, apenas vão me alimentar com os seus erros para que eu tenha material de comentário por muitos e longos anos. Afinal o leite do atraso já foi derramado na segunda-feira, mais uma vez. Ele já teve consequências na Câmara, ontem, terça. E se não abrirem o olho, 2018 será terrível!

OS DONOS DA BOLA QUADRADA

Repito: eu não sou o problema, como insistem Kleber, Luiz Carlos, doutor Roberto e Pedro, porque tantas vezes as minhas críticas foram, na verdade, consultorias gratuitas e advertências. Todas desprezadas e lidas como se fossem birras ou perseguições pessoais. Para quem fez o que fez com Dilene Jahn dos Santos indicada por Sérgio Roberto Waldrich, que fingiram ser um conselheiro, sinto-me até aliviado.

O PT tinha (e tem) a mesma opinião sobre o meu trabalho; reclamação e perseguição. Deu no que deu. O PMDB e o PP se beneficiaram e até nisso nas eleições do ano passado, ou seja, até nisso, são mal agradecidos.

A vingança cega. E o atual governo de Gaspar está cego, errático e com uma comunicação medonha no tema e nos seus operadores, incluindo esta campanha que colocaram no ar. O governo escolheu mal seus secretários e os apoia nas suas fragilidades e erros. É operado nos bastidores por mãos “invisíveis” que todos conhecem. No organograma visível, é feito por gente curiosa e até incapaz. Vale a amizade, a proximidade (inclusive religiosa de aparência), a influência familiar danosa o puxassaquismo... A secretária de Educação, a de Saúde, a de Assistência Social, Agricultura... ainda não mostraram a que vieram. Assim todos ficam fracos. A composição precisa ser diferente na proporção: mais profissionais e menos curiosos, submissos ao atraso.

Outra. São os aliados e a sua insaciável sede e jogos de poder o verdadeiro perigo. Não há um time na prefeitura; há gente atende quem está do lado de fora dando as cartas como se fosse de fato o mandatário, o secretário, o dono do pedaço. O PMDB já perdeu para si próprio com Bernardo Leonardo Spengler e Adilson Luiz Schmitt. Está apenas repetindo a mesmíssima fórmula. Aprendizado, zero.

Na segunda-feira, ganharam Kleber, Luiz Carlos, o doutor Pereira e o Pedro com a aprovação dos 40% de aumento da Cosip. Perderam os gasparenses que vão pagar esta conta e a escuridão será a mesma. Na terça-feira, o recado: perderam Kleber, Luiz Carlos, o doutor Pereira e o Pedro uma importante batalha na Câmara porque se não armaram contra Franciele, mesmo por suposta omissão, foram arrogantes, insensíveis e quiseram impor vontades sem estratégia, sem gente competente e principalmente, confiável. O PT, o PDT e o PSD leram melhor o que estava à vista de todos e que só o poder de plantão não enxergou. Avisar, até avisei, mas... Acorda, Gaspar!

ESSES MEU LEITORES! I

O que se escondeu sob o rótulo de “Mal Representado”, publicou na área de comentários na segunda-feira: “Hoje assisti a futura presidente da Câmara de Vereadores de Gaspar na Tribuna. Fiquei muito preocupado. Mostrou-se desequilibrada, parecendo uma moléca defendendo o indefensável. Fico temeroso. Gaspar merece coisa melhor, nem o Ciro é tão ruim”.

Retruquei. E depois do que aconteceu, ontem, terça-feira, parece ser tão premonitório e atual.

“Quem estará mal representado, será quem criou toda esta situação, o prefeito Kleber Edson Wan Dall, PMDB e os seus.

Foi ele quem fez um pacto pessoal com a vereadora Franciele Daiane Back, PSDB, para ter a tal maioria apertada na Câmara onde outros da base é quem colocam a faca no seu pescoço o tempo inteiro na busca de vantagens.

Foi, Kleber, depois que viu que não tinha a maioria na Câmara, na noite da eleição em outubro do ano passado, foi pessoalmente na casa da vereadora no Distrito do Belchior e combinou tudo, à revelia dos partidos, até porque o PSDB tinha sido um adversário com Andreia Symone Zimmermann Nagel.

Agora, se não cumprir em dar a presidência da Câmara a alguém tão jovem, inexperiente politicamente, despreparada para a missão (nem falo para o cargo), que rejeita conselhos e assessoria, o estrago pode ser tão grande quanto uma suposta traição.

Franciele é a mais jovem vereadora eleita em Gaspar. Só isso é uma sinalização sobre um possível problema para ser presidente da Câmara.

É até inexperiente como vereadora. É teimosa. É inflexível. Entra em divididas, como a de hoje [segunda-feira na discussão da Cosip], desnecessária, com argumentos frágeis e contraditórios. Se não possui experiência, mas é obstinada, um fator que poderia ser bom, mas é impróprio para uma cadeira onde a tática e a estratégia são fundamentais para o cargo, que antes de tudo é político e arbitra interesses e necessidades contraditórios.

A administração de Kleber, Luiz Carlos Spengler Filho, PP e o prefeito de fato e presidente do PMDB, Carlos Roberto Pereira, exatamente pela teimosia, precipitação, falta de estratégia, comunicação e até por vingança, estão escolhendo um caminho que poderá dar o mesmo final que teve as administrações peemedebistas como a de Bernardo Leonardo Spengler, o Nadinho, que nem terminou o mandato, e de Luiz Adilson Schmitt, que não conseguiu a reeleição, nem voltar a ser um candidato viável pelo partido.

O pacto de Kleber, Luiz Carlos e o doutor Pereira, é com Franciele, e não com o PSDB de Gaspar, é com eles mesmos.

E todos estão expostos ao que pactuaram. A sessão extraordinária de hoje {segunda-feira], foi um aviso ao improviso. Ela poderia ter sido evitada, com inteligência e estratégia. Montaram um circo para a oposição se esbaldar.

E o único que se saiu razoavelmente incólume no governo, apesar de tudo, foi Francisco Hostins Júnior, PMDB. E este seria o melhor nome para Kleber neste momento na presidência da Câmara, para aparar as arestas e colocar a Câmara em ordem. Franciele, vai incendiá-la. É a melhor opção da oposição”.

ESSES MEUS LEITORES II

O que se escondeu sob o “Bem Informado”, publicou na mesma segunda-feira, na mesma área de comentários: “Kleber recebe vereadores da base, futura presidente e os consola, afirmando que o eleitor daqui a dois anos e oito meses, não vai mais lembrar quem os traiu na votação de hoje. Reclamou também de sua persistente perseguição e das mídias sociais. Pediu opinião de como travar estes entraves”.

Pois é. O que posso comentar depois do que aconteceu ontem à tarde na eleição da mesa da Câmara?

1. Vereadores da base? Que base, heim? É preciso comentar mais do que já comentei sobre o quanto ardiloso e perigoso era o médico Silvio Cleffi, PSC, que diante da falência da Saúde para os pobres nos postinhos, policlínica e farmácias básicas queria impor mais prejuízos ao Hospital com uma UTI para a sua corporação médica e ego pessoal? Eu não acredito que ele tenha feito o que fez sem uma sinalização mínima do núcleo de poder do PMDB de Gaspar. É quase impossível!


2. Consolar? Kleber vai ter que embalar, ninar e esperar que a criança mimada que ainda não saiu da Franciele não perceba que foi enrolada pelo próprio pessoal que cerca o prefeito e o está deixando-o exposto em vários assuntos cruciais. Cada um está querendo salvar o seu. Falta o espírito de time. E por que? Falta um líder.


3. O povo não vai se lembrar daqui a dois anos e oito meses? Duvido. Só se a oposição esquecer disso. Eu não! A não ser que Kleber reverta de verdade, o quadro que ele criou e está metido, exatamente para dar asas aos seus e ter melhores coisas para dar, no lugar do empurrou goela abaixo para os gasparenses e a oposição.


4. Kleber reclamou das mídias sociais? É uma vergonha! Ele não possui uma cara superintendência de comunicação? É ela que não funciona! Eu não sei se é por falta de competência ou por medo de perder o emprego. Ela se submete aos curiosos do poder de plantão. Nos dois casos, quem perde é o prefeito, a base e a comunicação dos tempos atuais, que não vai além dos “acertos” com os veículos de comunicação. O povo agora tem voz nas redes sociais. É preciso entender e lidar com isso, com estratégia, fatos e ações.


5. Reclamou deste colunista? Bobagem! Nada ele contestou até agora. Nem argumentou. Nem esclareceu. Está choramingando pelos cantos? Esta síndrome de perseguição é comum aos que estão no poder e precisam esconder os seus problemas ou mal assessoramento. Os políticos, acham-se. E no caso de Kleber, ele é refém dos segredos do PMDB e que as vezes nem na prefeitura estão. O governo do PT e Pedro Celso Zuchi tinha a mesma reclamação. Deu no que deu. Eu apenas comento fatos. Tenho uma opinião sobre o que acontece na cidade. E quem são os que fazem verdadeiramente os fatos? Os políticos! Ou não? O que aconteceu ontem eu fui o responsável? Foi uma consequência de erros e jogadas que ainda vou desvendar completamente. E sou só eu quem enxergo? E é isso que o político tenta esconder, pois se acha o perfeito como ente público que é.


6. Kleber pediu sugestão para resolver esses entraves? Bom! Mas, pediu, mais uma vez para as pessoas erradas. Tanto que o resultado da eleição da Câmara é a prova disso.


7. Você acha que isso vai mudar? Aposto que não! Então, o governo eficiente de Gaspar continuará achando que o problema está nos outros e não nele mesmo. E tudo isso, às vésperas de uma eleição onde a base será cabo eleitoral de gente marcada para morrer na reeleição. Acorda, Gaspar!

 

Edição 1832

Comentários

Roberto Sombrio
21/12/2017 20:56
Oi, Herculano.

Gaspar está revoltada por ter tomado na cabeça 40% de aumento na Cosip.

Gaspar tem Ministério Público?

Se tem para que serve?

Ficam quietos enquanto boi e vaca chifram o povo.

Talvez seria melhor chamar aquela turma de bombachinhas, especialistas em laçar chifrudos.

FELIZ NATAL GASPAR e um ?"TIMO 40% DE COSIP.
Miguel José Teixeira
21/12/2017 16:38
Senhores,

Da série: "Rôu. . .rôu. . .bôu. . ."

"Cela reservada a Maluf na Papuda tem 30 metros quadrados e vaga para dez presos"

Parafraseando o saudoso Nelson Gonçalves:

Naquela cela está faltando ele/E a ausência dele está doendo em "nóis". . .

Vaza novequirodáctilos!!!
Paty Farias
21/12/2017 14:07
Oi, Herculano

Mais uma notícia alvissareira vindo do Blog do Políbio.

"Na reportagem do G1 (Rede Globo) e RBS TV (Porto Alegre), fica claro que desde 2015, o Tribunal Regional Federal da 4ªRegião (TRF4ª), 35 penas foram aumentadas, 20 foram mantidas e 16, reduzidas. Tribunal ainda condenou 6 absolvidos em 1ª instância e absolveu outros 6 lá condenados. Dezessete absolvições foram mantidas.

Lula pode esperar pelo pior em Porto Alegre, dia 24.

O levantamento do G1 e da RBS TV tem como base os dados do TRF4 ao longo dos três anos de trabalho."

Promotor de Goiás, Mário Caixeta disse que o líder máximo do PT, Lula, é um "filho da puta".
Então, para o povo brasileiro que trabalha e paga os suados impostos surrupiado por políticos, que se faça justiça logo, ponha o filho da puta de uma vez por todas no lugar que é seu por direito, CADEIA!
E bom Natal!
Erva Daninha
21/12/2017 13:36
Oi, Herculano

O texto das 07:18hs é sobre a mudança de nome do falecido PMDB que agora passa a se chamar MDB.

Impressionante a volúpia de tentar demonstrar mudança e ficar no mesmo lugar... talvez regredir! Muda-se a merda mas as moscas são as mesmas.
Imagina se o PT tirar o P também, vai ficar só o T de Terrorista He... He...

Mariluci é do Terrorista (e ela sabe muito bem tocar o terror).
leo
21/12/2017 13:30
SOBRE A ELEIÇÃO DA CÂMARA DE VEREADORES DE GASPAR.ESTAVA NA HORA DE QUEBRAR ESTES CONCHAVOS POLÍTICOS,PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA CÂMARA DE VEREADORES.TUDO FEITO ENTRE QUATRO PAREDES.A ELEIÇÃO DO DR PARA PRESIDENTE DA CÂMARA FOI BOM PARA O VEREADOR CICERO.QUE VAI CONSEGUIR MUDAR O HORÁRIO DAS REUNIÕES PARA AS 18 HS. É O GOVERNO ESTA COM PROBLEMAS NA ARTICULAÇÃO POLITICA DA CÂMARA DE VEREADORES.
Mariazinha Beata
21/12/2017 13:08
Seu Herculano;

No texto de Mário César Carvalho, às 07:22Hs escreve que a psicóloga Ann Wolbert Burgess, uma pesquisadora de Boston, diz que criminosos de colarinho branco são como criminosos seriais:
NÃO SENTEM CULPA
NÃO SENTEM REMORÇO
NÃO SENTEM ARREPENDIMENTO.

LuLLa é um doente, pois estes requisitos fazem parte da sua cabeça maligna. Tem que trancafia-lo com urgência.
Bye, bye!
Sujiru Fuji
21/12/2017 12:58
"Adhemar escondia dinheiro num cofre na casa da amante no Rio. Tinha US$ 2,4 milhões quando foi roubado por guerrilheiros em 1969. Só para guardar o valor desviado na avenida Roberto Marinho, Maluf precisaria de 71 cofres iguais ao do Adhemar."

Acrescenta-se em "guerrilheiros" a ladra Dilma Vana Rousseff.
Belchior do Meio
21/12/2017 12:51
Sr. Herculano:

Recebi um cartão de felicitações de Natal do "dotô" Silvio, mais um perdulário do dinheiro público; ou seria da clínica que o "dotô" consulta?

Sai lixo entra lixo!
Bonecão de Recife
21/12/2017 12:46
Oi, Herculano

Lendo Miguel José Teixeira
Da série "nóis fumo, nóis vinhemu i nóis vamu":

Me lembrei do Sabidão, notasse os erros ortográficos? K...K...K...
Só pode ser mesmo estrela decadente como o Luladrão. E falando no maior larápio que o Brasil já teve notícia, será que ele também é ladrão?
Sidnei Luis Reinert
21/12/2017 12:04
Ação Popular cobra que TSE cumpra a lei e adote voto impresso em todas as urnas eletrônicas em 2018


Edição do Alerta Total ?" www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
O Tribunal Superior Eleitoral será alvo de uma inédita Ação Popular para que cumpra a legislação e adote o voto impresso em todas as urnas eletrônicas no pleito de 2018. Eis o presentinho de Papai Noel preparado para o ministro Luiz Fux ?" futuro presidente do TSE a partir de fevereiro ?" e também para Gilmar Mendes - o "libertador-geral da república". É gigantesca a chance de o Judiciário negar a ação. No entanto, com isso acontecendo, ficará evidente quem descumpre as leis no Brasil, sendo o principal causador da insegurança jurídica (a negação da Democracia, que é a Segurança do Direito).
Membro do Movimento Avança Brasil, o advogado Raphael Panichi, que está finalizando os detalhes da Ação Popular, cria uma armadilha para o TSE. A intenção é exigir que seja adotado o modelo de cédula em papel com urnas convencionais, aonde não estiver disponibilizado o voto impresso previsto em lei. A exigência é para impedir que tenhamos mais uma eleição fraudada, com resultado inconfiável. Não dá mais para aceitar a ditadura do crime que ganha ares de legalidade com urnas eletrônicas fraudáveis e com um sistema eleitoral sem auditoria por recontagem de votos. Eleição não pode ser um mero mecanismo de escolha no cassino eletrônico do Crime Institucionalizado.
Raphael explica que o principal objetivo da ação fazer o TSE simplesmente cumprir a lei 13.165/15, em especial o que dispõe o artigo 59-A que diz: "No processo de votação eletrônica, a urna imprimirá o registro de cada voto, que será depositado, de forma automática e sem contato manual do eleitor, em local previamente lacrado. Parágrafo único. O processo de votação não será concluído até que o eleitor confirme a correspondência entre o teor de seu voto e o registro impresso e exibido pela urna eletrônica.
A tese é simples: Considerando que existe a Resolução nº 23.202/2010 do próprio TSE (ou outra mais atualizada no mesmo sentido), as urnas que não estão em conformidade com o que manda o art. 59-A da Lei 13.165/15, se encontram como não funcionais, devendo, portanto, ser descontinuadas na respectiva seção eleitoral. Assim, faculta-se ao eleitor o exercício do seu direito de voto utilizando-se das cédulas de papel, disponibilizadas pela instituição. Desta forma, está claro que a urna que não tem impressora, não está completa.
Herculano
21/12/2017 11:45
A COLUNA OLHANDO A MARÉ PARA A EDIÇÃO IMPRESSA DESTA SEXTA-FEIRA DO JORNAL CRUZEIRO DO VALE, O MAIS ANTIGO E DE MAIOR CIRCULAÇÃO EM GASPAR E ILHOTA, JÁ ESTÁ EDITADA DESDE QUARTA-FEIRA. É PARA ATENDER AS EXIGÊNCIAS INDUSTRIAS NO PARQUE GRÁFICO

QUAL O TEMA DELA? A POLÍTICA NÃO É PARA NOVATOS. Acorda, Gaspar!
Herculano
21/12/2017 11:39
A PREFEITURA DE GASPAR E ILHOTA ESTÃO DE FÉRIAS. DIZEM QUE FARÃO PLANTÃO. DEVERIAM TRABALHAR MUITO NESSES FERIADOS PARA NÃO REPETIREM OS ERROS PRIMÁRIOS DESTE PRIMEIRO ANO DE GOVERNO DE AMBOS.

AS CÂMARAS DE GASPAR E ILHOTA ESTÃO DE FÉRIAS. VOLTAM Só EM FEVEREIRO. VIDA BOA.

ESTA COLUNA NÃO ENTRA DE FÉRIAS.

OS TEXTOS INÉDITOS ESTARÃO AQUI NO PORTAL MAIS ACESSADO DURANTE AS FÉRIAS DESSA GENTE, PORQUE LEITOR E LEITORA MERECEM ESTAR INFORMADOS, MESMO NAS SUAS FÉRIAS DEPOIS DE PAGAREM PESADOS IMPOSTOS O ANO TODO PARA OS POLÍTICOS E AGENTES PÚBLICOS SEM NOÇÃO. HÁ UMA CRISE ÉTICA E ADMINISTRATIVA SEM PRECEDENTES NO AMBIENTE DA GESTÃO PÚBLICA. ACORDA, GASPAR!
Herculano
21/12/2017 11:27
Jô REVELA PEGADINHA DE DORIA PRó-COLLOR, por Josias de Souza

O episódio ocorreu na sucessão presidencial de 1989. Jô Soares contou em entrevista à Jovem Pan que se encontrou com João Doria no local de votação. Por coincidência, votavam na mesma zona eleitoral. Disse que Doria o abraçou "com uma intimidade que não havia".

Depois, foi alertado por uma testemunha da cena: "?Esse cara que te abraçou acabou de colar um adesivo 'vote em Collor' nas suas costas." Jô Soares, que votou no tucano Mario Covas naquela eleição, resumiu o episódio assim: "Isso, pra mim, já desenhou um pouco como é a história política desse nosso, hoje, prefeito."

Suprema ironia: Doria agora é um neo-tucano. Chegou à prefeitura paulistana como afilhado político do governador Geraldo Alckmin, que deve sua carreira política ao padrinho Mario Covas.
Herculano
21/12/2017 11:21
DONA DO SEU NARIZ, ANITTA MOSTRA COMO SER ARTISTA NO SÉCULO 21, por Marco Aurélio Canônico, diretor da sucursal do jornal Folha de S. Paulo, no Rio de Janeiro

Se, em número de visualizações no YouTube, este foi o ano da cantora sertaneja Marília Mendonça ?"a mais ouvida do país, como mostrou o excelente especial feito pela Folha?", em termos de exposição total (aí incluídos mídia, fãs, "haters" etc.) ninguém superou a carioca Anitta, 24.

A estreia de seu mais recente vídeo, "Vai Malandra", na última segunda (18), confirmou o tamanho do fenômeno: mais de 25 milhões de visualizações até a noite desta quarta (20), apenas no canal oficial; 18º lugar no ranking mundial das mais ouvidas no Spotify ?"a primeira em português a conseguir o feito. E, como de hábito, diversas polêmicas nas redes sociais.

As acusações de objetificação da mulher ?"porque a moça aparece rebolando em close e com um biquíni feito de fita isolante, dentre outras coisas?" não são novidade na carreira dela. Tampouco o são as de apropriação cultural (porque o clipe foi gravado em favela, com toda a estética e símbolos locais).

Anitta, cria do subúrbio de Honório Gurgel, escolada nos bailes funk de comunidade, passou reto por esse bate-boca. Assim como pela gritaria causada pela participação do fotógrafo americano Terry Richardson, acusado de assédio sexual em um caso anterior à gravação do clipe.

O que "Vai Malandra" confirma é o tino empresarial e artístico de Anitta. Ela entendeu como poucos que a autogestão é o modelo dominante para cantores neste século, assumindo as rédeas de sua carreira e direcionando-a primeiro ao sucesso nacional e, aos poucos, a um projeto internacional bem estruturado.

Gravou em espanhol e em inglês, diversificou seus ritmos e aliou-se a inúmeros parceiros estrangeiros e nacionais para aumentar sua visibilidade. Ainda dá suas cabeçadas de vez em quando, mas sabe aonde está indo. O que é mais do que se pode dizer de 90% de seus colega
Herculano
21/12/2017 11:11
Só O STF PODE SALVAR JOSÉ DIRCEU

Conteúdo de O Antagonista.José Dirceu conta com o STF para evitar a cadeia.

De acordo com a Folha de S. Paulo, sua defesa se prepara para apresentar um embargo infringente no TRF-4.

"Se o argumento for rejeitado, o tribunal pode determinar o cumprimento da pena de 30 anos de cadeia.

O ESTADISTA TEMER

Michel Temer garantiu que o governo terá um candidato no ano que vem.

Ou ele próprio, ou um "estadista" que defenda as reformas.

Esse candidato, segundo Michel Temer, poderá contar com 60% do tempo de TV, uma vantagem "importantíssima", porque "quem tiver mais tempo de televisão vai poder explicitar melhor o seu programa".

O governo só tem um candidato capaz de conquistar votos na TV: João Doria.

Seu nome vai reaparecer em 2018.
Miguel José Teixeira
21/12/2017 11:07
Senhores,

Da série "nóis fumo, nóis vinhemu i nóis vamu":

Segundo o IBGE, País tem 11,8 milhões de analfabetos!!!

Lembram-se da cartilha PeTralha que entre outras asneiras, considerava correto "nóis pega peixe"???

Pois é. . .dizem que "em terra de cegos, quem tem um olho é assassinado"!!!
Miguel José Teixeira
21/12/2017 09:46
Senhores,

Da série "Rôu. . .Rôu. . .Bôu. . ."

Mais um papudo na papuda!

Maluf chegou tarde. A reforma do presídio já havia sido feita pelo PeTralha que desgovernava o DF. Superfaturou-a é claro. . .

Pensado bem, aquele beijo que o lula deu em sua mão, em troca de apoio ao haddad, deu azar. . .

Bem-feito pro Maluf! Quem mandou misturar-se com essa gentalha???
Herculano
21/12/2017 07:41
O BELÍSSIMO NATAL DE TEMER E O ANO DE LULA, por Vinicius Torres Freire no jornal Folha de S. Paulo

Fernando Collor mal aparecia nas pesquisas de dezembro de 1988. Nas citações espontâneas dos eleitores, tinha 1%, no Datafolha. Não constava das tabelas dos candidatos mais prováveis a presidente. Ali, o líder era Leonel Brizola (1922-2004). O segundo lugar era disputado por Silvio Santos, Lula da Silva e Mário Covas (1930-2001). Collor foi eleito em 1989, batendo Lula no segundo turno.

A imagem e a votação de Lula melhoram nas pesquisas de opinião desde meados do ano. Seus adversários mais relevantes tropeçam. Vai durar?

Lembrar o que os candidatos fizeram nas eleições passadas não é uma tentativa de enunciar uma lei do declínio dos presidenciáveis de sucesso precoce, um disparate. Lula pode minguar ou chegar a 50% dos votos. É imprevisível. A conversa é outra.

Para começar, no ano que vem Lula deve completar 30 anos como finalista nas disputas presidenciais. É a figura política nacional mais longeva da República. Deveria ser o bastante para que seus adversários tivessem entendido a necessidade de imaginar estratégias de conversar com os desvalidos, mesmo por cínico pragmatismo.

Para quem se habilita a aparecer com alguma conversa menos reacionária para esta eleição, ainda há tempo. Até agora, porém, o recurso de algibeira é lançar uma criatura midiática, uma marionete, ou fazer contas abstratas sobre os efeitos do PIB na eleição. Seja lá o que se entenda por melhora econômica, nem sempre vale o mote do marqueteiro americano, "é a economia, seu burro!".

Michel Temer disse ontem que o Brasil terá um Natal "belíssimo", com economia e comércio melhorando. Sim, o varejo saiu da tumba em meados do ano. Ainda assim, as vendas per capita do comércio caíram uns 12% no biênio 2015-2016. Neste ano, devem apenas se arrastar para fora do buraco, crescendo 1,5%, por aí. O que faz sucesso, porém, é a memória dos anos Lula e o ex-presidente fazendo picadinho das reformas e do governo Temer.

O povo está fulo. Para 60% do eleitorado, a situação econômica do país piorou, deu no Datafolha. Pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quarta-feira mostra que 84% dos eleitores desaprovam o que Temer faz quanto ao desemprego; 85% desaprovam o que faz em relação a juros. Para 74%, seu governo é péssimo e, para 69%, assim será o restante de seu mandato.

Há reviravoltas rápidas na opinião política, claro, algumas lastreadas em estelionatos eleitorais (Cruzado, 1986), revertérios econômicos (FHC, 1995) e outras ainda misteriosas (Dilma, Junho de 2013). Do ponto de vista de hoje, na melhor das hipóteses a economia (PIB) vai estar rodando a um ritmo anual de 2,5%, mas com indicadores socioeconômicos ainda deprimidos. A rejeição das reformas liberais, contaminadas pelo temerismo, deve persistir.

Um candidato prudente do governismo e entorno deveria, vejam só, pensar no que vai e no que pode ir pela cabeça do povo. Há reviravoltas. Em dezembro de 1994, José Sarney e Paulo Maluf disputariam um segundo turno na eleição de 1995, à frente de FHC, o vitorioso. Em dezembro 2001, Ciro Gomes e Roseana Sarney vinham atrás de Lula, que enfim disputou e venceu o segundo turno de 2002 com José Serra.
Herculano
21/12/2017 07:26
AMANHÃ É DIA DE COLUNA OLHANDO A MARÉ INÉDITA PARA A EDIÇÃO IMPRESSA DO JORNAL CRUZEIRO DO VALE O MAIS ANTIGO E DE MAIOR CIRCULAÇÃO EM GASPAR E ILHOTA
Herculano
21/12/2017 07:22
MILIONÁRIO, MALUF LEVOU ESTILO 'ROUBA, MAS FAZ' A NOVA ESCALA, por Mário César Carvalho, no jornal Folha de S. Paulo

Quando tinha 20 anos, Paulo Maluf costumava ir para a Escola Politécnica da USP com motorista particular num Rolls Royce, um carro inglês feito a mão que se tornou símbolo da realeza. O veículo de sua mãe era um dos dois Rolls Royce que havia no Brasil dos anos 1950 -o outro era da Presidência da República.

O próprio Maluf contava essa história para ilustrar por que não precisava roubar, termo que ele usava para designar desvios de verbas públicas. Sua família tinha ficado milionária com negócios com madeira, ele morava no Jardim Europa e passava férias em Paris, Londres ou Suíça.

Se não precisava, por que desviou US$ 172 milhões numa só obra, a da avenida Roberto Marinho, segundo a condenação aplicada pela Justiça? O valor equivale hoje a R$ 567 milhões.

Maluf começou na vida pública em 1967 como antipolítico. Foi indicado presidente da Caixa por Delfim Netto, ministro da Fazenda à época da ditadura.

No seu primeiro cargo político, como prefeito de São Paulo (1969-1971), continuou a seguir a cartilha de tecnocrata da ditadura ao priorizar grandes obras, como a Marginal Pinheiros e o Minhocão.

A guinada para o figurino que iria consagrá-lo como o político que ficaria conhecido pelo slogan "rouba, mas faz" começou a se consolidar em 1977, quando iniciou a campanha para chegar ao governo paulista por meio de eleição indireta.

Maluf visitou os 1.261 delegados do Estado que votariam na convenção da Arena, o partido de apoio à ditadura, e ganhou a disputa em 1979 contra Laudo Natel. O perdedor acusou-o de comprar os delegados, mas os generais não lhe deram ouvidos. Foi nessa disputa que nasceu o político obcecado por grandes obras e gestos populistas. E sempre vinculado a desvios.

Os eleitores paulistas adoraram o novo estilo. Maluf tinha ao menos dois antecessores ilustres -Adhemar de Barros (1901-1969) e Jânio Quadros (1917-1992)- e uma ambição que fazia essa dupla parecer aprendiz.

Foi essa ambição que levou Maluf a cometer crimes em três países (Estados Unidos, Suíça e França) e num paraíso fiscal britânico (Ilhas Jersey ), segundo a Justiça.

Adhemar escondia dinheiro num cofre na casa da amante no Rio. Tinha US$ 2,4 milhões quando foi roubado por guerrilheiros em 1969. Só para guardar o valor desviado na avenida Roberto Marinho, Maluf precisaria de 71 cofres iguais ao do Adhemar.

"Mindhunter", o seriado sobre a criação da unidade de perfil psicológico de criminosos seriais do FBI nos anos 1970, traz algumas pistas sobre por que milionários como Maluf cometem crimes.

A psicóloga Ann Wolbert Burgess, uma pesquisadora de Boston retratada na série, diz que criminosos de colarinho branco são como criminosos seriais: não sentem culpa, remorso ou arrependimento.

O Brasil acrescenta um ingrediente a essa hipótese da psicóloga: a impunidade. O caso que levou Maluf à prisão ocorreu há 21 anos, na sua segunda passagem pela Prefeitura de São Paulo (1993-1996).

A certeza de que não será apanhado é o maior incentivo para o crime, segundo especialistas. Maluf deu o azar de chegar aos 86 anos numa guinada do Judiciário.
Herculano
21/12/2017 07:18
MDB? PORÉM PARECE QUE HÁ GOLPES DE P, por Rudolfo Lago, em Os Divergentes

Numa das faixas do LP Joia, aquele que tem a famosa capa em que aparece nu, ao lado de sua então mulher, Dedé, e de seu filho, Moreno, Caetano Veloso demonstrava a importância que podia ter uma letra P. Acompanhado da banda de pífanos de Caruaru, Caetano começava a letra de "Pipoca Moderna" pontuando uma situação marcada primeiro pela letra N. "E era nada de nem noite de negro não". Mais adiante, esse quadro sombrio descrito era abalado pela tal presença do P. "Porém, parece que há golpes de P, de pé, de pão, de parecer poder".

Era 1975. Eram os negros tempos da ditadura militar. E era curioso que Caetano escolhesse o P para ilustrar a resistência àquele sombrio "não". Porque, na época, essa resistência era representada por um partido sem P, o MDB. Um partido que ganhou o P no início da redemocratização, como uma das últimas imposições definidas pelo regime militar. Um partido que, com o novo nome de PMDB, descaracterizou-se, hoje abrigando uma boa leva de políticos investigados, denunciados e condenados por corrupção, com uma pecha de fisiologismo. Esta semana, o PMDB resolveu eliminar de novo da sua sigla o P. Mas será que tem mesmo alguma chance de retornar ao que era quando se chamava somente MDB? Ou tudo não passará de um mero "golpe de P"?

Desde o seu surgimento na ditadura militar, o MDB convive com certa desconfiança contra ele. O partido surgiu quando a ditadura acabou com o pluripartidarismo e instituiu o bipartidarismo. Só poderia haver um partido a favor do governo, que seria a Aliança Renovadora Nacional (Arena) e um de oposição, o MDB (Movimento Democrático Brasileiro). Estabelecida pela própria ditadura, era, portanto, a oposição consentida, a resistência autorizada, daí a desconfiança. O partido teve que batalhar para demonstrar que, naquele momento, teria de ser mesmo o abrigo possível para uma contestação democrática. E assim cresceu. Os partidos não autorizados, como os comunistas, abrigaram-se nele e o MDB legitimou-se.

Quando a ditadura começou a sentir seus estertores, autorizou o retorno do pluripartidarismo. E, além de impor o P à sigla (todos os partidos a partir daí tinham de se chamar "partido" e ter o P no início), atuou para esvaziá-lo. Os diversos partidos que se abrigavam antes no MDB saíram para criar suas próprias siglas. Do lado do apoio ao governo, ficou incólume a Arena agora com o nome de PDS, que passou mesmo a ser conhecido como "maior partido do ocidente".

No processo que levou à eleição de Tancredo Neves, o PMDB conheceu momentos de legitimação, sob o comando do ex-deputado Ulysses Guimarães. Mas Tancredo morreu antes de tomar posse. E o presidente virou um estranho no ninho peemedebista, José Sarney, que apenas alguns meses antes era nada menos que o presidente do PDS, comandando a dissidência que resultou no nascimento do PFL e da Aliança Democrática, o movimento que permitiu a vitória de Tancredo no Colégio Eleitoral.

No governo Sarney, o partido foi inchando e se descaracterizando. Foi inclusive essa situação que levou à criação do PSDB: os tucanos nasciam para recuperar o que tinha sido descaracterizado no PMDB. Mas, no poder, os tucanos também incharam e se descaracterizaram. E não foi diferente com o PT na Presidência. O poder atrai.

Agora, o MDB extingue o P em busca de um retorno da identificação da sociedade com seus tempos de glória. Mas não são mais os chamados "autênticos" daquela época que comandam o partido. Mas os que entraram depois. Terá de provar que não é mera estratégia de marketing. Que não é mero "golpe de P"?
Herculano
21/12/2017 07:11
TUDO ERRADO, editorial do jornal Folha de S. Paulo

O governo petista de Luiz Inácio Lula da Silva tinha notória afinidade com os sindicatos do funcionalismo, demonstrada em generosos reajustes salariais. Ainda assim, tomava certas precauções quanto ao impacto de tais medidas nas finanças públicas.

Em medida provisória editada em 2008, estabeleceu que a concessão de diversas vantagens prometidas aos servidores para os anos seguintes estaria "condicionada à existência de disponibilidade orçamentária e financeira para a realização da despesa".

É verdade que o dispositivo se tornou letra morta já em 2009, quando a crise econômica global derrubou a arrecadação sem, no entanto, ter impedido a distribuição das benesses. De todo modo, o Planalto contava com alguma salvaguarda legal para postergá-la, se assim decidisse.

Mais irresponsável se mostrou a gestão de Michel Temer (PMDB) - que, em plena recessão e ruína das contas federais, apressou-se em distribuir aos três Poderes aumentos salariais parcelados até 2019, que mereceram a alegre aprovação de deputados e senadores.

Alegou-se, no ano passado, que os novos vencimentos já haviam sido negociados pela administração petista, antes do impeachment de Dilma Rousseff. Acrescentou o ministro Dyogo Oliveira, do Planejamento, que as metas de ajuste orçamentário não estariam ameaçadas.

Todo esse arrazoado logo caiu por terra. Diante da dificuldade em limitar o deficit do Tesouro Nacional a já gigantescos R$ 159 bilhões (sem contar os encargos da dívida), o governo baixou MP em 30 de outubro passado para adiar reajustes programados para 2018.

A dispendiosa trapalhada se completa agora com a liminar concedida pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, suspendendo os efeitos da medida provisória - que também elevou de 11% para 14% a alíquota da contribuição previdenciária dos funcionários da União.

Ainda que se veja solidez jurídica na decisão, de resto provisória, é inegável que o Judiciário como um todo tem se comportado como se as restrições financeiras do Estado não lhe dissessem respeito.

A defesa contumaz de privilégios, dos supersalários às superaposentadorias, sem dúvida arranha sua credibilidade no trato de questões corporativas.

Fato é que se abriu uma incerteza de R$ 6,6 bilhões nas contas já depauperadas do próximo ano. A prevalecer a sentença de Lewandowski, o buraco terá de ser coberto com endividamento público, aumento de impostos ou corte de despesas ?"provavelmente mais prioritárias que elevar a remuneração de parte da elite nacional.
Herculano
21/12/2017 07:08
POR QUE DEVEMOS APOIAR A REFORMA DA PREVIDÊNCIA? por Adolfo Sachsida, economista e pesquisador do IPEA, no Instituto Liberal

Sejamos claros: existe um rombo bilionário nas contas públicas brasileira. Parte expressiva desse déficit advém diretamente do rombo previdenciário.

A situação previdenciária brasileira é extremamente grave: ou reformamos a previdência ou o Brasil quebra. O que significa quebrar? Significa que o governo será incapaz de pagar suas contas. Se não reformarmos a previdência o governo brasileira será incapaz de pagar o salário de seus funcionários, será incapaz de pagar o salário dos aposentados, será incapaz de pagar os fornecedores. Será uma situação muito similar a que já ocorre com o estado do Rio de Janeiro.

Se a reforma da previdência não for aprovada teremos um grave problema fiscal que colocará em risco toda estabilidade de nossa sociedade, incluindo a volta da inflação e o atraso (ou calote) nos pagamentos do governo.

Não é o momento de olharmos cargos, não é o momento de política partidária. Deixemos o quanto pior melhor para o PT, partido que sempre votou contra o Brasil. O PT votará e fará campanha contra a reforma da previdência, está na essência do PT colocar os interesses partidários acima dos interesses da nação. Não sejamos igual ao PT.

Eu defendo a reforma da previdência. Convido a todos a postarem a seguinte mensagem em suas redes sociais:

"Creio que é chegado o momento da responsabilidade e da transparência. O déficit previdenciário atinge valores que colocam em risco a estabilidade de nosso país. Eu apoio a reforma da previdência. Previdência: ou reforma ou quebra!"
Herculano
21/12/2017 06:55
'NÃO QUERO ENTRAR PARA A HISTóRIA COMO UM INOCENTE CONDENADO', DIZ LULA

Conteúdo do jornal O Estado de S. Paulo. Texto final da revista Isto É. Em café da manhã com jornalistas nesta quarta-feira, 20, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que não teme ser preso, faltando pouco mais de um mês para o julgamento do caso do tríplex do Guarujá pelo Tribunal Federal Regional da 4ª Região (TRF-4).

"Eu não penso. Não penso porque acho que preso só pode ir quem cometeu um crime", disse Lula ao ser questionado sobre a possibilidade de prisão.

Lula foi condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex. O TRF-4 vai julgar o recurso e caso a sentença de Moro seja mantida o ex-presidente terá sido condenado em segunda instância.


Durante quase duas horas e meia, Lula reiterou várias vezes que é inocente e, portanto, a única hipótese para a Justiça é absolvê-lo. O ex-presidente disse que não quer ser um mártir.

"Não quero passar para a história como um inocente condenado", afirmou.

O petista voltou a desafiar Moro e o Ministério Público a apresentarem provas de que ele é o dono do apartamento construído e reformado pela empreiteira OAS, alvo da Lava Jato. "A única chance que tenho é pedir provas. Não é possível que alguém seja dono de uma coisa que não é dono", afirmou.

Lula, no entanto, admitiu que o país vive uma "anomalia jurídica". Segundo ele, Moro e o MPF criaram uma narrativa falsa da qual não conseguem se libertar. "Eles ficaram sem rota de fuga", disse Lula.

Embora insista na tese de absolvição por inocência, o petista disse que continua na disputa presidencial seja qual for o resultado do julgamento no TRF-4 e, se for condenado, pretende usar todos os recursos jurídicos aos quais tem direito.
Herculano
21/12/2017 06:49
TEMER SE ENCONTROU COM CÚPULA DA GLOBO PARA DISCUTIR DELAÇÃO E REFORMA

Conteúdo do jornal Folha de S. Paulo. Texto de Marina Dias e Bruno Boghossian, da sucursal de Brasília. O presidente Michel Temer teve um encontro reservado no início de outubro em São Paulo com João Roberto Marinho, do Grupo Globo, para discutir a cobertura de seu governo pelos veículos da empresa, além de pedir apoio para a reforma da Previdência.

Segundo relatos feitos pelo próprio Temer a três aliados ouvidos pela Folha, a reunião foi um pedido de João Roberto, vice-presidente do Conselho de Administração do grupo.

O presidente reclamou da cobertura do caso JBS pelos veículos do grupo, que tinha, segundo o político, o objetivo de derrubá-lo.

Procurada, a empresa declarou, via assessoria, que a conversa foi "absolutamente republicana, sem pedidos ou promessas de qualquer das partes". A assessoria de Temer não comentou.

Em 4 de outubro, João Roberto promoveu um jantar na casa de seu irmão Roberto Irineu Marinho para receber Temer e o vice-presidente de Relações Institucionais da Globo, Paulo Tonet. Um dos principais aliados do presidente, o deputado Beto Mansur (PRB-SP) costurou o encontro.

Na avaliação do presidente, o comportamento do grupo desde 17 de maio, quando o jornal "O Globo" divulgou a conversa entre ele e o empresário Joesley Batista, cristalizou a percepção de que deu aval à compra de silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ).

A gravação foi usada como base pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para apresentar duas denúncias Temer, barradas na Câmara.

Uma das reclamações centrais de Temer foi o editorial de "O Globo" em 19 de maio. Intitulado "A renúncia do presidente", defendia a saída de Temer do cargo como a melhor opção para o país.

O argumento do presidente é que o editorial foi veiculado depois que a divulgação da íntegra dos áudios revelou, na avaliação de Temer, que não houve aval para a compra do silêncio de Cunha.

Temer fez questão de dizer a Marinho que o conteúdo de delações nem sempre é conclusivo e citou informações acerca do acordo de colaboração do empresário J. Hawilla, da agência Traffic, com a Justiça dos EUA. A delação abriu a caixa preta de um esquema de corrupção na Fifa.

Em novembro, o empresário Alejandro Buzarco, ex-homem forte da companhia de marketing argentina Torneos y Competencias, afirmou às autoridades americanas que a TV Globo e outros grupos pagaram propina para transmissão de campeonatos.

Em nota, o Grupo Globo disse "veementemente" que "não pratica nem tolera qualquer pagamento de propina".
Herculano
21/12/2017 06:44
GOVERNO CRITICA CORPORATIVISMO DE LEWANDOWSKI, por Cláudio Humberto, na coluna que publicou hoje nos jornais brasileiros

O governo recebeu muito mal, até com palavrões, a decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), anulando a medida provisória que suspendia reajustes de servidores, sobretudo da Justiça. Isso custará ao contribuinte R$5,1 bilhões. A única expressão publicável sobre Lewandowski, no café da manhã do ministro Henrique Meirelles (Fazenda) e secretários com jornalistas, foi "corporativista".

NO BILATERAL
Após coletiva de Meirelles, os secretários se dispuseram a conversar com os jornalistas. No particular, alguns xingaram Lewandowski.

CAUSA PRóPRIA
Houve um clima de revolta na área do Ministério da Fazenda, porque a Justiça é beneficiada pela decisão do ministro que dela faz parte.

R$4,8 BILHõES
Se o pleno do STF apoiar o que o governo chama de "corporativismo", só na área de Justiça isso custará R$4,8 bilhões em quatro anos.

COMO NUNCA
"Nada mais Lewandowski do que isso", desabafou um dos secretários da Fazenda nacional, ao criticar a liminar do ministro.

COM 594 MEMBROS, CONGRESSO APROVOU Só 133 LEIS
Trabalhando, na prática, três dias por semana e com mais de três meses anuais de folga, entre recessos e feriados prolongados, os 594 membros do Congresso Nacional (513 deputados e 81 senadores) só aprovaram 133 leis ordinárias, em 2017. Isso inclui leis importantes como a reforma trabalhista, mas há também 25 leis que conferem títulos como de "capital nacional da cerveja" ou rebatizam rodovias.

OBJETIVO ÚNICO
Entre uma centena de leis "úteis", quase dois terços foram aprovadas para abrir algum tipo de crédito no orçamento para ações do governo.

Só COISA IMPORTANTE
A "Rodovia do Vaqueiro" é o trecho da BR-235 entre Bahia, Sergipe e Piauí. A Capital da Cerveja nem precisava da lei: é Blumenau (SC).

QUINZE LEIS DE TEMER
Enquanto o Congresso aprovou três leis complementares e 185 decretos legislativos, Temer converteu em lei 15 medidas provisórias.

SERÁ CRIME IGNORAR O TETO
Projeto do deputado Wadih Damous (PT-RJ) criminaliza o desrespeito ao teto salarial no serviço público. Quem "receber, autorizar ou pagar" será demitido, processado por improbidade e terá de devolver a grana.

MESMAS PRÁTICAS?
A empresa FDL/EIG, de Brasília, que foi denunciada na Operação Ararath, da Polícia Federal, como pagadora de propina ao ex-governador do Mato Grosso Silval Barbosa, credenciou-se no Detran de São Paulo para operar o registro de contrato de veículos.

É A ECONOMIA, IDIOTA
Ouvindo a explicação infanto-juvenil da CNI sobre a melhor avaliação do presidente Michel Temer ("mudança da propaganda da reforma da Previdência"), o estrategista da campanha de Bill Clinton em 1992, James Carville, teria repetido a própria frase: "É a economia, idiota".

DE JUÍZA A VÍTIMA
Ninguém está livre da bandidagem, no caos do Rio de Janeiro. Agora, foi a vez da juíza criminal aposentada Denise Frossard. Clonaram de uma vez só seu celular, cheques e cartões de crédito.

PERNAS CURTAS
O Planalto apurou que é mentira do governo de Alagoas suposto atraso nas verbas do Programa do Leite por "perseguição" do governo Temer. Está tudo em dia, exceto quando não se presta contas. É o caso.

GATOS ESCALDADOS
O projeto que regulamenta a profissão de lobista (relações institucionais), agora sob regime de urgência, foi colocado em pauta na Câmara nove vezes este ano. Os políticos têm medo do tema.

BRASILEIRAS VIVEM (BEM) MAIS
Segundo dados do IBGE, em 2018, a expectativa média de vida do brasileiro pode ultrapassar (pela primeira vez) os 75 anos. Mulheres vivem mais, em média, e ano que vem elas viverão quase 82 anos.

JÁ ERA ESPERADO
O militante petista Wagner Pinheiro, em cuja presidência os Correios começaram a mergulhar na crise que levou a estatal a registrar os maiores prejuízos da História, foi diretor durante 8 anos do Petros, o não menos deficitário fundo de pensão dos funcionários da Petrobras.

PENSANDO BEM...
...derrotado mais uma vez na Justiça, o ex-presidente Lula e seus advogados adotaram a estratégia do murro em ponta de faca.
Herculano
21/12/2017 06:38
QUEM TEM MEDO DE BOLSONARO? por Roberto Dias, secretário de redação da área de produção do jornal Folha de S. Paulo

Monstro que não deveria disputar eleição. Analfabeto funcional que não pode ser ouvido em debate nenhum. Hitler redivivo.

A essa visão simplória sobre Jair Bolsonaro, reverberada por certa elite que se imagina intelectual, faltava uma chuva de pingos nos is do Brasil "real". Ela foi caindo na forma de multidões nos aeroportos, manifestações de apoios de atletas e de familiares no churrasco de final de semana, curvas rampantes nas pesquisas.

Deputado há sete mandatos e nome mais votado no Rio, ele está aí candidatíssimo, dizendo o que bastante gente pensa. É um fato da vida.

Os muitos que abominam suas ideias terão de combatê-las dentro do campo de jogo, sem a tentativa infantil de aliená-lo do gramado, como ocorria meses atrás. Isso é ótimo.

Até aqui o candidato foi favorecido pela terra arrasada, pelo alargamento do campo à direita por manifestações de militares e pela ascensão de um Lula radicalizado, que inclinou a Faria Lima em direção a seu colo.

Mas está longe de poder cantar vitória. Para isso, terá de se expor ?"e, como sabem Ciro e Russomanno, há uma bomba suicida na boca de cada candidato. Só que em Manaus Bolsonaro mostrou que pode ser doido, mas não tão louco eleitoralmente: bradou que deixaria a polícia matar e, dado o susto, abrandou a fala.

Para derrotá-lo é preciso melhorar a leitura do jogo. Políticos em busca de alianças adoram repetir que TV e máquina partidária decidem a partida. Parecem esquecer que os brasileiros são campeões mundiais no uso de redes sociais e que um tuiteiro malquisto pela cúpula do Partido Republicano virou o presidente Trump.

Bolsonaro, por ora, carrega uma página de Facebook com 4,9 milhões de seguidores, mais do que Lula, Alckmin e Ciro juntos. Líder em influência social entre os candidatos, o deputado prepara sua mudança para o Patriota, cujo presidente, Adilson Barroso, é o único político que lhe supera em fãs na rede (7,3 milhões).
Paty Farias
20/12/2017 20:36
Oi, Herculano

Excelente notícia vindo do Blog do Políbio:

"O juiz Carlos Mazza Brito Melfi, 5a. Vara Cível de São Bernardo do Campo, absolveu o procurador Deltan Dallagnol da acusação feita por Lula, tudo por conta do Power Point no qual o líder petista foi apontado pelo MPF como chefe de uma organização criminosa.

O juiz deu razão ao procurador.

Lula perdeu a ação cível na qual pedia indenização de R$ 1 milhão.

Como perdeu, terá que pagar 10% disto a Dallagnol e aos seus advogados, como custas do processo."

É o líder da ORCRIM pagando mico.
Toma, LuLLadrão!
Tchau, PT!
Herculano
20/12/2017 20:31
CORRUPÇÃO ATUAL FAZ PAULO MALUF AMADOR, por Josias de Souza

Uma das vítimas da cleptocracia no Brasil é a semântica. Quando celebram a prisão de Paulo Maluf como evidência de avanço institucional, você sabe que está diante de uma crise de significado ou num país de cínicos. Longe de simbolizar um avanço, a prisão tardia de Maluf representa o triunfo da conivência do Brasil com o desmando e a corrupção. Maluf ajuda a explicar como chegamos à Lava Jato.

Maluf sempre foi um corrupto notório. Sua reputação estava tão associada à malversação que seu nome desceu aos dicionários como sinônimo de roubar. Nos tempos áureos, Maluf inocentava a classe política pelo contraste ?"tinha-se a impressão de que ninguém malufava tanto quanto ele. A despeito de tudo isso, não faltaram votos para manter Maluf nas proximidades dos cofres.

Entre o escândalo e a prisão de Maluf, decorreram duas décadas. Nesse período, construiu-se a imensa área de manobra para a proliferação da corrupção no Brasil. A tese do rouba, mas faz prevaleceu sobre o bom senso. Deu origem a outras perversões: o rouba, mas investe no social; o rouba, mas promove reformas econômicas? Hoje, a corrupção é tão generalizada que o velho Maluf parece um amador.
Mariazinha Beata
20/12/2017 20:16
Seu Herculano;

"João Alberto Pizzolatti, ex-deputado, sofre de alcoolismo e depressão desde que perdeu o mandato político por envolvimento na Lava-Jato".

Na hora de fazer os malfeitos fez, né?
Mas quando vem a fatura não gosta, né?
Normal!!!
Bye, bye!
Herculano
20/12/2017 19:25
MAIS UMA VEZ AUTORIDADES E PRINCIPALMENTE A IMPRENSA FOI PREGUIÇOSA E OMISSA COM SUPOSTOS PODEROSOS E FAMOSOS. A REDE SOCIAL, MAIS UMA VEZ, DESMORALIZOU-A E AI CORREU CORREU ATRÁS PARA NÃO PASSAR MAIS UMA VEZ O COMPLETO RECIBO DE INCOMPETENTE. VEJA A ÚLTIMA

Conteúdo do Jornal de Santa Catarina. Texto de Lucas Paraízo. Com sinais claros de embriaguez segundo a Polícia Militar Rodoviária (PMRv), embora tenha se negado a fazer o teste do bafômetro, o ex-deputado federal João Alberto Pizzolatti Júnior deve ser internado pela família em uma clínica de reabilitação para tratar um problema de alcoolismo após se envolver em um grave acidente de trânsito nesta quarta-feira. A informação foi confirmada pelo advogado de Pizzolatti, Michel Saliba, que está em Brasília e conversou com a reportagem do Santa após falar com o irmão do ex-deputado.

O carro Volvo XC60, com placas de Balneário Camboriú, que Pizzolatti conduzia bateu contra outros dois veículos na rodovia SC-421 entre Blumenau e Pomerode. Um Fiat Mobi que se envolveu na colisão pegou fogo e o motorista ?" um jovem de 23 anos ?" sofreu uma fratura em um dos braços e passará por cirurgia no Hospital Santo Antônio, em Blumenau, ainda nesta quarta-feira conforme a assessoria da instituição.

Segundo Saliba, o ex-deputado sofre de alcoolismo e depressão desde que perdeu o mandato político por envolvimento na Lava-Jato. O advogado diz que Pizzolatti chegou a ser internado e passar três ou quatro dias em uma clínica a cerca de seis meses atrás, mas não deu prosseguimento ao tratamento. Ele também estaria tomando remédios para depressão.

Saliba diz que Pizzolatti está "incomunicável" depois do acidente e não soube informar se o ex-deputado vai se entregar à polícia. Ele foi levado ao Hospital Santa Isabel pelo Corpo de Bombeiros mas recusou atendimento e está com a família.

Segundo a PMRv, ele foi levado ao hospital por pedido dos médicos e por isso não foi detido, mas foi lavrado um termo contra ele por embriaguez ao volante.
Herculano Sabidao
20/12/2017 19:24
Entendo toda a tristeza do nosso colunista, até eu espumaria de raiva ao saber que os plumados perderam a presidência. A loucura tá tão grande que ontem compartilhei o sarandeio que a ex vereadora fez, tadinhos, são fracos, nunca deixarão de ser coadjuvantes.

Pessoal, vamos dar o último e solidário abraço nos tucanos, os boletos não serão atualizados. Eu te avisei Erculano, se ficasse dando ibope para nós, seria bem alimentado. Sigam a estrela, ela voltará ainda mais forte!
Sidnei Luis Reinert
20/12/2017 18:37
Ex-deputado João Pizzolatti foge do hospital após se envolver em grave acidente de trânsito

20 de dezembro de 2017 Jefferson Santos Acidente de trânsito, Hospital Santa Isabel, João Pizzollati
O ex-deputado federal João Alberto Pizzolatti Neto, se evadiu do pronto socorro do Hospital Santa Isabel, às 14h35min desta quarta-feira (20) após ser encaminhado a unidade de saúde, por ter se envolvido em um grave acidente de trânsito na Rodovia Werner Duwe, por volta das 12h30min. Ele apresentava sinais de embriaguez e num vídeo gravado por moradores da região do acidente, acabou confessando que havia consumido bebida alcoólica antes de dirigir e afirmou que assumiria toda a responsabilidade.

Num outro vídeo, também gravado por populares, o irmão do ex-deputado, Paulo Pizzolatti, médico pediatra, que já foi prefeito de Pomerode, leva-o até uma viatura do Corpo de Bombeiros e solicita que seu irmão seja encaminhado a um hospital. A Polícia Militar Rodoviária (PMRv) de Blumenau, informou ao Notícias Vale do Itajaí, que não havia escolta policial no local, por conta de que ele foi conduzido por uma viatura do médica e não da PMRv. O ex-parlamentar, que não pode mais se candidatar a cargo público, uma vez que foi barrado pela Lei de Ficha Limpa e agora deverá responder também por este crime de trânsito.

https://www.noticiasvaledoitajai.com.br/novo/ex-deputado-joao-pizzolatti-foge-do-hospital-apos-se-envolver-em-grave-acidente-de-transito/
Herculano
20/12/2017 18:35
PIZZOLATTI SE ENVOLVE EM ACIDENTE E ESTRANHAMENTE, MESMO FERIDO "FOGE" DO HOSPITAL

Conteúdo do Jornal de Santa Catarina. Um grave acidente deixou pelo menos uma pessoa gravemente ferida no início da tarde desta quarta-feira na SC-421 (rodovia Werner Duwe), que liga Blumenau a Pomerode. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o acidente ocorreu por volta das 13h30min no Km 17,1, ainda em Blumenau. O ex-deputado federal João Pizzolatti, 56 anos, é um dos envolvidos no acidente, segundo informações do Corpo de Bombeiros. [João Alberto Pizzolatti Filho, ex-deputado federal e ex-presidente do PP catarinense, envolvido na Lava Jato]

De acordo com as informações da equipe do helicóptero Arcanjo 3, que foi acionado para atender o acidente, o motorista de um Fiat Mobi, identificado como Paulo Marcelo Santos, 23 anos, ficou preso nas ferragens. O veículo teve um princípio de incêndio, que foi combatido por pessoas que estavam no local.

O condutor precisou ser desencarcerado e sofreu diversas lesões e queimaduras diversas. Ele foi socorrido no local pelas equipes médicas do Arcanjo, do Samu e do Corpo de Bombeiros e encaminhado ao Hospital Santo Antônio em estado grave. Paulo sofreu uma fratura no antebraço e queimaduras severas em uma das pernas e deve passar por cirurgia ainda nesta quarta-feira

Segundo informações do chefe do socorro do Corpo de Bombeiros, o ex-deputado Pizzolatti estaria na direção de um XC60 com placas de Balneário Camboriú. Ele tinha um hematoma e, segundo o bombeiro, estava confuso e pronunciava palavras desconexas. Segundo testemunhas, teria havido um princípio de confusão no local.

Pizzolatti foi levado pelos bombeiros ao Hospital Santa Isabel e chegou a iniciar os procedimentos no pronto-socorro, mas recusou o atendimento antes de passar por um médico e saiu do hospital. A informação foi confirmada pelo hospital e não se sabe para onde ele foi levado na sequência. A Polícia Militar Rodoviária (PMRv) não acompanhou a ambulância. O ex-deputado não passou por nenhum teste de embriaguez.
Sidnei Luis Reinert
20/12/2017 18:24
O ex-deputado João Pizzolatti se envolveu em um acidente nesta quarta-feira (20) na SC-421 (rodovia Werner Duwe), que liga Blumenau a Pomerode. Visivelmente embriagado, se recusou a fazer teste do bafômetro. Pior do que isso, o político tratou com soberba o caso, muito possivelmente por saber como a justiça é falha no Brasil, e que talvez ele sequer entre em uma cela.

"Quem é tu?" e "Que legal" (Após um popular falar que salvou a vida de uma pessoa com o carro em chamas)

Essas foram algumas das falas nojentas de um irresponsável que surfa na onda da impunidade desse país.

Edição: Notem que ele precisa SE APOIAR em uma cerca para FICAR EM PÉ!

https://www.facebook.com/roni.molinari/posts/1280258218747549
Herculano
20/12/2017 16:48
TEMER: "JÁ EXERÇO O SEMIPREIDENCIALISMO"

Conteúdo de O Antagonista.Na entrevista ao Correio Braziliense, Michel Temer também comentou a proposta do semipresidencialismo.

Vejam o que ele disse:

"Você sabe que eu, de uma certa forma, já exerço o semipresidencialismo. Mas, com 20 partidos na base, é difícil. Não é possível governar assim. Acho que o modelo português é um bom exemplo."
Herculano
20/12/2017 16:43
O FANTÁSTICO PAI UZEDA, por Luis Nassif, no GGN

O pai-de-santo Pai Uzeda, que benzeu Michel Temer, é um craque.

Tive três encontros com ele. O primeiro em um hotel de Brasilia, ainda no governo Dilma, em um encontro com a religião afro. O sujeito veio na minha direção, conversou daqui, conversou dali e, de repente, dei 50 mangos para ele, espontaneamente. Só quando ele saiu que me dei conta de que tinha me levado no bico.
?
O segundo encontro foi no Aeroporto. Tinha me esquecido dele. Mais um papo fantástico, pediu 200 mangos emprestados, acabei estendendo nova nota de 50 reais. Só caiu a ficha quando virou as costas.

O terceiro encontro foi no fim de semana em Brasilia. Estava entrando no hotel, o Pai Uzeda saindo. Me viu e me perguntou:

- Você é do PMDB? Veio para a Convenção?

Disse que não era.

- É de algum partido?

Disse que não era político, mas jornalista.

Imediatamente começou a contar que ia participar da convenção do PMDB, benzer - "a pedido do Nizan Guanaes" - e ai me esticou seu cartão de visitas. Quando vi o nome, caiu minha ficha.

Me afastei dizendo:

- Você já me levou na conversa duas vezes. Três vezes, não.

E ele gritando, enquanto eu me afastava:

- E se o que eu disser estiver certo?

Um craque, que conseguiu até benzer vampiros.
Erva Doce
20/12/2017 16:25
Sujiru Fuji, os cascos atrapalharam sim.
Ao invés de escrever MAIOR ele escreveu MAIS GRANDE KKK... isso é o que dá fugir da escola.
Paty Farias
20/12/2017 15:12
Oi, Herculano

"DERROCADA DOS CORREIOS CHEGOU PELAS MÃOS DO PT," por Cláudio Humberto, na coluna que publicou hoje nos jornais brasileiros

Essa gangue que se aboletou no poder com o nome chulo de Partido Dos Trabalhadores, não só explodiu a economia do Brasil, desempregou milhões, acobertaram falcatruas e quer voltar ao poder para continuar a deixar um rastro de fracassos sucessivos.

Cai fora LuLa, a cadeia te espera.
Grilo Falante
20/12/2017 15:02
Herculano; ela foi cooptada pela "cumpanheirada" e assemelhados que gosta de ficar de joelhos para a segunda quadrilha (depois do PT, claro!).

Ajoelhou tem que rezar, Fran!
Ana Amélia que não é Lemos
20/12/2017 14:58
Sr. Herculano:

Vou aproveitar o seu espaço e mandar um recadinho para a simplória Franciele:

OUVIR antes de FALAR, é importantíssimo.
A sociedade deve ser ouvida, seus anseios escutados.
Isso é DEMOCRACIA!
Só assim você será reconhecida como uma pequena grande mulher.
Belchior do Meio
20/12/2017 14:25
"perco a popularidade, mas não perco a credibilidade".

Sr. Herculano, o que esta pirralha tem de credibilidade? Ah! sim depois de votar o aumento de 40% na COSIP realmente tem muuuuuita credibilidade.
Coitada, nasceu anã!
Mariazinha Beata
20/12/2017 14:20
Para o Francisco Anhaia:

Se é que petista pensa, gostaria que o Sr. refletisse sobre esta frase, assim, quem sabe o Sr. não pregue tanta idiotice:

OS IGNORANTES DEFENDEM CORRUPTO E PARTIDOS POLÍTICO.
OS SÁBIOS DEFENDEM YMA NAÇÃO!
Bye, bye!
Sujiru Fuji
20/12/2017 13:56
KKKKKK.... boi de botas pagando mico no face.
Os cascos não atrapalharam?
Despetralhado
20/12/2017 13:54
Oi, Herculano

O Rui, o Dionísio e a oma Mariluci não votaram à favor porque o governo não é petista.
Se fosse Pedro Celso Zuchi como votariam os três bostas?
Bafo de onça
20/12/2017 13:11
Herculano, nota de solidariedade de? Chico Anhaia no facebook:

?Chico Anhaia? para Franciele Back
6 h ·
Você é uma pequena mulher, mais grande, muito grande, nas atitudes, no solidarismo, na luta pela tua comunidade, na verdade perante teus pares, não se acovarda para as decisões adversas, siga em frente assim amiga, que o futuro abrilhantará a tua caminhada. Te admiro, e tenho orgulho de ser seu amigo.

https://www.facebook.com/franciele.d.back
Miguel José Teixeira
20/12/2017 11:34
Senhores,

Na mídia, o espírito natalino toma conta:

1) "Deputado Paulo Maluf se entrega à PF em São Paulo para ser preso"
Rôu. . .rôu. . .bou. . .

2) "Dirceu viaja de carro mais de 30 horas para trocar tornozeleira em Curitiba"
Rôu. . .rôu. . .bou. . .

3) E o novequirodáctilos, em breve. . .
Rôu. . .rôu. . .bou. . .
Herculano
20/12/2017 10:47
BOLSONARO NEGOCIA COM PR E PSL

Conteúdo de O Antagonista. Sem dinheiro e sem TV, Jair Bolsonaro tende a ser esmagado em 2018.

Por isso mesmo, diz o Estadão, ele "negocia com o PR e com o PSL sua inscrição para disputar a eleição ao Planalto.

A filiação ao Patriota não deu certo até agora".
Herculano
20/12/2017 10:34
O BRASIL NA CASINHA DO CACHORRO,m por Fernando Lara Mesquita, no jornal O Estado de S. Paulo

Para sair, só com a mão armada para controlar as carreiras políticas e do funcionalismo

Em nenhum campo mais que no da política "o meio é a mensagem". É o sistema que faz as pessoas, e não o contrário. Há sempre um elemento de "o ovo ou a galinha" nesse raciocínio, mas o fato é que, como McLuhan demonstrou em sua obra, a alteração do meio, ou seja, da tecnologia institucional em uso, é muito mais determinante para definir ou mudar os resultados (as mudanças sociais e comportamentais necessárias) do que o conteúdo que transita por esse meio (o discurso do bem ou mesmo a boa intenção que, porventura, tenha nascido sincera).

O caso brasileiro é um exemplo eloquente. Seja quem for que ingresse na política ou no serviço público do jeito que o "sistema" opera hoje, acaba por se corromper. A qualidade da matéria-prima inserida no "processador" pode alterar a velocidade da corrosão, mas ela é incoercível. Ninguém mergulha nesse mar de privilégios e impunidade e sai incólume. O bom comportamento num ambiente assim acaba assumindo o ar de uma denúncia. Ou o recémchegado se corrompe ou acaba sendo expelido como uma ameaça para os demais. Já começa, aliás, por se acumpliciar, pois para entrar na política é obrigatório "acertar-se" com o dono de algum dos partidos, que já vivem de dinheiro do governo e da distribuição de pedaços do Estado, enquanto no serviço público impera o espírito do "concurseiro", a quem não interessa quando nem onde, tudo o que conta é pôr um pé dentro do privilégio...

Daí para a frente se cria uma cadeia causal. O de entrada é um sistema de seleção negativa. O de permanência, um filtro mais fino ainda. E como o "negócio" passa a ser a criação de dificuldades para proporcionar a venda de facilidades, essa filtragem negativa se estende para a sociedade como um todo. Quem insistir no caminho da lei morrerá afogado na burocracia, pois para seguir adiante na velocidade que o mundo requer é preciso subornar.

Em Estados tanto quanto em empresas, é o sistema de governança muito mais que o esforço despendido por cada indivíduo solitariamente que define o resultado do trabalho. É uma ilusão de noiva achar que algo vai mudar mudando-se apenas as pessoas na operação do mesmo sistema político.

O sistema político faz a riqueza ou a pobreza das nações. É uma falácia o argumento de que o Brasil jamais poderia ter um sistema civilizado. Os suíços e os americanos, entre outros, não nasceram como são hoje. Eles ficaram como são hoje porque por uma conjunção específica de acontecimentos históricos, cada um em seu momento, adotaram um sistema que resulta num filtro de seleção positiva. Não têm o sistema político que têm porque eram mais educados, mais ricos ou mais virtuosos que os demais no ponto de partida. É o contrário, eles ficaram mais ricos e educados porque instituíram um filtro de seleção positiva. A matéria-prima é a mesma aqui e lá, mais inclinada para o vício que para a virtude. Apenas lá, ao contrário daqui, o Estado trabalha para desimpedir os caminhos para a virtude e atravancar os que conduzem ao vício. Tanto que o melhor do que hoje "assinam" como produção própria foi feito por estrangeiros fugitivos de sistemas nos quais só o vício consegue passagem.

A questão da segurança jurídica é crítica. Dada a propensão preferencial da espécie pelo vício, quanto mais longe se colocar a baliza das decisões do arbítrio e do pensamento abstrato, pai do arbítrio, melhor tende a ser o resultado. Existe uma fortíssima coincidência entre a riqueza das nações e o seu sistema jurídico. É sob o sistema de "common law", que foi comum a toda a Europa, Portugal inclusive, até os primeiros passos das monarquias absolutistas no final do século 13, que vive a maioria das nações mais ricas e livres do mundo. Nesse sistema é o precedente que define a sentença, e não o juiz. É o júri, não o meritíssimo, que define se o caso presente é mesmo idêntico ao anterior. Se a conclusão for que sim, a sentença será automaticamente a mesma que foi dada para aquele. O juiz está lá mais para conferir os ritos do processo do que para qualquer outra coisa, mesmo porque o sentido da justiça terrena é reduzir as oportunidades de corrupção, e não redesenhar a humanidade. O problema é que a corrupção se torna irresistível justamente quando é a liberdade do indivíduo ou até a sua vida que está em jogo, como no caso das decisões judiciais. Os fatos são o que são e podem ser concretamente aferidos na sua sequência e na sua relação causal, enquanto a vontade humana, livre para voar por definição, é sempre uma expressão do arbítrio, a própria negação da impessoalidade que torna previsível, ou seja, segura, a justiça que o investimento em desenvolvimento requer.

Assim também os sistemas políticos. A lei só será "amigável para o usuário" se for feita por ele ou, no mínimo, para ele. A democracia foi inventada para isso. Neste mundo de multidões, porém, ela só pode ser "representativa". E para ser mesmo "representativa" é preciso que o representante esteja permanentemente sujeito à cobrança do representado e esta, para ser efetiva, tem de ser feita "à mão armada". Ou seja, a sobrevivência do mandato do cobrado (assim como a do emprego público) tem de estar permanentemente em jogo.

Qualquer brasileiro, por menos educado que seja, sabe que se contratar um empregado amanhã garantindo-lhe que daí por diante será indemissível, faça o que fizer, e ele próprio definirá seu salário independentemente do serviço que entregar, em seis meses estará na casinha do cachorro e o tal empregado, deitado em sua cama.

O Brasil está na casinha do cachorro. Para sair terá de ter a mão armada para ganhar controle efetivo sobre o desenvolvimento futuro das carreiras políticas e do funcionalismo. E só tem esse controle quem tem o poder de demitir. Só o recall,o referendo e as leis de iniciativa popular dão esse poder ao povo de forma irrecorrível. E só com eleições distritais puras essa arma passa a atirar apenas
Herculano
20/12/2017 10:32
COLUNA OLHANDO A MARÉ INÉDITA DESTA SEXTA-FEIRA PARA A EDIÇÃO IMPRESSA DO JORNAL CRUZEIRO DO VALE JÁ ESTAVA PRONTA. ESTOU REFAZENDO-A, DIANTE DOS FATOS POLÍTICOS E PORQUE O MEU ESPAÇO DE CONTEÚDO FOI REDUZIDO PELOS COMERCIAIS. É UMA EDIÇÃO ESPECIAL DE NATAL
Herculano
20/12/2017 10:29
MENDES SEGUE A CONSTITUIÇÃO E É ESPANCADO: BARROSO A RASGA E É APLAUDIDO. NO FILME DE FAROESTE, HÁ QUEM TORÇA PARA O BANDIDO...por Reinaldo Azevedo, na Rede TV

O Supremo, nesta terça, foi palco, com efeito, de duas posturas distintas. Uma delas conta com o apoio de boa parte da imprensa e das redes sociais - em especial aqueles setores afinados com a direita xucra e o militontismo juvenil com espinhas e brotoejas no pensamento. A outra, ao contrário, fez secretar o fel desses nichos radicalizados que se manifestam nas redes e que vomitam como quem pensa e pensam como quem vomita. Atenção! O ministro que está apanhando é aquele que está cumprindo a Constituição; o que está sendo aplaudido é aquele que a está jogando no lixo.

E quem apanha por seguir a lei? Gilmar Mendes.

E quem é aplaudido por rasga-la? Roberto Barroso.

Este rapaz está em pleno delírio de potência! Se a TV Globo fizer mais umas duas reportagens lhe cantando as glórias, é capaz de pegar um cavalo branco e resolver invadir a Rússia no inverno. O Napoleão de toga está impossível.

Vamos ver. Mendes concedeu liminar a duas ADPFs (Arguições de Descumprimento de Preceito Fundamental), acatando a tese de que parte do Artigo 260 do Código de Processo Penal, que permite a condução coercitiva do investigado para simples interrogatório, fere a Constituição. Em síntese: se a Carta assegura o direito ao silêncio, ninguém pode ser levado à força para ser interrogado. Tal prática agrediria a fundamento da livre locomoção e da presunção da não-culpabilidade. A liminar, dita "ad referendum do plenário", terá de ser examinada pelos demais ministros.

Ah, sim: a Lava Jato estrilou porque só Sérgio Moro determinou imodestas 222 conduções coercitivas. E, atenção!, o tal Artigo 260 do CPP, ainda que em desacordo com a Constituição, exige que uma intimação tenha sido ignorada para que, então, se possa usar a força policial. Moro seguiu a lei naqueles 222 casos, incluindo o de Lula? Resposta: Não!

Assim, ao conceder a liminar, Mendes está apenas aplicando dois diplomas legais: a Constituição e o próprio Artigo 260 do CPP, impugnado parcialmente por ele. Não obstante, está levando porrada de todo lado, em especial dos imbecis.

O argumento mais canhestro é que sustenta que sua decisão é descabida porque, afinal, a condução coercitiva está prevista em lei. Ora, é claro que está! Ou não poderia ser questionada por uma ADPF, que serve justamente para apontar aspectos da legislação que sobreviveram em desacordo com fundamentos da Carta Magna. Minha recomendação aos jornalistas: que ouçam menos os procuradores e juízes, que são partes interessadas no caso, e leiam a decisão do ministro.

Barroso
E agora vamos ao incrível Roberto Barroso, que decidiu fazer pouco caso do tribunal. Vocês sabem que está em julgamento no STF uma questão de ordem por ele próprio proposta que limita a foro especial de deputados federais e senadores a crimes cometidos no curso do mandato e em função dele. O que não se enquadrar nesses critérios vai para a primeira instância.

A decisão é estúpida e vai gerar uma confusão dos diabos, mas já há maioria formada de sete ministros. Acompanharam Barroso os ministros Luiz Fux, Rosa Weber, Edson Fachin, Marco Aurélio, Celso de Mello e Cármen Lúcia. Alexandre de Moraes alinhou seu voto apenas parcialmente. Dias Toffoli pediu vista no dia 23 de novembro, e Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes ainda não votaram.

Atenção! Enquanto o julgamento não for encerrado e proclamado o resultado, prossegue o entendimento da norma legal que estava em curso. Não para Barroso, que, mais uma vez, resolveu ter a sua própria Constituição, o seu próprio Regimento Interno do Supremo, as suas próprias leis? Um dia ele usará esses procedimentos contra a direita xucra que agora toca flauta para ele. Será divertido. Vamos ver quem aparecerá para defender os valentes.

O doutor remeteu para primeira instância um inquérito sobre o deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN), suspeito de irregularidades quando era vereador em Natal (RN) em 2005 e 2006, alegando que a maioria no Supremo já está formada.

É um acinte! É um deboche! É um escárnio. Do ponto de vista legal ?" e Barroso está lá para zelar pela legalidade ?", a interpretação da Constituição segue sendo a mesma. Tanto o julgamento não está concluído que, até que não haja a proclamação do resultado, ministros podem mudar seu voto.

"Ah, isso não aconteceria?" Sim, também acho que não! Mas um ministro não é um adivinho nem um antecipador de julgamentos. A sua decisão de enviar o caso para a primeira instância é simplesmente inconstitucional nos moldes que temos.

Não obstante, ora vejam, aquele que sapateia sobre a Constituição está sendo aplaudido, e o que decide seguir a Carta é atacado.

Num filme de faroeste, essa gente não teria nenhuma dúvida em torcer para o bandido
Herculano
20/12/2017 10:26
SEMPRE ESCREVI ISSO. A IMPRENSA LIDERADA PELA RBS E ADJORI SEMPRE ESCONDERAM POR PREGUIÇA, INTERESSES ECONôMICOS E SOCIEDADE CONTRA OS CATARINENSES

SANTA CATARINA SE TRANSFORMOU EM UM ESTADO BABÁ, AFIRMA ALTAIR SILVA, PP

Conteúdo, press release do gabinete do deputado. O deputado estadual Altair Silva (Progressistas) utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa na tarde desta terça-feira (19) para se manifestar contrário ao aumento de privilégios do alto escalão do funcionalismo público. O Estado brasileiro vive momentos turbulentos, com uma economia fragilizada, uma conturbada situação política e dificuldades nas demais áreas. Conforme o parlamentar, o Estado brasileiro é sustentado apenas pelos contribuintes. "Os operários das fábricas, agricultores, comerciantes e quem está produzindo riquezas sustenta uma máquina que só se agiganta, e isso precisa acabar", frisa Altair.

Durante sua manifestação, o parlamentar disse que Santa Catarina se transformou em um verdadeiro Estado babá. "Os que tem privilégios querem mais privilégios e com isso o Estado se incha e fica pesado para o bolso do cidadão e do contribuinte que é obrigado a pagar essa conta. Somos todos nós que estamos pagando!", exclama Altair. Na oportunidade, Silva reiterou a importância do projeto de sua autoria, apresentado ainda em agosto na casa legislativa, e que propõe a convocação de um plebiscito para decidir sobre a extinção das Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs), as antigas Secretarias de Desenvolvimento Regional (SDRs).

Os custos das ADRs cresceram R$ 40 milhões de 2015 para 2016, somando anualmente aproximadamente R$ 500 milhões em gastos com pessoal, encargos sociais e outras despesas correntes. "Há 16 anos vivemos um Estado babá que mantém essas estruturas espalhadas por toda Santa Catarina. Infelizmente o projeto não tem avançado, não sei o motivo e se há interesses por trás dele", lamenta Silva.

Os servidores públicos independentemente de sua formação ou função desempenha um importante trabalho para a sociedade, mas de acordo com o deputado, o número não precisa ser nas proporções que se encontra hoje. "Nós precisamos do trabalho dos colaboradores e eles precisam ser valorizados, porque a base da pirâmide pouco recebe, são apenas grandes setores que recebem muito e ainda querem mais benefícios", reitera o deputado.

Um caminho para melhorar a situação é criar bases sustentáveis para oferecer melhores condições aos jovens de hoje e do futuro. "Hoje tudo se inverteu, a maioria dos jovens sempre buscava uma universidade, se especializar, ser empreendedor, gerar empregos e desenvolver empresas, mas hoje, o sonho do jovem brasileiro é se preparar para conseguir um bom serviço público. Enquanto eles tiverem esse sonho acalentado o futuro da nação está comprometido", frisou o parlamentar.

Para finalizar sua explanação, Altair ressaltou que um Estado que se agiganta a cada dia enfraquece a competitividade da iniciativa privada. "Aqui na ALESC defendo quem trabalha e produz. Precisamos entregar para essas pessoas que sustentam a máquina um Estado de excelência e eficiência", finalizou o parlamentar.
Herculano
20/12/2017 10:21
PIRÂMIDE DA PREVIDÊNCIA PODE VIRAR MONUMENTO AOS FARAóS DAS REGALIAS, por Alexandre Schwartsman, economista, ex-diretor do Banco Central, para o jornal Folha de S. Paulo

Boa parte das dificuldades para explicar a necessidade de reforma da Previdência vem do desconhecimento dos rudimentos do regime previdenciário.

Em retrospecto, deveria ter escrito isso antes, mas, já que a reforma não irá ocorrer no atual mandato, podemos deixar pronto para recomeçar a discussão mais à frente. Ainda é possível adiar o encontro com a realidade; fugir dele é outra história.

Imagine um mundo em que há sempre duas gerações: uma jovem, trabalhando; outra mais velha, já aposentada. Há basicamente duas formas de garantir que a geração aposentada possa se manter durante a velhice.

Uma alternativa requer que a geração ativa poupe para seus anos futuros, por exemplo, criando fundos de pensão que investirão os recursos guardados e, quando da aposentadoria, pagarão aos investidores certa renda, que depende da rentabilidade de suas aplicações, bem como de um conjunto de outros parâmetros, como expectativa de vida, idade de aposentadoria etc.

Esse regime previdenciário é denominado "capitalização", e são poucos os países que o adotam como elemento central para sua Previdência.

A outra é um regime de repartição. Sob essa organização, a geração ativa transfere uma parcela de sua renda para a geração inativa, em troca de ser tratada da mesma forma quando chegar sua vez de se aposentar e uma nova geração tomar seu lugar no mercado de trabalho.

O leitor mais atento há de notar alguma semelhança com o esquema de "pirâmides" financeiras, exceto por um elemento crucial: a população de um país ao longo do tempo é, para efeitos práticos, infinita. Sempre haverá uma geração substituindo a outra, e o esquema funciona enquanto novas gerações vierem à vida, sob algumas condições.

Caso a proporção entre inativos e ativos fosse sempre a mesma, não seria difícil calibrar o regime para que funcionasse indefinidamente. Ocorre que não é esse o caso nem no Brasil nem no mundo.

Por um lado, as pessoas têm vivido mais. No Brasil, a expectativa de vida ao alcançar a idade de aposentadoria tem subido continuamente (em 1980, a expectativa de sobrevida aos 60 anos chegava a 16 anos; hoje, atinge 22), o que implica aumento da população aposentada.

Por outro lado, a fecundidade tem caído: em 1980, cada mulher dava à luz, em média, quatro filhos; em 2017, essa média já havia recuado para 1,8 nascimento/mulher. Posto de outra forma, a geração ativa também se tornou menor.

Em consequência de ambos os desenvolvimentos, a relação entre idosos e jovens (também chamada "razão de dependência") vem caindo e cairá ainda mais no futuro, independentemente do que fizermos, pois o dado demográfico já foi lançado.

Assim, em 1980, a razão de dependência apontava uma população acima de 60 anos equivalente a 11% da população em idade ativa (de 15 a 59 anos); já em 2020 se espera que essa proporção se eleve para quase 21%, chegando a 52% em 2050.

A Previdência no Brasil já é desequilibrada hoje, não só pela demografia mas também pelos privilégios de categorias que se aposentam em condições muito mais favoráveis, sem contrapartida de contribuições equivalentes na ativa.

Caso os parâmetros do regime não sejam corrigidos, o que parecia ser uma pirâmide se tornará um monumento real aos faraós que hoje lutam ?"e com sucesso!?" para manter suas regalias
Herculano
20/12/2017 10:18
GILMAR E TOFFOLI EMPURRAM O STF PARA O CALDEIRÃO, por Josias de Souza

Se a epidemia de corrupção que se abateu sobre o Brasil revela alguma coisa é que a política brasileira ultrapassou todas as fronteiras da imoralidade. Numa situação assim, em que uma nação dá com os burros n'água, o melhor a fazer é se apegar aos burros mais secos. O Poder Legislativo está afogado em lama. O Poder Executivo, com o lodo acima do nariz, se agarra a qualquer jacaré imaginando que é tronco.

Contra esse pano de fundo, não restou ao brasileiro senão depositar todas as suas esperanças no Poder Judiciário. Mas magistrados como Gilmar Mendes e Dias Toffoli parecem decididos a empurrar o Supremo Tribunal Federal para dentro caldeirão do descrédito. Líderes da ala do Supremo que abre celas e arquiva denúncias, os dois dedicaram-se na última sessão do ano a esculachar a investigação quer encrencou Michel Temer e sua turma.

Coube ao ministro Luis Roberto Barroso injetar o óbvio na cena. "Eu ouvi o áudio: 'Tem que manter isso aí, viu?'. Eu vi a mala de dinheiro", disse Barroso. Há políticos piores e melhores. A arte de julgar consiste em discernir uns dos outros. A Lava Jato mostrou que os gatunos ficaram ainda mais pardos. Mas num instante em que a política se consolida como mais um ramo do crime organizado, o país não merece o convívio com juízes que dão de ombos para o óbvio.
Herculano
20/12/2017 10:15
TEMER VAI LUTAR PELA PLATAFORMA, por Elio Gaspari, nos jornais O Globo e Folha de S. Paulo

Do presidente Michel Temer, chegou a seguinte carta:

"Prezado jornalista Elio Gaspari,

Meu governo nunca mentiu ou vendeu ilusões sobre a reforma da Previdência - uma questão de Estado, e não de governo -, pela qual pessoalmente me empenhei durante todo o ano de 2017 e continuarei me empenhando em 2018. Mas não cabe ao Executivo, e sim ao Legislativo, decidir quando e como essa reforma constitucional será votada. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, anunciou o início da votação para 19 de fevereiro. Nunca neguei essa possibilidade. Na última quarta-feira, 13/12, afirmei publicamente: "Nós não sabemos se vamos votar a proposta agora, porque temos de ver o número de votos".

Já estive no comando da Câmara dos Deputados e aprendi que se contam os votos e se confere o placar, sempre volátil, até a última hora. Não se perdem facilmente nem a perseverança nem a esperança. Para ajudar a garantir, antes do recesso parlamentar, 308 votos ou mais, conversei com deputados, senadores, governadores, prefeitos, líderes partidários, empresários, ruralistas, sindicalistas, economistas - enfim, tentei ampliar ao máximo o diálogo em favor da reforma da Previdência.

Todo o meu esforço de mobilização nessa reta final era factível e absolutamente genuíno. Com a Previdência aprovada, o que ocorrerá em breve, 2018 será um ano de ainda mais confiança na nossa economia, depois de termos avançado em 2017 numa agenda reformista e modernizante. Vencemos ainda uma profunda recessão. Estão aí inflação e juros baixos recordes, recuperação dos empregos, dos investimentos, da produção e do consumo.

Nenhum "governo fraco" conseguiria em apenas 18 meses tais resultados. Aliás, antes de 17 de maio ?"quando emergiram os primeiros sinais das inescrupulosas urdiduras conspiratórias que viriam a ser expostas contra a Presidência da República -, havíamos acabado de aprovar uma ambiciosa proposta na Comissão Especial da Câmara.

Dado o meu comprometimento com a reforma da Previdência, é muito fácil atribuir a mim, como parte da imprensa vem fazendo, o desgaste político por insistir numa discussão aparentemente ingrata. Mas sei que é minha obrigação fazer isso. Não posso ser presidente da República sem me sentir responsável pelo futuro do Brasil e dos brasileiros.

Boa parte do nosso povo começa a entender a extensão do problema e a apoiar a reforma. Confio que os deputados federais, nessas férias, vão perceber isso. Digo mais: estamos diante de algo que exige a responsabilidade de todos os partidos - e não só daqueles que apoiam o governo.

A proposta consensual que aguarda exame do Congresso prevê economia de cerca R$ 600 bilhões em uma década; assim será possível dar algum fôlego ao sistema e manter investimentos na área social. A emenda iguala a aposentadoria do setor privado e público, extinguindo privilégios, e salvaguarda a imensa maioria que recebe até dois salários mínimos, os trabalhadores rurais e os que dependem dos benefícios assistenciais.

Continuarei na minha pregação em defesa da Previdência. Estamos tratando não do meu governo, insisto, mas do Brasil de 2019 em diante ?"da qualidade do futuro imediato dos brasileiros.

Atenciosamente, Michel Temer.
Herculano
20/12/2017 10:11
OS FILHOS DE PAPAI NOEL, por Carlos Brickmann

Os delatores, que confessaram ter participado de milhares de crimes de corrupção, estão aos poucos sendo soltos, ou cumprindo pena no conforto de seu lar. Os delatados, que participaram de menos crimes, mas mesmo assim suficientes para criar-lhes enormes complicações legais, estão numa boa. Fora um ou outro, apanhado de surpresa pelo furacão Lava Jato, antes que seus companheiros de ladroeira tivessem elaborado uma boa estratégia de esquiva, os demais comemoram um réveillon dos sonhos ?" livres, leves, soltos. Sabe quantos processos o Supremo julgou contra a turma do foro especial? Puxe pela memória! Não lembra? Pois tem razão: nenhum.

Não é por falta de freguesia. Só a delação da Odebrecht rendeu a abertura de inquérito contra 24 senadores, 37 deputados e oito ministros do Governo Federal. O povo da toga discute entre si, pronuncia votos de matar os ouvintes de sono, discorre sobre qualquer tema. E para que? Para nada.

Para os delatores, os problemas foram superados. Marcelo Odebrecht fica em sua mansão de 3 mil m² em São Paulo, mas com uma restrição: só pode receber visita de 15 pessoas ao mesmo tempo (mais advogados). Adriana Ancelmo, esposa de Sérgio Cabral, volta à prisão domiciliar, para poder tomar conta dos filhos, e também é alvo de dura restrição: não pode usar Internet. Lúcio Funaro, o doleiro, foi para a prisão domiciliar.
Todos somos filhos de Papai Noel, mas alguns são mais queridinhos do pai.

O CUSTO DA JUSTIÇA
Os processos andam devagar, mas a Justiça busca equipar-se para cumprir suas tarefas. De acordo com o excelente site jurídico gaúcho Espaço Vital (www.espacovital.com.br), o gasto da Justiça Federal com o aluguel de veículos passou de R$ 99 mil em 2009 para R$ 25 milhões em 2016. São 16 mil por cento em sete anos, já descontada a inflação.

O CUSTO DA FOLIA
O BNDES, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, decidiu contribuir com R$ 2 milhões para a SRCom, empresa que realiza o réveillon na praia de Copacabana. A Petrobras também vai contribuir, mas ainda não decidiu com quanto. A Caixa Econômica Federal e a Ambev estudam sua participação.

O país vai bem, obrigado. Se tudo der certo, quatro empresas arcarão com o maior custo do réveillon; das quatro, três são estatais. E a única que pode lucrar diretamente com a festa é a empresa privada, a Ambev, vendendo cerveja durante as comemorações.

BYE, BYE, BRASIL
Condenado, absolvido? O ex-presidente Lula não parece preocupado com seu futuro. No dia 24 de janeiro, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, deve julgar o recurso de Lula contra a sentença do juiz Sérgio Moro que o condenou a 9 anos e 6 meses de prisão. Caso a condenação seja confirmada, Lula poderá ser preso. Mas ele já informou que pretende viajar para o Exterior dois dias após o julgamento, para participar em Adis Abeba, na Etiópia, de debates sobre a fome na África. Os debates foram convocados por um companheiro de PT, José Graziano, que chefiou o programa Fome Zero em seu Governo e hoje está na ONU.
Como é mesmo?

O simples anúncio de que está com viagem marcada para o Exterior logo após o julgamento pode servir como base para que Lula seja preso, garantindo sua presença para cumprir a eventual pena. Caso seja condenado, o TRF-4 poderá mandar prendê-lo na hora, para evitar que fuja.

O SONHO BRASILEIRO
A Ipsos, empresa internacional de pesquisa de mercado, acaba de chegar a uma conclusão surpreendente: 70% dos brasileiros acreditam que é possível governar o país sem corrupção. E 73% rejeitam o lema "rouba, mas faz". Boa parte dos pesquisados acredita que há poucas discussões sobre o tema "como acabar com a corrupção".

E por que a conclusão é surpreendente? Porque políticos que chegaram a renunciar ao mandato para fugir de denúncias de corrupção voltaram a se eleger com facilidade. E o PT, alvo de denúncias pesadas desde o início da Operação Lava Jato, tem tido bons índices de preferência para as eleições de 2018. Na pesquisa, foram ouvidas 1.200 pessoas em 72 municípios.

UM PAÍS ENLOUQUECIDO
Um cunhado da apresentadora Ana Hickmann reagiu quando um jovem armado de revólver atirou na apresentadora e em sua assessora: com um tiro, matou o rapaz que tentava assassinar as jovens. E está sendo acusado de homicídio por um promotor, que alega que, embora tenha havido legítima defesa, foi excessiva, e o cunhado da apresentadora poderia ter evitado a morte do candidato a assassino. O promotor que nos perdoe, mas este colunista, em situação igual, descarregaria o revólver, para garantir a vida de suas parentes. Alguém seria capaz de moderar-se nessa situação?
Herculano
20/12/2017 10:07
PAULO MALUF, PP, ACABA DE SE ENTREGAR A POLÍCIA FEDERAL EM SÃO PAULO PARA CUMPRIR A PENA QUE POSTERGOU POR DÉCADAS

A VEZ DE MALUF, por Bernardo Mello Franco, no jornal Folha de S. Paulo

O espírito natalino não amoleceu todos os corações do Supremo. No último dia antes do recesso, o ministro Edson Fachin assinou uma decisão histórica. Mandou prender Paulo Maluf, ex-governador e ex-prefeito de São Paulo.

Em maio, o tribunal condenou o deputado por lavagem de dinheiro. Depois de três meses, rejeitou seu recurso contra a sentença. Passaram-se mais quatro meses, e o homem continuava a circular livremente entre a Câmara e o Palácio do Planalto.

Nesta terça, Fachin impôs um fim aos passeios. Ele determinou que Maluf comece a cumprir a pena em regime fechado. O ministro considerou que os embargos da defesa eram "meramente protelatórios", ou seja, visavam atrasar a aplicação da lei.

Não será a estreia do deputado atrás das grades. Em 2005, ele chegou a ser preso sob acusação de formação de quadrilha, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Passou 40 dias no xadrez, mas foi libertado pelo Supremo.

Depois disso, Maluf ainda entraria na lista de procurados da Interpol. Parou de viajar para o exterior, mas recuperou a influência política por aqui. Conquistou mais três mandatos e recebeu a célebre visita de Lula na campanha municipal de 2012.

Nos últimos meses, o deputado passou a ser cortejado por Michel Temer. Foi convidado a almoçar no palácio e disse ter "101% de certeza" de que o presidente era "correto, decente e honesto". Pano rápido...

Aos 86 anos, Maluf deve usar a idade avançada como argumento para não ficar na cadeia. Ele deve ser autorizado a cumprir parte da pena em sua mansão, que abriga uma das adegas mais famosas de São Paulo.

Apesar da condenação, o caso é uma boa amostra da lentidão da Justiça. O deputado foi enquadrado por ocultar dinheiro desviado em sua última gestão na prefeitura, encerrada há mais de duas décadas. Muitas denúncias feitas na época prescreveram sem julgamento. Por pouco, a acusação de lavagem não teve o mesmo fim.
Herculano
20/12/2017 10:04
DERROCADA DOS CORREIOS CHEGOU PELAS MÃOS DO PT, por Cláudio Humberto, na coluna que publicou hoje nos jornais brasileiros

A grave crise vivida nos Correios se estabeleceu em 2011, quando o militante petista Wagner Pinheiro presidia a empresa. O lucro líquido do primeiro semestre daquele ano foi de R$500 milhões, ainda decorrente da gestão anterior. Mas, a partir de então, o inchaço pode até ter engodado o caixa das entidades sindicais, mas levou os Correios a registrarem prejuízo bilionário pela primeira vez em sua história.

DISTRIBUINDO ESCASSEZ
Em 2011, os Correios distribuíram R$89,5 milhões como "participação de lucros" aos funcionários da empresa, que hoje totalizam 108 mil.

A RUÍNA SE ESTABELECEU
Em 2015, último ano de Pinheiro no comando, os Correios registraram o maior prejuízo da história da empresa: R$ 2,1 bilhões.

INCOMPETÊNCIA
Em 2011, estudos da estatal indicavam que a capacidade de entregar as correspondências se esgotariam em um ano e meio. Nada foi feito.

Só PODIA DAR PREJUÍZO
Na campanha de 2014, Pinheiro foi visto várias vezes longe do seu local de trabalho, fazendo campanha para o PT fora de Brasília.

PP TROCA DELEGADO QUE ACABOU CARTóRIO BILIONÁRIO
A decisão do delegado federal Elmer Coelho Vicenzi de pôr fim ao monopólio da poderosa empresa B3/Cetip, no registro obrigatório de contratos de financiamento de veículos, pode ter determinado sua substituição pelo advogado paraibano Maurício Pereira na direção do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito). Pereira é paraibano como o líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP).

MEXEU NUM VESPEIRO
Foi corajosa a decisão de Elmer Vicenzi de acabar o monopólio, apesar da forte influência da B3/Cetip em Brasília, desde os governos do PT.

DECISÃO ELOGIADA
A decisão do ex-diretor do Denatran foi muito elogiada porque acabou o monopólio, na verdade um cartório, e abriu o mercado.

MUITO DINHEIRO EM JOGO
Após o registro dos contratos, negócio de R$ 500 milhões ao ano, a B3/Cetip temia perder também o monopólio dos gravames (R$1 bilhão).

PLENÁRIO DEVE CONFIRMAR
O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, acredita que o plenário do Supremo Tribunal federal (STF) vai referendar a liminar do ministro Gilmar Mendes que suspendeu a condução coercitiva ?" que, segundo ele, não tem qualquer previsão legal ou constitucional.

UM PREDESTINADO
O prefeito de Cabo de Santo Agostinho (PE) está sendo investigado por desvio de dinheiro do fundo de pensão dos funcionários municipais. O nome do prefeito do PSB é duplamente pesado: Lula Cabral.

PRETO NO BRANCO
Omar Peres (ou Catito Peres), apontado como pré-candidato do PDT ao governo do Rio, fechou acordo com o dono da marca Jornal do Brasil, Nelson Tanure, e o JB velho de guerra volta a ser impresso em fevereiro. Deve imprimir diariamente na gráfica rival histórico O Globo.

TSE VAI MUDAR
O ministro Luiz Fux assume em fevereiro a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e já decidiu alterar o horário das sessões de quinta-feira. Em vez de à noite serão realizadas na parte da manhã.

QUANTA MALDADE
O maior problema para regulamentação do lobby segundo profissionais de relações institucionais, é que o projeto, datado de 2007, adquiriu antipatia adicional por ser do deputado Carlos Zarattini (PT-SP).

DIA DO REGINALDO ROSSI
Dia Municipal do Brega poderá ser comemorado em Recife em 14 de fevereiro, segundo projeto do vereador Wanderson Florêncio (PSC). É o dia de nascimento do saudoso cantor recifense Reginaldo Rossi.

NOVO PARTIDO
A deputada Tereza Cristina (MS), que foi líder do PSB na Câmara, filiou-se ao DEM, pelas mãos do partido na Câmara, Rodrigo Maia, e o aval do líder do partido, Efraim Filho (PB).

OLHO NO VICE
Faltam 292 dias para a eleição 2018, quando serão definidos deputados estaduais e federais, senadores, governadores, além do novo presidente. E é bom lembrar: seu vice também.

PENSANDO BEM...
...liberando certos presos às vésperas das Festas, a Justiça às vezes dá a impressão de confundir indulto com insulto natalino
Herculano
20/12/2017 10:01
GILMAR ESTÁ NA CONTRAMÃO DA HISTóRIA, por Uirá Machado, acharel em direito e em filosofia, é editor da 'Ilustríssima', do jornal Folha de S. Paulo

Gilmar Mendes é um ministro acostumado às batalhas retóricas, mas, em entrevista à revista "Veja", enrolou-se ao comentar sua atuação no Instituto Brasiliense de Direito Público, organização que tem nos patrocínios uma de suas maiores fontes de renda - e que, de 2016 a junho deste ano, recebeu R$ 2,1 milhões da JBS, segundo a reportagem.

Os jornalistas lhe perguntaram se não via problema em ser sócio do instituto. Resposta: "Nenhum. Eu era professor antes de ser ministro. Continuei professor. Aqui no Supremo, por exemplo, Bilac Pinto era dono da editora Forense. Nunca ninguém levantou dúvida sobre isso".

Dois aspectos chamam a atenção. Primeiro, questionado sobre a sociedade comercial, Mendes falou sobre a atividade docente, como se quisesse evitar constrangimentos. Em segundo lugar, Bilac Pinto foi ministro de 1970 a 78, sob outras regras.

A Constituição da época impedia que juízes exercessem "qualquer outra função pública". Em 77, a redação mudou para "qualquer outra função". Esse princípio mais restritivo consta da Lei Orgânica da Magistratura Nacional, de 79, e da Constituição de 88. (Em todos os casos, excetuam-se cargos de magistério.)

Historicamente, a evolução desde o Brasil Império é nítida: trata-se de eliminar situações capazes de macular o caráter republicano esperado do Judiciário. Os juízes precisam ser incorruptíveis e imparciais; sua atuação não pode se vincular a outros interesses que não os do Estado.

Quando a lei diz que o juiz até pode ser acionista de uma empresa, mas não diretor, a preocupação não é com a formalidade contratual, e sim com a independência do magistrado.

No papel, Gilmar Mendes não exerce cargo de gestor; na prática, encontra-se com patrocinadores, cobra pagamentos, usa o peso do STF em favor de seu instituto e não vê nenhum problema nisso. Está na contramão da história ?"e o melhor exemplo que traz em sua defesa é o de um ministro da ditadura militar.

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.