Lista telefônica

UM ACERTO NÃO JUSTIFICA NEM "MEIO" ERRO. POLÍTICOS DE GASPAR TRATAM TODOS COMO ANALFABETOS, IGNORANTES E DESINFORMADOS PARA SUAS CAUSAS PARTICULARES - Por Herculano Domício - Jornal Cruzeiro do Vale

UM ACERTO NÃO JUSTIFICA NEM "MEIO" ERRO. POLÍTICOS DE GASPAR TRATAM TODOS COMO ANALFABETOS, IGNORANTES E DESINFORMADOS PARA SUAS CAUSAS PARTICULARES - Por Herculano Domício

30/04/2018

Um prócer da atual oposição que “manda” em Gaspar, fingindo tratar a observação dele para comigo algo ingênuo, entretanto, perturbadora pelo senso de suposta cobrança, disse-me há poucos dias, num rápido encontro num ambiente público: “afinal de que lado você está? Estamos confusos!”


Primeiro: realmente eu tenho um lado, o que paga pesados impostos (inclusive em Gaspar), sustenta gestões públicas, políticos, seus erros e acertos a favor da sociedade. Os políticos e gestores públicos, independentes de partidos e de estarem ou não no poder de plantão, estão obrigados à transparência, aos resultados e à prestação de contas para os pagadores de impostos, os cidadãos e cidadãs. E é apenas isso que observo e eles não gostam.


Segundo: um acerto, como fez a majoritária oposição na Câmara, não justifica sacrificar o possível bem-estar dos cidadãos e cidadãs, nem comprometer o desenvolvimento da cidade. Acertos é uma obrigação do gestor público ou de quem está obrigado à fiscalizar; podem até serem louvados por isso. O erro, mesmo que sem a intenção para o resultado que causa à sociedade e ao autor, deve ser antes alertado, prevenido, detalhado nas causas e consequências, bem como exposto, para que seja marcado e não se repita.


O interlocutor a que me refiro, na verdade, estava inconformado com a minha posição ao velho Projeto de Lei 103/2017. Ele deu autorização para o prefeito Kleber Edson Wan Dall, MDB, contrair na Caixa Econômica até R$20 milhões e aplica-los, se tiver competência, em melhorias no sistema viário. E se isso acontecer, ser usado como dividendos em peça de propaganda eleitoral.


De acordo com esse inconformado interlocutor, a minha abordagem aqui, levou a cidade ficar “contra” à majoritária oposição e principalmente o relator geral da matéria, o vereador Cícero Giovane Amaro, PSD. E por causa disso, ele teve que encurtar o “cozimento” da administração de Kleber não pode “esfolá-la” como queria.


Incrível. Mais explícito, não poderia estar a perturbadora “queixa”. Insinuou que eu troquei de lado? Está claro que quem pode estar trocando de lado é a oposição. E para ficar contra a cidade, apenas para ter palanque, discursos e demarcar territórios de poder, independente das necessidades dos cidadãos, cidadãs, seus eleitores e eleitoras ou não.


O REGIME DE URGÊNCIA É UMA EXCEÇÃO. O USO ROTINEIRO DELE É DEBOCHE

Vamos aos fatos. Nunca fui defensor de partidos. Sou defensor de resultados e até ideias de gestão por conhece-las e praticá-las. Pago caro por isso neste jogo de sacanagens, exatamente por não escolher um lado ideológico ou defensor de grupinhos de poder.


Em Gaspar, mas não só aqui, quem na imprensa, por migalhas, não se subordina aos jogos dos poderosos de plantão e que se entrelaçam no escurinho para a plateia ser mais facilmente enganada, é obrigado a fechar olhos para o óbvio, tamponar os ouvidos para a mentira sem escrúpulos e tampar o nariz para a fedentina espalhada por todos os cantos.


Ora, ao quebrar o “regime de urgência”, o relator Cícero fez o certo. Eu, no lugar dele, também faria a mesma coisa. Já escrevi várias vezes sobre. Não vou repetir os argumentos. Entretanto, isso não significa que virei a casaca, tornei-me seu amiguinho, coloquei as vendas nos olhos, tamponei os ouvidos e fechei o meu nariz. O “regime de urgência” é algo excepcional. E Kleber – por falta de planejamento, noção ou por provocação, má orientação de seus assessores e desrespeito a um poder constituído, exatamente por estar em maioria na época – usava-o como rotina. Abuso.


Com a quebra do regime de urgência, Cícero e a majoritária oposição também sinalizaram, corretamente, ao poder Executivo que ele estava em minoria e que a Câmara não era mais a sua extensão ou chanceladora, como aconteceu no primeiro ano do governo Kleber.


Agora, isso não dava direito à majoritária oposição e também ao Cícero – que tinha algumas coisas pessoais atravessadas com o Executivo, como o seu afastamento do Samae por jornada dupla coincidente na Câmara – usar uma matéria tão relevante para os gasparenses e não apenas à administração de Kleber, como massa de manobra, troca e humilhações.


Foi esse ponto que esclareci e repisei. Foi isso que enfraqueceu publicamente a manobra da majoritária oposição na Câmara de Gaspar. Ela queria apenas “cozinhar” Kleber, deixa-lo exposto, enfraquece-lo, apontar ligações perigosas de favorecimentos sem ter nada de concreto e não exatamente conhecer os possíveis pontos obscuros do PL, para assim ter certeza de que estaria aprovando algo sem se comprometer na parte formal.


Teve que recuar na tática que mal armou e julgou que na imprensa, todos são seus ou burros. E achou culpados? Entre eles, eu!


UMA MAIORIA É FEITA PARA CONSTRUIR UM PROJETO, SEM DESTRUIR OUTRO PROJETO. A SOMA DELES FAZ O DESENVOLVIMENTO E A CIDADE

Então! A majoritária oposição recuou neste assunto na Câmara porque “jogou” mal. Recuou, porque a população esclarecida, percebeu o jogo. Ora confundir verba para projetos viários com verbas para melhorar a saúde pública que está precária, não é algo sensato ou razoável de ser feito. É enganar!


“É mais, mas as obras vão beneficiar três grandes empresários, os mesmos de sempre!” Taí o verdadeiro desafio da majoritária oposição da Câmara: fiscalizar para que isso não aconteça e em acontecendo, denunciar com fundamentos, inclusive aqui, onde sou sim, um formador de opinião.


No fundo, obras públicas são feitas para beneficiar a cidade, os cidadãos e as cidadãs como um todo, mas alguns, no discurso torto, conveniente e até demagógico – pois vivem assediando os poderosos -, só enxergam desse todo, os poderosos como privilegiados.


Outra. O PT de Pedro Celso Zuchi teve verba semelhante aprovada na Caixa para o mesmo destino: obras viárias. O que ele conseguiu entregar e beneficiar a cidade e supostamente os seus no seu governo para servir de dividendos e palanque eleitoral? Nada.


As duas primeiras ruas – Pedro Schmitt Júnior e Arthur Poffo - daquele pacotão de propaganda do PT quando se pediu o financiamento, foi inaugurada neste março por nada mais e nada menos por Kleber, sem povo, como mostra a foto acima. Então é muito chororô por pouca coisa. É apenas palanque do atraso, tratando-nos todos como analfabetos, ignorantes e desinformados.


Não houve, nesse caso, de minha parte, a propalada defesa de Kleber – que vive reclamando das minhas observações - como me rotula agora um “porta-voz” da majoritária oposição na Câmara. Ela sim, com o poder nas mãos, enrola-se em sucessivos erros, como no caso do inchamento da Câmara, desperdiçando os pesados impostos de todos gasparenses e que estão faltando na Saúde, nas vagas nas creches, na Assistência Social, na Defesa Civil, obras etc.


De que lado eu estou? Do pagador de pesados impostos, que quer com transparência, probidade e eficiência, o dinheiro de todos bem aplicado em benefício dos pagadores de impostos que ao contrário que se supõe, não são feitos de ricos, mas de uma massa de pobres, inclusive os desempregados.

E para encerrar, a prova de como a comunicação do poder de plantão é falha até no óbvio.


Cinco dias depois desse PL 103/2017 ter sido aprovado na Câmara e já sancionado pelo próprio prefeito, eis que o colunista Cláudio Prisco Paraíso, saiu contando que o projeto estava sendo usado para chantagem. A cidade inteira, que leu esta coluna, os jornais, os portais, ou ouviu as rádios, sabia que este assunto era velho e resolvido.


Pior mesmo, foi ver nas redes sociais, gente do governo, replicando a nota com notícia defasada, cheirando a peixe podre, como se fosse algo relevante e fresquinho para ajudar na aprovação de matéria que nem mais estava no Legislativo e já tinha sido publicada até no Diário Oficial dos Municípios – aquele que se esconde na internet e não tem hora para sair. Rir, é pouco. Acorda, Gaspar!

O APRESSADO COME CRU. UM REQUERIMENTO DE VEREADOR DA OPOSIÇÃO FAZ PREFEITURA SE DESFAZER DE COMPRA DIRIGIDA E NÃO PERMITIDA PELA LEGISLAÇÃO

O governo de Kleber Edson Wan Dall, MDB, está em dívida com o vereador Roberto Procópio de Souza, PDT. Os gasparenses, também. A curiosidade dele evitou um explícito caso de improbidade administrativa do atual governo.


E pode estar aí, uma das explicações pelas quais o Executivo está demorando a responder os requerimentos da majoritária oposição, sujeitando-se Kleber, inclusive, a desgastes e até a mandados de segurança que o obriga via a Justiça, ao que está se negando cumprir e que está na lei para com a Câmara e à transparência dos atos de governo. Mas, tem mais.


Sempre desconfie dessas coisas feitas no final do ano, quando os olhos dos cidadãos estão focados em outros como os presentes, no Natal, nas férias dos contribuintes ou dos órgãos de fiscalização e no Ano Novo.


O que chamou à atenção do vereador no seu dever de fiscalizar? A compra por inexigibilidade de licitação, ou seja, sem concorrência porque supostamente “não haver” outro fornecedor do mesmo material, e que recebeu o número 91/2017. Ela aconteceu no dia 20 de dezembro do ano passado e a ex-secretária de Saúde era Maria Bernadete Tomazini. Ela assinou a autorização para a inexigibilidade. E Kleber no mesmo dia assinou o Termo de Ratificação dessa Inexigibilidade.


Agora, na documentação apresentada pela prefeitura para o requerimento da Câmara, o dito contrato não possui assinatura da ex-secretária, mas o extrato foi publicado no Diário Oficial dos Municípios – aquele que se esconde na internet – como se tudo estivesse perfeito e aceito por todas as partes. Uau!


A ex-secretária, então, diante dessa “imperfeição”, teria contratado por R$48.400,00 a Hospitália Cirúrgica Catarinense Ltda., para ela “equipar” onze Unidades Estratégia da Família, os tais postinhos de saúde, com aspiradores cirúrgicos, exatamente em ambientes ambulatoriais que faltam o essencial: médicos para atender os doentes e pobres. É vergonhoso não só como se tentou comprar algo sofisticado antes das coisas básicas para os postinhos.


Dinheiro bom dos gasparenses e que está faltando para o essencial na saúde pública, sendo gasto no que ainda pode ser considerado supérfluo para os postinhos. É, no fundo, a ação das máfias de equipamentos médicos, desvirtuando as prioridades dos gestores públicos e eles, sendo coniventes com tudo isso. Depois reclamam das críticas dos doentes. Mas é o próprio governo que trabalha contra a imagem dele mesmo.


A PREFEITURA ENFIOU A VIOLA NO SACO NESTE CASO

Retomo o caso. Quando voltou ao trabalho neste ano, o vereador Roberto Procópio de Souza assinou no dia seis de fevereiro o requerimento 3/2018. Ele pediu “cópia integral do processo licitatório 91/2017, empenhos, comprovantes de pagamentos e notas fiscais referentes a aquisição de aspirador cirúrgico”.


A resposta da prefeitura só veio agora, com data de seis de abril, fora do prazo – 15 dias úteis - e pressionada. E por ela, vê-se que “tinha razão” em retardá-la. Precisava se desfazer do estava errado e complicava a vida do prefeito se tudo fosse adiante. Afinal, ele é, no fundo, o ordenador das despesas.


Resumindo: “alertada” pelo requerimento do vereador Roberto no dia seis de fevereiro, no dia 27 de fevereiro, a prefeitura publicou no mesmo Diário Oficial dos Municípios, a seguinte gracinha que mais parece uma peça antecipada de defesa:


“Aviso de revogação do contrato FMS 20.221/2017: por razões de conveniências, após publicação foi verificado que não há mais interesse público em efetuar a aquisição do referido contrato, razão pela qual, revoga-se o presente contrato, deixando claro que a contratação não foi efetivada, não originando direitos ao contratado em relação ao contrato. Carlos Roberto Pereira, secretário de Saúde”. Impressionante!


Roberto também tem culpa nesse cartório, pois além de ser prefeito de fato e advogado, era na época, acumulavativamente, o secretário da Fazenda e Gestão Administrativa.


Vamos por partes, como diria Jack, o Estripador.


FALTAM AINDA EXPLICAÇÕES QUE CONVENÇAM SOBRE O RECUO

Pode até ser, mas em todo o processo não se provou que a Hospitália era a única fornecedora desse tipo de equipamento. Consultada por provocação de Bruno César Paiva da área de compras, a procuradoria geral, por meio de Bianca Darli Menestrina, já no dia 23 de novembro de 2017, quase um mês antes da licitação, alertava que para se configurar a inexigibilidade, era preciso o atestado de exclusividade de órgão competente declarando que havia um único fabricante ou um único distribuidor dos referidos equipamentos. E não unicamente a declaração da fornecedora do equipamento, a interessada e beneficiária, e que já integrava o processo licitatório.


Por que isso não foi feito?


Antes, no mesmo processo, já em maio, o Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal, Módulo de Acompanhamento de Transferência de Recursos do governo do Estado e de onde viria o dinheiro, já ressalvava no parecer técnico jurídico, que era preciso atender ao mérito do pedido e da compra. E suprir esta questão, Gaspar argumentou ao pedir tais equipamentos, que os postinhos de saúde iriam prestar serviços de emergência, que todos neles estavam preparados com suporte, médicos e outros trabalhadores para isso. Ai, ai, ai.


Questões sem respostas, por enquanto. Por que um contrato sem a assinatura da prefeitura vira oficial e é publicado no DOM? Ou o contrato que a prefeitura ofereceu ao vereador Roberto é falso? Com qual intenção? Por que só após o vereador pedir a documentação, é que se atentou para a suposta irregularidade, para a falta de prioridade da compra e se envolveu tudo em espertezas? Por que não atenderam a orientação da própria procuradoria? Quem mandou pular por cima dessa recomendação?


Nesta, o vereador ajudou o prefeito. Se por exemplo ele faz o questionamento depois da entrega dos equipamentos, estaria caracterizada a improbidade administrativa. Comeu cru! Acorda, Gaspar!


HOJE É DIA DE FOLGA PARA OS SERVIDORES DA CÂMARA DE GASPAR

Os servidores da Câmara trabalham só 30 horas por semanas e ganham por 40 horas, conforme acerto para dar isonomia na Casa em leis marotas que se fez e era preciso uniformizá-las. Os que pagam os pesados impostos para sustenta-los, quando contratados pela CLT, trabalham em média 44 horas por semana. Se estão na informalidade, trabalham muito mais. Se possuem negócios próprios, igualmente para gerar os impostos para o governo pagar os servidores, não há dia, noite, feriado e nem horário para salvar o que está sempre sob ameaça.


Eles, 15 comissionados e 13 efetivos, estão se preparando desde sexta-feira para o feriado de amanhã Dia do Trabalho. Na quarta-feira, tem sessão, a única semanal. Na prefeitura, o trabalho é normal, salienta-se. O governo de Kleber Edson Wan Dall, MDB e Luiz Carlos Spengler, PP, dois ex-vereadores, e Spengler um servidor municipal, terminou essa de ponto facultativo.


Os vereadores Francisco Hostins Junior, MDB e líder do governo; Francisco Solano Anhaia líder do MDB, o suplente José Ademir Moura, PSC e por iniciativa de Franciele Back, PSDB do MDB, até tentaram no requerimento 50/2018 sensibilizar o presidente Silvio Cleffi, PSC, médico e também servidor público municipal, para que não houvesse mais ponto facultativo e os feriadões prolongados na Câmara.


Em vão! O requerimento virou indicação, meramente sugestiva e arquivada.

O próprio Silvio explicou que quanto “mais descansados” os servidores estão, mais eles produzem. Logo, ele, que quer inchar a Câmara para ela dar conta do recado não iria entrar em outra dividida. Inventou uma tese sem fundamentá-la.


Gente que trabalha pouco (30 horas, mas ganha por 40h) – cheia de privilégios e todos legais - deve estar muito cansada. Valorização, reconhecimento por mérito, ambiente competitivo, respeito e oportunidades, são valores que levam à produtividade e o bem-estar de utilidade do trabalhador, e não trabalhar pouco.


Silvio zombou e ainda mandou um recado da tribuna à Franciele. “Não vou mudar nada como presidente. Talvez você for for presidente, no próximo ano, você faça isso”.


Franciele, para os que não se lembram, era a candidata de Kleber para ser presidente da Casa. Contados os votos, sem adversário aparente, ela perdeu a eleição para Silvio que formou a nova majoritária oposição contra Kleber. E a chance de Franciele se tornar nessa legislatura presidente da Casa, aparentemente, é zero.


Encerrando. O dinheiro não é do vereador Silvio e nem da Câmara, são dos pagadores de pesados impostos. Então eles, fazem a festa e política com o dinheiro dos outros. Acorda, Gaspar!

GOVERNO DE KLEBER É UM CEMITÉRIO DE TÉCNICOS. SÓ CURIOSOS PARECEM TER LUGAR GARANTIDO NELE

A saída do administrador do Hospital de Gaspar, Vilson Alberti Santin, era esperada desde o dia em o advogado Carlos Roberto Pereira, prefeito de fato, ex-todo poderoso secretário da Fazenda e Gestão Administração, ex-presidente do MDB de Gaspar, ex-coordenador da campanha de Kleber Edson Wan Dall, MDB e Luiz Carlos Spengler Filho, PP, foi indicado para ser o secretário da Saúde de Gaspar.

E por que?

* Porque o novo secretário tem o direito e até o dever de constituir a sua equipe de confiança.

* Porque Santin não era da sua confiança, mas da confiança do médico, vereador e presidente da Câmara, Silvio Cleffi, PSC, e que virou a casaca contra o governo de Kleber (que o criou politicamente como coisa nova na política), Luiz Carlos e o doutor Pereira, mas quer continuar a influir no governo e especialmente na Saúde quebrada, com os jogos de pressão onde representa a majoritária oposição no Legislativo

* Porque o Santin é um técnico, com currículo respeitável nessa área de gestão hospitalar e isso é um perigo para o governo de Kleber, Luiz Carlos e Pereira. Foi assim com Dilene Jahn dos Santos, a primeira secretária de Saúde e que também já geriu o Hospital. Lembram?


A verdade é que o proprietário e editor do Cruzeiro do Vale, Gilberto Schmitt, já tinha cantado a bola quando Santin foi apresentado à imprensa como o salvador daquilo está em perpétuo socorro. Santin, metaforicamente, disse que transformaria o Hospital num exemplo, igual ao tal posto Ipiranga, da propaganda, que é referência para tudo.

"O mais fajuto posto por aqui é o mais famoso", teria lembrado Gilberto sobre notícias das páginas policiais, provocando gargalhadas. Premonição? Que nada! É apenas conhecimento do caminho das pedras de Gaspar.

O Hospital que ninguém sabe de quem ele é, mas que come o dinheiro dos pesados impostos dos gasparenses que é destinado aos pobres e doentes que precisam dos postinhos, policlínica e farmácia básica, mesmo com o famoso Santin, continuou, repito, continuou, tão ruim, quanto um boteco sem controle.

Na última - e praticamente única - prestação de contas do Santin à comunidade, feita no plenário da Câmara e diante do seu padrinho Cleffi, três números mostraram uma realidade explosiva: o Hospital dependia de R$600 mil por mês da prefeitura (antes da intervenção a obrigação era algo ao redor de R$200 mil no máximo para se ressarcir o Hospital dos serviços prestados por ele à prefeitura), fazia de outras receitas (serviços a terceiros, planos, verbas...), em torno de R$400 mil mensalmente e deixava ainda, pasmem, um buraco mensal de R$200 mil que vai ter que ser coberto pelos gasparenses se a prefeitura resolver um dia levantar a tal intervenção inventada pelo PT e absorvida pelo governo do MDB e PP, afora as responsabilidades civis geradas nesse período. Nem mais, nem menos.

Santin saiu sem nenhuma prestação de contas. Triste! Deixou espaço e vão colocar o problema na sua gestão.


Vão afirmar que foi incapaz, que desaprendeu e que o zé da esquina, sem conhecimento algum, deu-lhe lição de gestão como nenhum outro. Foi sempre assim com os administradores que passaram por lá, famosos rotulados quando apresentados, mas que perderam a fama justamente no Hospital de Gaspar. E depois de passarem por ele, viram cadáveres.

Os pobres não têm atendimento nos postinhos, policlínica e farmácia básica. Reclamam. E o Hospital, apesar da dinheirama dos pesados impostos dos gasparenses que se derrama lá, está "pobre", endividado, mas todos que ser servem dele, estão bem, obrigado. Há décadas. Afinal quem é o dono do hospital a quem os gasparenses sustentam? Por que os políticos do PT, PMDB, PP que administraram e administram o Hospital, escondem isso da população e se sujeitam até a perder votos com essa situação estranha e incontrolável? Acorda, Gaspar!

 

Edição 1849 - Segunda-feira

Comentários

Herculano
02/05/2018 08:18
DAQUI A POUCO, COLUNA OLHANDO A MARÉ INÉDITA
Herculano
01/05/2018 20:45
SEM-TETO RESISTIRAM À INICIATIVA DE DESOCUPAÇÃO DO EDIFÍCIO

Conteúdo de O Antagonista. Fernando Chucre, secretário de Habitação, contou à imprensa que a Prefeitura e o governo federal estavam em tratativas para remoção pacífica das famílias.

Mas o processo foi prejudicado pelos invasores, que impediam a entrada dos funcionários.

O acesso só foi possível após negociação com um "grupo de mediação de conflito" que atua na defesa dos sem-teto.

Defesa dos sem-teto, francamente.
Herculano
01/05/2018 20:41
FALTA UMA CRIANÇA NO TIME QUE ASSESSORA TEMER, por Josias de Souza

Michel Temer sabe que um governante não deve brincar com a impopularidade. Quando Dilma Rousseff balançava no trono, ele declarou: "Ninguém vai resistir três anos e meio com esse índice baixo" de 7% de aprovação. Hoje, aprovado por apenas 6% da população, Temer vive trancado numa bolha de fantasia. Divide a bolha com o marqueteiro Elsinho Mouco, os amigos Moreira Franco e Eliseu Padilha, além de meia dúzia de áulicos. Juntos, desligaram-se da realidade.

Um presidente a oito meses do fim do mandato, com a imagem estilhaçada, às voltas com o derretimento de sua base parlamentar, sentindo o hálito quente da Polícia Federal na nuca... um presidente assim fabrica vexames a partir do nada. Costuma-se dizer que errar é humano. Mas escolher o erro, planejar o erro, discutir o erro minuciosamente com a equipe antes de cometê-lo, só mesmo Temer.

Na semana passada, a turma da bolha aconselhara Temer a sair do gabinete. Ele deveria circular, viajar mais, ver e ser visto. Neste 1º de Maio, de folga em São Paulo, o presidente foi aconselhado a exibir seu instinto de solidariedade para os desabrigados do prédio que desabou em chamas no centro de São Paulo. Tudo deu errado. A hostilidade, os xingamentos, os gritos de "golpista", os tapas na lataria do carro oficial? Tudo.

Amplificado no noticiário, o vexame sobreviverá nas redes sociais como um aviso sobre os perigos a que estão submetidos os habitantes do país da bolha. Temer talvez devesse aproveitar a ocasião para incorporar uma criancinha à sua equipe de assessores ?"alguém com mais de cinco anos e menos de dez, com lucidez suficiente para identificar a diferença entre fantasia e realidade.

Sempre que a realidade deixasse de existir, restando apenas a fantasia, a criancinha arrastaria o presidente de volta para o mundo real. Se Temer tivesse consultado Michelzinho sobre a ideia de levar sua impopularidade para passear no centro de São Paulo, o menino decerto perguntaria: "Ficou maluco, papai?"

E os apologistas de Temer, contaminados pelo discernimento de uma criancinha, concluiriam que é melhor o presidente permanecer na bolha. Não resolve o problema da impopularidade. Ao contrário, pode até agravá-lo. Mas facilita a vida dos seguranças.
Herculano
01/05/2018 20:38
UM DIA DE TRABALHO DE FACHIN

Conteúdo de O Antagonista. Edson Fachin indeferiu ontem os habeas corpus do ex-deputado do PMDB Henrique Alves e do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, que estão presos, e do doleiro do PP Enivaldo Quadrado, que tenta evitar prisão iminente.

Segundo O Globo, o ministro também negou pedido do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, que tentava paralisar outro de seus processos que estão com Sérgio Moro.

No mesmo dia, o relator rejeitou pedido do senador Humberto Costa para parar inquérito que corre no STF.

Hoje é feriado, Fachin!
Maria de Fátima Albino
01/05/2018 20:01
Sr. Herculano

Às 15:30hs - TEMER É HOSTILISADO;

Concordo! Onde ele foi se meter! Lá está cheio de sem-tetos profissionais, cria do Boulos, fãs do alambique, desordeiros que só emporcalham a cidade. Nunca deveria ter pisado por lá mesmo que foram os próprios que o elegeram.
Parecem os assessores do Prefeito Kleber, sempre colocando-o numa fria.

Temer, demita todos eles.
Paty Farias
01/05/2018 15:43
Oi, Herculano

É ou não é digno de gargalhar?

"Foram fracassos rotundos os atos públicos das centrais sindicais.

Não apenas porque ignoraram o Dia do Trabalho para endeusarem o réu condenado e preso por corrupção Lula da Silva.

É que faltou dinheiro para bancar sanduíches de mortadela.

O dinheiro do imposto sindical parou de pingar fácil e as burras fartas dos cofres públicas fecharam depois da Lava Jato.

Em Porto Alegre, o ânimo que já era frio, esfriou ainda mais com a baixa temperatura e as chuvas persistentes."
Do Blog do Políbio.

O picareta está na cadeia recolhido como ladrão comum e o cotidiano modorrento dos bundalelê está com os dias contados, ACABOU A FARRA!
Herculano
01/05/2018 15:30
TEMER É HOSPITALIZADO E DEIXA ÀS PRESSAS LOCAL DE DESABAMENTO EM SP

?O presidente Michel Temer (MDB) foi ao largo do Paissandu, no centro de São Paulo, onde um prédio ocupado por movimento de sem-teto desabou nesta terça-feira (1º). Hostilizado, deixou o local rapidamente.

O carro em que estava o presidente foi chutado e atingido por objetos arremessados por moradores. Ele deixou o local às pressas. "Não poderia deixar de vir, sem embargo dessas manifestações, afinal estava em São Paulo e ficaria muito mal não comparecer", disse Temer, sob gritos de golpista.

Segundo o presidente, as cerca de 150 famílias que moravam no prédio receberão ajuda ."Serão tomadas providências para dar assistência não só àqueles que perderam seus entes queridos mas também a quem perdeu sua residência", afirmou ele, que ficou cerca de cinco minutos no local.

Na saída dos dois carros da comitiva do presidente, uma jornalista chegou ser prensada entre os veículos. Ela, porém, não se machucou.

Ainda durante a madrugada, o governador de São Paulo, Márcio França (PSB), foi ao local e disse que as famílias desabrigadas serão cadastradas e levadas para abrigos, e que também poderão se candidatar a receber aluguel social para procurarem um novo lugar para viver.

Ele também chamou o caso de "tragédia anunciada".

"Não tem a menor condição de morar lá dentro. As pessoas habitam ali, desesperadas. Volto a repetir que essa era uma tragédia anunciada", continuou.

De acordo com o governador, são pelo menos 150 imóveis ocupados irregularmente no centro de São Paulo, a maioria deles de particulares.

França também citou dificuldade em desocupar prédios por conta de liminares.
Herculano
01/05/2018 15:25
PARA NÃO ESQUECER ESSE DOMINGO. FóRMULA-1 FAZ HOMNAGEM EM ANIVERSÁRIO DE MORTE DE AYRTON SENNA

A Fórmula-1 fez referência, nesta terça-feira (1), ao aniversário de morte de Ayrton Senna. Há exatos 24 anos, o lendário piloto brasileiro morreu depois de um acidente em Ímola, durante o GP de San Marino.

Por seu Twitter oficial, a categoria postou uma foto em preto e branco de Senna e a hashtag "Senna Sempre", além de uma bandeira do Brasil.

Ayrton Senna morreu aos 34 anos. Ele pilotou na Fórmula-1 de 1984 a 1994, pelas equipes Toleman, Lotus, McLaren e Williams. O brasileiro foi campeão em 1988, 1990 e 1991.
Ana Amélia que não é Lemos
01/05/2018 14:55
Sr. Herculano

Já não era sem tempo de pegarem Gleisi Hoffmann. Prossegue a limpeza mesmo sem a celeridade que desejamos.
Periquito Arrepiado
01/05/2018 14:45
Oi, Herculano

Que maravilha!!!! enfim vão pegar a prima da Mariluci LuLLa da Rosa, a Creizi ?"fmam, alpinista social do partido quadrilha conhecida no meio da escória vermelha como a "Amante".
#VergonhaAlheia
Mariazinha Beata
01/05/2018 14:04
Seu Herculano;

O vereador Rui queria porque queria homenagear o seu Dario trocando o nome do Bairro Belchior Alto.
Agora ele tem uma oportunidade de ouro.
No imóvel dele (com ares de barzinho) tem duas águias no portão de entrada, é só colocar uma faixa sendo segurada por elas de bico a bico com o nome completo do cidadão a ser homenageado.
Bye, bye!
Herculano
01/05/2018 13:33
De JR Guzzo, de Veja, no Twitter

O Estado brasileiro é incapaz de ser proprietário de imóveis. Não sabe usar, nem conservar, nem vender e nem trancar a porta. O ex-prédio da PF que acaba de desabar em São Paulo estava em desuso há 17 anos, ninguém quis comprar e acabou invadido. A conta será paga por você.
Anônimo disse:
01/05/2018 13:10
JUSTIÇA AJUDA ESTUPRADOR A VOTAR, MAS NÃO A VÍTIMA, por Cláudio Humberto

Herculano, isso acontece porque o Brasil não tem lei específica. Cada um faz a sua lei, cada um interpreta como pode e ainda tem o "jeitinho" brasileiro que empurra com a barriga o quanto pode.
Por exemplo; Os ficais do Governo Kleber WanDall PMDB/ Lu Spengler PP, já levantaram o traseiro da cadeira e foram verificar qual o imóvel no bairro Barracão que comete crime ambiental queimando resíduo têxtil de uma facção?
Não, né? Mas tem um pé no saco tipo, Lula, Pizzolati, Maluf, Ciro Nogueira ... do Partido Podre que vem aqui defender o partido como se fosse Partido Puro, sai encosto!!!
Sujiru Fuji
01/05/2018 12:56
Lula, Gleise e Paulo Bernardo tem que devolver R$140 milhões?
É dinheiro, tu!!Mas daria uma boa estoriesta:

O comedor, a puta e o corno.
Erva Doce
01/05/2018 12:27
Oi, Herculano,

Pinçando frase de Ricardo Noblat:

"Não tem envergadura política para ser o que é, senadora e presidente de partido."

Não é só eLLa, todo petista não tem envergadura para nada que é ético!
Belchior do Meio
01/05/2018 12:22
Miguel José Teixeira, não posso ter um dia feliz porque o feriado para nossa rua foi sem água na rede. GESTÃO PP.

E falando em macaco, tem um pato no Belchior que fez a vereadora anã noticiar que iria fazer manutenção nas ruas do nosso bairro.
AH! Me esqueci que a minha rua não tem importância. GESTÃO PMDB.

Miguel José Teixeir
01/05/2018 10:22
Senhores,

Feliz "Dia do Trabalhador"!

Hoje, o maior "trabaiadô que o Brasil já teve pronunciou uma verdade:

"Gatilho foi preparado pelas forças que disseminam o ódio", diz Lula... "

Para nós que conhecemos o "modus operandi" da corja vermelha, cuja RÉpresentante pediu ajuda aos terroristas para libertar o corruPTo-mor, concordamos plenamente. . .


E sobre a frase do Noblat, replicada abaixo,vale a pena complementar:

. . .e soube muito bem usar seus dotes femininos. . .
Herculano
01/05/2018 08:27
MORO PEDE ESCLARECIMENTOS SOBRE GANHOS DE EMPRESA DE LULA

Conteúdo do jornal O Globo. Texto de Cleide Carvalho, da sucursal de São Paulo. Nesta segunda-feira, o juiz Sergio Moro determinou que a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva demonstre a origem lícita dos recursos que ele mantém em fundos de previdência. Em despacho nesta segunda-feira, o juiz diz que a defesa atribuiu os valores - R$ 7,1 milhões em plano de previdência empresarial e R$ 1,8 milhão em plano de previdência individual - a ganhos da empresa de Lula "sem esclarecer a origem remota, o que seria oportuno".

Moro pediu explicações depois que Lula solicitou liberação de recursos bloqueados para que possa pagar os gastos relativos às suas despesas com a defesa em oito ações penais em curso na Justiça Federal de Curitiba e do Distrito Federal.

A empresa de Lula é a LILS Palestras, que, entre 2011 e 2014, recebeu R$ 9,5 milhões de empreiteiras do cartel da Petrobras - Odebrecht (R$ 3 milhões), Andrade Gutierrez (R$ 2,1 milhões), Camargo Corrêa (R$ 2 milhões), Queiroz Galvão (R$ 1,2 milhão) e OAS (R$ 1,1 milhão).

Os pagamentos feitos pelas empreiteiras à LILS Palestras e as doações ao Instituto Lula são alvo de investigações da força-tarefa da Lava-Jato

Entre 2011 e 2014, o Instituto Lula recebeu R$ 15,1 milhões doados por quatro empreiteiras - Camargo Corrêa (R$ 4,7 milhões), Odebrecht (R$ 4,6 milhões), Queiroz Galvão (R$ 3 milhões), OAS (R$ 2,7 milhões) - e R$ 2,5 milhões do grupo J&F.

Alexandrino Alencar, executivo do Grupo Odebrecht, afirmou que o primeiro objetivo da empresa foi conseguir "um projeto que pudesses remunerar o ex-presidente Lula face ao que ele fez durante muitos anos para o grupo", de forma lícita a transparente. Segundo ele, o valor de US$ 200 mil foi estabelecido com base na quantia cobrada pelo ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton.

Alencar disse que essa prática é comum e que, com o andamento das palestras, a empreiteira percebeu que a presença de Lula abria oportunidade de negócios para empresários brasileiros fora do Brasil. Segundo ele, Lula nunca falava da Odebrecht - o que mostrava postura política e não empresarial.

Ele negou que Lula interferisse por negócios da Odebrecht ao visitar mandatários de outros países.

Por decisão da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal, as delações da Odebrecht foram retiradas do juiz Sergio Moro por não terem vínculo direto com a Petrobras. Além dos fundos de previdência, foram bloqueados também R$ 606 milhões em contas bancárias do ex-presidente. A ação da 1ª Vara de Execução Fiscal de São Paulo determinou bloqueio de R$ 1,280 milhão de contas da LILS e R$ 24,1 mil do Instituto Lula.

A defesa de Lula pediu ainda a liberação de 50% dos valores, que pertencem à meação com dona Marisa Letícia, que faleceu no ano passado. Moro determinou que o espólio ingresse com embargos para demonstrar o direito dela sobre os bens bloqueados. Nos imóveis bloqueados Moro já havia ressalvado que o bloqueio valia apenas para 50% do valor.

Os bens de Lula foram também bloqueados, em março passado, pela 1ª Vara de Execuções Fiscais da Justiça Federal de São Paulo.
Herculano
01/05/2018 08:18
De Ricardo Noblat, no Twitter

Sejamos claros: Gleisi Hoffmann não passa de uma alpinista social que aproveitou as chances oferecidas pela vida, e sempre à sombra do PT. Não tem envergadura política para ser o que é, senadora e presidente de partido. Seu mérito foi saber escolher bons padrinhos.
Herculano
01/05/2018 08:11
JUSTIÇA AJUDA ESTUPRADOR A VOTAR, MAS NÃO A VÍTIMA, por Cláudio Humberto, na coluna que publicou hoje nos jornais brasileiros

A Justiça Eleitoral não age para que a vítima de estupro ou outra violência sexual que esteja hospitalizada no dia da eleição, mas garante urna eleitoral na prisão para que seu estuprador não deixe de exercer o direito ao voto. Quem chama a atenção para esse absurdo é o desembargador Fábio Prieto, do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, que propõe uma Resolução para corrigir esse desequilíbrio.

VÍTIMA PUNIDA
O Estado não tem qualquer condescendência com a vítima de estupro hospitalizada: se não votar, está sujeita à penalidades previstas em lei.

A LEI PREVÊ
O artigo 136 do Código Eleitoral prevê instalação de seções eleitorais em "vilas, povoados e estabelecimentos de internação coletiva".

CONSULTA E RESOLUÇÃO
O TRE do Ceará indagou ao Tribunal Superior Eleitoral em 1999 se urnas devem ser disponibilizadas em prisões. O TSE autorizou.

A LEI DESEQUILIBRA
A suspensão dos direitos políticos, inclusive ao voto, só acontece após o trânsito em julgado de uma ação. Presos provisórios podem votar.

MILITARES APRESENTAM CANDIDATOS EM 23 ESTADOS
Os militares e seus apoiadores divulgam um levantamento indicando que em 23 dos 27 Estados brasileiros há militares da reserva que serão candidatos em outubro, à exceção do Amapá, Bahia, Mato Grosso do Sul e Rondônia. No total, são 52 candidatos aos mais diversos cargos. Nas redes sociais, há um misto de admiração e temor. Bobagem. Têm o direito de disputar o poder pelo voto. Só não têm direito a golpe.

CANDIDATO AO GOVERNO
São candidatos a governador Coronel Ulisses (AC), general Paulo Chagas (DF), coronel Monteiro (MA) e coronel Eliéser M. Filho (RN).

MAL NAS PESQUISAS
Ao contrário do capitão Jair Bolsonaro, bem situado para presidente, os militares candidatos a cargos majoritários estão mal nas pesquisas.

LEVANTAMENTO
A lista de candidatos militares em todo o Brasil foi organizada pelo general da reserva Roberto Peternelli para o jornal O Povo.

FAZENDO VERGONHA
Alunos que invadiram a reitoria da Universidade de Brasília acabaram o protesto sem mostrar a cara, em tempos de democracia. E cobriram de vergonha os pais e avós, que deram a cara contra a ditadura.

PRAZO PRA QUÊ?
Acabou ontem, dia 30, o prazo para os partidos prestarem contas dos R$800 milhões do fundo partidário de 2017. Sem estresse: somente na semana passada foram punidos por irregularidades datadas de... 2012.

Só AGORA MUDOU
A MP 811/2017 deve ser votada esta semana e permite que a parte da União na exploração do Pré-sal seja comercializada diretamente. Isso quer dizer que finalmente a União poderá receber o valor em dinheiro equivalente à quantidade de petróleo que lhe cabe na partilha.

SEM CHAMAR ATENÇÃO
O senador Álvaro Dias (Pode-PR) gravou nesta segunda-feira (30), véspera de feriado, um vídeo na Praça dos Três Poderes, em Brasília, com direito a imagens com drones. Não foi perturbado ou interrompido.

ELE SE MEXEU
O pré-candidato tucano a presidente, Geraldo Alckmin, resolveu se mexer. Após muita insistência de empresários locais, vai a São Luís encontra-los. Passará menos de vinte horas no Maranhão.

PÃO DE QUEIJO É INOCENTE
O que o carro oficial de senador, placa 29, fazia sábado por volta do meio-dia, na comercial da 106 sul, em Brasília, na porta da loja "Biscoitos mineiros"? Não era para checar a crise do pão de queijo.

AH, BOM
Por sua assessoria, o deputado Rubens Pereira Jr (PCdoB-MA) diz que são "lícitos" os pagamentos de R$614 mil da verba de divulgação a um jornal de poesias de Ceilândia (DF), a 2 mil km do seu Estado.

VANTAGEM DA PRIVATIZAÇÃO
Apesar da privatização da Eletrobrás, o governo brasileiro pretende vender apenas parte do capital da empresa estatal: o Brasil deve manter entre 40% e 49% das ações, que serão muito valorizadas.

PENSANDO BEM...
...hoje é o Dia do Trabalho, mas bem que poderia ser o Dia do Emprego, ainda em falta para mais de 13 milhões de brasileiros.
Herculano
01/05/2018 07:53
MINISTROS VÃO RETALIAR MPF DANDO PODER À PF

Conteúdo da Coluna Estadão (por Andreza Matais) no jornal O Estado de S. Paulo. Um dos argumentos que será usado por ministros do STF para defender que a Polícia Federal faça delação premiada é que a medida enfraquece o poder do Ministério Público, detentor da prerrogativa. O tema, que deve ser pautado em breve pela ministra Cármen Lúcia, começou a ser julgado em dezembro passado, mas foi adiado porque os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski estavam ausentes. Na ocasião, a maioria votou a favor das polícias firmarem acordos de colaboração, mas divergiram sobre o aval do MP para a homologação.

Novo delator.
A discussão voltou aos holofotes depois de o ex-ministro Antônio Palocci fechar um acordo com a PF, sem a participação dos procuradores.

Sem abusos.
Entre os acordos do MPF mais polêmicos está o que garantia o perdão judicial ao empresário Joesley Batista, dono da JBS, e que foi revogado meses depois de concedido pelo então procurador-geral, Rodrigo Janot.

Base convocada.
O governo mobiliza uma força-tarefa para convencer parlamentares a marcar presença na sessão do Congresso, na quarta, para aprovar a inclusão no Orçamento de R$ 1,3 bilhão necessário ao fundo garantidor de exportações para pagar financiamentos do BNDES e do Credit Suisse.

Vira o disco.
O Planalto vai usar o antigo discurso de que a "culpa é do governo anterior" para tentar vencer a resistência de deputados e senadores em aprovar a medida que vai cobrir o calote da Venezuela e de Moçambique.

Muy amigos.
Por falar em Venezuela, o empresário Joesley Batista tem uma bandeira do país na sala da casa dele, em São Paulo.

Não tá fácil.
O ex-ministro Joaquim Barbosa nem sequer bateu o martelo se será o candidato do PSB ao Planalto e já tem se estranhado com pessebistas. A aliados, o secretário-geral da sigla, Renato Casagrande, confidenciou estar "difícil a relação" com Barbosa.

Puxadora de voto.
A Rede, de Marina Silva, tenta convencer Eliana Calmon a ser candidata a deputada federal na Bahia. Em 2014, ela disputou o Senado pelo PSB, mas não se elegeu.

Língua afiada.
Em sessão de março do Conselho Superior do MPF, a subprocuradora Lindôra Araújo não poupou críticas ao corregedor nacional Orlando Rochadel, que ela chamou de "esse senhor".

Polêmica.
Lindôra afirmou que Rochadel "levou muita gente" e gastou R$ 400 mil em uma correição realizada no Amazonas. "Até foto em barco tirou." Na reunião seguinte, porém, a conselheira pediu desculpas pela acusação.
Herculano
01/05/2018 07:45
PROCURADORIA DENUNCIA LULA, GLEISI, PALOCCI E ODEBRECHT NA LAVA JATO

Conteúdo do jornal Folha de S. Paulo, sucursal de Brasília. A procuradora-geral, Raquel Dodge, denunciou, nesta segunda-feira (30), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), os ex-ministros Antônio Palocci e Paulo Bernardo e o empresário Marcelo Odebrecht, sob acusação de corrupção e lavagem de dinheiro.

A denúncia foi apresentada em decorrência do acordo de delação premiada dos executivos da Odebrecht.

O ex-chefe de gabinete da parlamentar, Leones Dall'Agnol, também foi denunciado.

De acordo com Dodge, a Odebrecht prometeu em 2010 ao ex-presidente Lula um valor de R$ 64 milhões (US$ 40 milhões) em propina, que teria sido doação eleitoral em troca de benefícios para a empresa.

As investigações, de acordo com nota publicada pela PGR (Procuradoria-Geral da República), revelaram que o dinheiro da empreiteira ficou à disposição do PT e foi utilizado, por exemplo, na disputa de Gleisi ao governo do Paraná em 2014.

A procuradora-geral afirma na denúncia que os depoimentos dos delatores foram corroborados por documentos apreendidos por ordem judicial, como planilhas e mensagens, além de quebras de sigilo.

"Ressalte-se que até o transportador das vantagens indevidas foi identificado", resume um dos trechos do documento, que foi encaminhado nesta segunda ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin, relator da Lava Jato.

Dodge aponta que como contrapartida à doação recebida, o PT, no governo na época, aumentou a linha de crédito do BNDES para a Angola, medida que foi referendada, em junho de 2010, pelo Conselho de Ministros da Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão que tinha Paulo Bernardo entre os integrantes. A Odebrecht conseguiu do governo angolano, como exportadora de serviços, parte dos valores de financiamentos liberados pelo banco.

A procuradora-geral diz na denúncia que a senadora e Paulo Bernardo aceitaram, em 2014, receber por meio de caixa dois cerca de R$ 5 milhões, destinados à eleição, e que foi o então chefe de gabinete de Gleisi quem se encarregou da entrega do dinheiro.

"Dos R$ 5 milhões, Gleisi Hoffmann, Paulo Bernardo e Leones Dall'Agnol comprovadamente receberam, em parte por interpostas pessoas, pelo menos R$ 3 milhões em oito pagamentos de R$ 500 mil cada, a título de vantagem indevida, entre outubro e novembro de 2014", consta do documento.

Além disso, com o objetivo de esconder o esquema, ainda de acordo com a PGR, a petista teria declarado à Justiça despesas inexistentes no valor de R$ 1,8 milhão. Os pagamentos, na verdade, teriam configurado uma dissimulação, o que seria a lavagem do dinheiro.

DENÚNCIA
Na denúncia, a PGR pede a condenação de Lula, dos ex-ministros e do chefe de gabinete da senadora por corrupção passiva e de Marcelo Odebrecht, por corrupção ativa.

No caso de Gleisi Hoffmann, além da corrupção ativa, a denúncia inclui lavagem de dinheiro. Dodge requer ainda que Lula, Paulo Bernardo e Palocci paguem US$ 40 milhões e outros R$ 10 milhões a título de reparação de danos, material e moral coletivo.

OUTRO LADO
Em nota, o PT disse que a denúncia é irresponsável e "vem no momento em que o ex-presidente Lula, mesmo preso ilegalmente, lidera todas as pesquisas".

Afirma que "mais uma vez a Procuradoria-Geral da República atua de maneira irresponsável, formalizando denúncias sem provas a partir de delações negociadas com criminosos em troca de benefícios penais e financeiros".

Segundo o partido, foram criminalizadas ações de governo, "citando fatos sem o menor relacionamento, de forma a atingir o PT e seus dirigentes".

"Além de falsas, as acusações são incongruentes, pois tentam ligar decisões de 2010 a uma campanha eleitoral da senadora Gleisi Hofmann em 2014", diz o comunicado.

A defesa de Palocci afirmou que só se manifestará sobre a acusação após estudar o conteúdo da denúncia. A defesa de Lula também disse que irá "analisar a denúncia da PGR e se pronunciar oportunamente".
Herculano
01/05/2018 07:39
PT JÁ NÃO PRECISA DE AUTOCRÍTICA, MAS DE AUTóPSIA, por Josias de Souza

O grande problema das autocríticas é que elas sempre chegam tarde. No caso do Partido dos Trabalhadores, a demora foi tão grande que a providência tornou-se desnecessária. Ao reagir contra a mais nova denúncia da procuradora-geral Raquel Dodge, o PT deixou claro que seu caso não é mais de autoanálise, mas de autópsia.

Dodge acusou de corrupção e lavagem de dinheiro Lula, a presidente do PT Gleisi Hoffmann, os ex-ministros petistas Antonio Palocci e Paulo Bernardo, o empreiteiro Marcelo Odebrecht e um um ex-assessor de Gleisi: Leones Dall'Agnol. De acordo com a denúncia, a Odebrecht trocou vantagens empresariais por propinas. Coisa de US$ 40 milhões. Ou R$ 64 milhões, em moeda nacional. Parte da verba foi passada a sujo em campanhas eleitorais, entre elas a de Gleisi.

A Executiva nacional do PT soltou uma nota. O conteúdo não é original. Um redator qualquer limitou-se a apertar o botão da perseguição política. E a resposta fluiu: "Mais uma vez a Procuradoria Geral da República, de maneira irresponsável, formaliza denúncias sem provas a partir de delações negociadas com criminosos em troca de benefícios penais e financeiros. [...] Mais uma vez o Ministério Público tenta criminalizar ações de governo citando fatos sem conexão e de forma a atingir o PT e seus dirigentes."

A nota reforça a sensação de que os petistas dividiram-se em três grupos: há os presos, os que aguardam na fila e os que se comportam à maneira do avestruz, enfiando a cabeça no silêncio. E a Executiva mantém o PT no seu labirinto: "A denúncia irresponsável da Procuradoria vem no momento em que o ex-presidente Lula, mesmo preso ilegalmente, lidera todas as pesquisas para ser eleito o próximo presidente pela vontade do povo brasileiro."

Mais um pouco e até a autópsia será desnecessária. Bastará emitir o atestado de óbito, anotando no espaço dedicado à causa mortis: "Cinismo crônico."
Herculano
01/05/2018 07:27
COM CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA, POUCO IMPORTA QUE BC TENHA REDUZIDO OS JUROS, por Benjamin Steinbruch, empresário, diretor-presidente da CSN

Coincidência e sorte me levam a escrever neste espaço no feriado do Dia do Trabalho. Digo isso porque não há nos dias atuais, de rápidas e aflitivas mudanças tecnológicas, problema mais angustiante do que a falta de emprego e trabalho.

Cada vez mais, a inteligência artificial vai substituindo a mão de obra humana. Ocorre que os robôs, diferentemente dos humanos, ajudam a aumentar a produtividade, mas não pagam Imposto de Renda, contribuição previdenciária e outras taxas e impostos que convencionamos chamar de encargos trabalhistas.

Há dias, li um articulista sugerindo que, em breve, os governos terão de optar pela taxação dos robôs.
Sem dúvida, ideias como essa surgem porque as novas tecnologias efetivamente já desempregam milhões de pessoas por ano em todo o mundo. Aqui no Brasil, porém, por mais que esses avanços também estejam presentes, ainda não podemos culpar os robôs pelos nossos problemas. Somos nós, os humanos, os maiores culpados.

Os números são reveladores. Em 2015, o país perdeu 1,3 milhão de postos de trabalho formal. Em 2016, mais 1,5 milhão, e, em 2017, finalmente, o quadro mudou e houve só uma pequena perda, de 21 mil vagas.

Lá fora, nas economias desenvolvidas, mesmo com o avanço das tecnologias, a tendência não foi essa. Há crescimento econômico e de emprego. A economia global cresceu 3,1% em 2016, 3,8% em 2017 e deve crescer mais de 3,9% em 2018.

É óbvio, portanto, que o país está na situação atual em razão da nossa incompetência e, até mesmo, da nossa arrogância ideológica. O novo consenso na área econômica, que muitos custaram a admitir, indica que a tênue recuperação esboçada em 2017 está sendo sufocada por algo que a Folha chamou, em editorial, de "anomalia dos juros bancários, sem paralelo no mundo civilizado".

O óbvio está sendo, finalmente, reconhecido. Há uma concentração bancária perversa. Os quatro maiores bancos respondem por 78,5% do crédito concedido ?"dez anos atrás, essa proporção era de 55%.

Com esse poder, pouco importa que o BC tenha reduzido sua taxa básica pela metade, para 6,5% ao ano, em um ano e meio. É ocioso enumerar as estarrecedoras taxas de juros cobradas nas operações de crédito, que atingem nível absurdo de 325% ao ano para os cheques especiais.

Não há como justificar esses desatinos, nem pela inadimplência, que está em queda, nem pelos impostos e nem pelos compulsórios bancários. O que se vê é a manutenção em nível elevado do spread, que é a diferença entre o que os bancos pagam para captar recursos e o que cobram em seus empréstimos. Na prática, a margem de lucro.

O país precisa fazer sua lição de casa se quiser derrotar esse que passou a ser o inimigo número um da recuperação da economia e do emprego. Tramita na Câmara o projeto de lei que aperfeiçoa o cadastro positivo de pessoas e empresas. Sua aprovação é necessária, pois vai criar uma lista de bons pagadores, estimular a concorrência pela conquista desses clientes e, com isso, reduzir os juros cobrados. Isso vai incentivar a entrada de novos competidores no mercado de crédito, entre eles as fintechs, que usam novas tecnologias e foram regulamentadas na semana passada pelo BC.

Sem conseguir fazer, por razões políticas, as reformas necessárias, principalmente a da Previdência, o país precisa crescer para elevar as receitas e ter um fôlego fiscal que permita a rearticulação do setor público após as eleições.

O crédito com custos civilizados para consumo, capital de giro e investimento é o instrumento que vai permitir essa travessia.
Herculano
01/05/2018 07:22
HOJE FOI O DIA DAS EXPLICAÇÕES DESONESTAS, por Percival Puggina, artigo publicado em 30.04.2018


Num mesmo dia, duas do mesmo calibre.

Na primeira, o Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul comunica à opinião pública que seu presidente, ao enxotar um coleta repórter da Rede Record do local onde se realiza a vigília pela libertação de Lula, agiu em proteção ao colega. Isso depois de posar como autoridade do local, de dizer que a imprensa brasileira era toda golpista e que o jornalista, por ser contra o movimento, deveria ir ficar junto da polícia. Ou seja, para o Sindjors o errado, ali, era o repórter da Record...

Na segunda, o Instituto Goethe de Porto Alegre se manifesta sobre certa obra exibida na mostra "Pixo/Grafite: Realidades Paralelas". Uma das peças, de autoria de certo Rafael Augustaitiz, apresenta uma cabeça decapitada de Jesus, com olhar demoníaco, exibida em bandeja. O autor é identificado como satanista. A obra causou revolta por se tratar de óbvio vilipêndio religioso, que não encontra abrigo suficiente no apelido de "trabalho artístico".

Pois bem, o Instituto Goethe, diante da reação das pessoas, veio a público declarar-se vítima de ódio. Ou seja, para o Instituto Goethe, culpado é quem reclama...

Esse lamentável ciclo em que o país ingressou, virou-o do avesso. Trouxe o baixo ventre para o cérebro de muita gente que sequer percebe o que lhes aconteceu.
Herculano
01/05/2018 07:17
JUSTIÇA ELEITORAL CRIA OBSTÁCULOS AO NOVO, por Joel Pinheiro da Fonseca, economista, para o jornal Folha de S. Paulo

O modelo de partido que não tem funcionado é o único considerado legítimo

Num cenário de saturação com a política, é muito positivo ter opções realmente novas no cenário, partidos sérios como o Novo e a Rede Sustentabilidade, que lutam para crescer sem jogar o jogo do troca-troca e que trazem ideias inéditas.

Uma das novidades do Novo é o processo seletivo para candidatos.

Quem quer se lançar pelo Novo tem que apresentar currículo e passar por rodadas de entrevistas em que são avaliadas coisas como capacidade de gestão, alinhamento ideológico com a legenda e estratégia para a campanha.

Aqueles que passam pelo crivo dos avaliadores vão então para a decisão na convenção partidária. É uma boa maneira de unir escolha política e alguns critérios técnicos, e por isso tem despertado interesse inclusive de partidos e movimentos distantes das ideias do Novo.

O TSE discorda, e por isso rejeitou a alteração no estatuto do Novo que instauraria o processo seletivo ("comissões prévias de seleção de candidato") como regra interna.

Segundo o relator, o ministro Jorge Mussi, o processo seletivo constitui um "grave risco de escolha antidemocrática". A convenção partidária não pode ter sua escolha limitada.

A decisão é ridícula, a começar pelo que ela supõe: que a seleção de candidatos nos partidos tradicionais todos eles de cartas marcadas e decididos por cúpulas - seria mais democrática do que um processo seletivo transparente, que visa justamente dar chance a todos em vez de se restringir a lideranças já estabelecidas.

Pela decisão, o modelo de partido que definitivamente não tem funcionado é o único legítimo.

Ninguém é forçado a integrar um partido; e com 35 deles no Brasil, opção não falta. É positivo que eles utilizem diferentes modelos de gestão e seleção. Cada um se organizando como acha melhor, os prós e contras de cada modelo vêm à tona: talvez uns tenham mais sucesso nas urnas, outros se mantenham coerentes à mensagem no longo prazo, etc.

A concorrência dentro de regras pré-estabelecidas - por exemplo, de total transparência quanto ao uso do fundo partidário - gera aprendizado e progresso.

Mas aqui é o Brasil. Quando a lei vem atrapalhar o que está funcionando, o jeitinho resolve. O TSE proibiu as "comissões prévias" do Novo de vetarem candidatos.

Mas durante a convenção que escolhe os candidatos, o diretório tem a palavra final, podendo aprovar ou rejeitar quem quiser. Todo partido funciona assim. Desse modo, os diretórios do Novo se comprometem a aprovar apenas os candidatos que tenham passado no processo seletivo.

O processo seletivo continuará valendo, só não contará com a segurança dada pela inclusão no estatuto.

O ambiente brasileiro é ruim para quem quer criar algo novo. Assim como um empresário tem que se haver com impostos complicados e regulações estapafúrdias em vez de focar em conseguir clientes, partidos que poderiam estar focados em transmitir sua mensagem e conquistar eleitores e filiados (o que, para o Novo, um partido sem deputados no Congresso, será um grande desafio) têm que ficar a todo momento resolvendo dificuldades burocráticas e jurídicas que o próprio sistema coloca.

Para os interesses encastelados no poder, é ótimo. Um sistema que permita liberdade e concorrência entre diferentes modelos de partido, isso sim nos tornaria mais democráticos.
Sujiru Fuji
30/04/2018 19:56
PERGUNTA DO LEÃO
Preso há mais de duas semanas, Lula conseguiu entregar a tempo a declaração do imposto de renda?
Cláudio Humberto

Lula não precisa fazer, não é dono de nada ...
Herculano
30/04/2018 18:09
da série: falta dinheiro no brasil para o básico dos brasileiros, mas os governos do PT preferiram servir os governos estrangeiros que nos dão calotes que vão ser cobertos pelo Fundo de Garantia dos Trabalhadores

SEGURO-DESEMPREGO COBRIRÁ CALOTE DE MOÇAMBIQUE E VENEZUELA NO BNDES, por Josias de Souza

O governo decidiu remanejar R$ 1,16 bilhão do seguro-desemprego para pagar o calote dado por Venezuela e Moçambique no BNDES. Proposta enviada na última sexta-feira ao Congresso sugere a transferência desse valor para a rubrica orçamentária destinada à "cobertura das garantias prestadas pela União nas operações de seguro de crédito às exportações." (aqui, a íntegra da proposta)

Na origem do calote estão empréstimos concedidos pelo BNDES e bancos privados a países companheiros nos governos do PT. O dinheiro bancou obras tocadas por empresas brasileiras, sobretudo a Odebrecht. Venezuela e Moçambique atrasaram ou deixarão de pagar parcelas do financiamento.

Como a União avalizou as operações, o dinheiro terá de sair do bolso do contribuinte brasileiro. No total, o beiço soma R$ 1,3 bilhão. Mas parte da verba já está disponível no fundo criado para entrar em cena quando os devedores fogem do guichê. Chama-se Fundo Garantidor à Exportação (FGE).

O governo corre contra o relógio. Precisa realizar os pagamentos até terça-feira da semana que vem. Sob pena de o Brasil se tornar, ele próprio, caloteiro perante o sistema financeiro internacional. Para deslocar verba de uma rubrica para outra, o Planalto teve de pedir autorização ao Congresso. Daí a proposta.

Temer pediu pressa aos partidos que lhe dão suporte no Legislativo. Deseja a aprovação do projeto nesta quarta-feira, em sessão conjunta do Congresso, com deputados e senadores. O feriadão criado a propósito do 1º de maio, Dia do Trabalhador, conspira contra a assiduidade dos congressistas.

Em linguagem empolada, a exposição de motivos que acompanha o projeto sustenta que não faltarão verbas para a assistência aos que brasileiros que forem enviados ao olho da rua. Eis o que escreveu o governo:

"Ressalte-se, por oportuno, que a programação objeto de cancelamento não sofrerá prejuízo na sua execução, uma vez que o remanejamento foi decidido com base em projeção de sua possibilidade de dispêndio até o final do presente exercício."

Traduzindo para o português do asfalto: o governo acredita que o dinheiro reservado para os desempregados era excessivo. E confia, com base nas suas projeções, que haverá até o final do ano menos desempregados do que todos imaginavam quando o Orçamento da União para 2018 foi aprovado no Congresso. Comece a rezar.
Herculano
30/04/2018 17:53
O TEMPO E OS FATOS SÃO OS SENHORES DA RAZÃO.

ANA LÚCIA MATESCO, NÃO CUIDA MAIS DA COMUNICAÇÃO DA PREFEITURA DE GASPAR. DUROU POUCOS DIAS. ELA DESCOBRIU QUE QUEM ALI FAZ COMUNICAÇÃO É QUEM NÃO ENTENDE DO ASSUNTO.

QUANDO ELA ENTROU, CANTEI A SUA SAÍDA. PRECISAM DE UM FUNCIONÁRIO PÚBLICO E PAU MANDADO PARA AMPLIAR AS BOBAGENS QUE FAZEM TODOS OS DIAS.

NÃO A CONHECI. MEUS CONTATOS ERAM RAROS. ATÉ PORQUE HAVIA UMA DETERMINAÇÃO OFICIAL - NÃO DO PREFEITO KLEBER EDSON WAN DALL, MDB, MAS DE QUEM MANDA NELE - DE NÃO ME ATENDER, O QUE NÃO IMPEDIU O EXERCÍCIO DO MEU OFICIO, ACORDA, GASPAR!
Herculano
30/04/2018 15:44
AFINAL, O PT E A ESQUERDA DO ATRASO NÃO DEFENDEM QUE A PREVIDÊNCIA NÃO TRAZ ROMBOS PARA AS CONTAS DO GOVERNO?

SE NÃO HOUVER REFORMA, PARA ACABAR COM OS PRIVILÉGIOS DE UMA CASTA DE SERVIDORES, ELES VÃO FICAR SEM NADA PARA RECEBER. E LOGO.

BRASIL TEM ROMBO DE R$ 25 BILHõES NAS CONTAS PÚBLICAS EM MARÇO, PIOR MÊS

No primeiro trimestre, setor público consolidado teve superávit primário de R$ 4,39 bilhões

Conteúdo do jornal Folha de S. Paulo. O setor público consolidado brasileiro registrou déficit primário de R$ 25,135 bilhões em março, recorde para o período, mas dentro do esperado, o que mantém o país no caminho para cumprir a meta fiscal deste ano.

Em pesquisa Reuters com analistas, a expectativa era de déficit primário de R$ 24,8 bilhões. Foi o pior dado para março na série histórica do Banco Central, iniciada em dezembro de 2001.

A performance foi puxada pelo resultado do governo central (governo federal, BC e Previdência), negativo em R$ 25,531 bilhões, divulgou o BC nesta segunda-feira (30). Na semana passada, o Tesouro Nacional já tinha informado que o rombo recorde para o governo central no período foi influenciado pela estratégia do governo de adiantar o pagamento de precatórios.

Por sua vez, os governos regionais (Estados e municípios) tiveram superávit primário ?"economia feita para pagamento da dívida pública?" de R$ 552 milhões em março, enquanto as empresas estatais tiveram déficit de R$ 156 milhões.

No acumulado do primeiro trimestre, o setor público consolidado registrou superávit primário de R$ 4,391 bilhões. No mesmo período de 2017, foi de R$ 2,197 bilhões. Em 12 meses, o déficit primário foi a R$ 108,389 bilhões, equivalente a 1,64% do PIB (Produto Interno Bruto).

Para 2018, a meta é de rombo de R$ 161,3 bilhões, que deverá marcar o quinto resultado seguido no vermelho do país. Como consequência desse descompasso entre receitas e despesas, a dívida pública tem seguido trajetória de alta.

Em março, a dívida pública bruta ficou em 75,3% do PIB, acima do patamar de 75,1% em fevereiro, mas abaixo da projeção de analistas ouvidos pela Reuters de 75,5%.

Já a dívida líquida cresceu a 52,3% do PIB, sobre 52% em fevereiro, ligeiramente abaixo da expectativa de 52,4%.
Herculano
30/04/2018 15:40
O CALOTE DA VENEZUELA NOS POUPOU DE TOFFOLI, por Claudio Dantas, de O Antagonista.

Michel Temer desistiu de sua missão pela Ásia para permitir que o Congresso Nacional vote o remanejamento de verbas do seguro-desemprego, que vai cobrir o calote de R$ 1,3 bilhão de Moçambique e Venezuela ao BNDES.

Em nota divulgada há pouco, a Secretaria de Comunicação da Presidência ressaltou que a ausência de Temer "obrigaria os presidentes da Câmara e do Senado a também deixarem o território nacional simultaneamente". "Isso traria imensos prejuízos a toda a economia brasileira."

Faltou dizer que, na ausência de todos, Cármen Lúcia teria de assumir a presidência da República por dez dias, deixando o comando do STF nas mãos de Dias Toffoli.

Seria permitir que o PT, depois do rombo no BNDES, provocasse outro rombo na Lava Jato.
Herculano
30/04/2018 15:29
SOCIALISMO DO SÉCULO XXI - A REALIDADE VENEZUELANA
por Gaudêncio Lucena.

A Venezuela foi o primeiro país sul-americano a conquistar sua independência da Espanha, em 1813, pelas mãos de Simon Bolívar. Em 1922, descobriu-se a primeira grande jazida de petróleo, na cidade de Zulia. Em seis anos, aquele país já era o segundo maior produtor de petróleo do mundo, atrás apenas dos EUA. Durante a segunda grande guerra, foi o maior fornecedor de óleo bruto aos americanos. Em 1945, produzia mais petróleo que todos os países do Oriente Médio juntos. Em 1950, apresentava o quarto maior PIB per capita do planeta. A Venezuela era duas vezes mais rica que o Chile, quatro vezes mais rica que o Japão e doze vezes mais que a China. Em 1960, junto com Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kuwait, fundou a OPEP. Em 1990, os venezuelanos eram, na média, um povo rico. Contudo, bolsões de miséria ainda persistiam, como de resto em todos os países da América Latina.

Foi aí que, em 1998, surgia um "Salvador da Pátria" que iria acabar com a pobreza do povo: Hugo Chávez. A partir de 1999 e durante os próximos dez anos, os aumentos do preço mundial do petróleo fizeram de Hugo Chávez um homem muito poderoso e multibilionário, que chegou a influenciar diretamente vários países latino-americanos e até mesmo outros continentes, com suas doações de óleo em troca de "serviços" - apoio a sua revolução bolivariana. A PDVSA, estatal do petróleo venezuelana, foi precisamente o instrumento de que Chávez se utilizou para a construção do "seu mundo". Como uma "vaca leiteira", a empresa foi usada com propósitos político-ideológicos, mas também para o luxo e a riqueza do núcleo duro do chavismo.

Em 1999, Chavez e Fidel Castro assinaram um acordo, pelo qual a Venezuela remeteria 53 mil barris de petróleo diários para Cuba, em troca do envio de 12 mil "médicos" cubanos para a Venezuela. Essas remessas de petróleo chegaram a 100 mil barris diários, mais que o consumo de toda a ilha caribenha, sendo que Fidel vendia o excedente para outros países (atualmente há cerca de 60 mil cubanos na Venezuela, controlando desde a segurança do presidente Maduro, até as forças armadas e de inteligência). Chávez entregou aos cubanos toda a emissão de passaportes e demais documentos de identificação. Além disso, deixou de investir dinheiro no seu país, para comprar bilhões de dólares em títulos da dívida de países amigos, como Cuba, Argentina, Bolívia e Equador.

O ditador venezuelano, no seu delírio proto-comunista, estatizou todos os setores da agricultura, que foram relegados ao abandono, assim como fábricas de alimentos, supermercados, redes de rádio e TV. A maioria fechou. O resultado disso foi que, em menos de uma década de chavismo, a proporção de alimentos produzidos na Venezuela caiu mais de 60%. A partir de 2008, a importação de itens básicos, como remédios e alimentos, foi terceirizada para empresas estatais cubanas, como Alimport, CubaControl e Surimport, que cobram altas taxas de intermediação. Mais uma forma de financiar a ditadura cubana. No final de 2013, os preços do petróleo começaram a cair, levando a Venezuela a atrasar seus compromissos internacionais.

A partir de 2014, com a posse de Maduro em função da morte de Chávez, a destruição daquele país se acelerou. A inflação chegou a 700%, e o índice de desabastecimento chega a ser superior a 80%. Em 2017, a inflação chegou a 2.616%, a maior do planeta. Entre 2015 e 2016, 74% da população perdeu 8 quilos ou mais, em função da fome. No final de 2016, 93,3% dos venezuelanos não tinham como cobrir as despesas com alimentação para garantir uma dieta mínima de 2000 calorias. As pessoas passaram a abandonar seus animais de estimação nas ruas, porque não tinham mais como lhes comprar ração. Esses animais passaram a ser caçador e abatidos para servirem de alimento à população faminta. Nem os animais dos zoológicos foram poupados, bem como os famosos pombos que habitavam as centenas de praças chamadas Simon Bolívar em todo o país. Em 2017, a Venezuela teve de aumentar drasticamente sua importação de petróleo, devido ao sucateamento da PDVSA, cuja direção havia sido entregue aos "cumpanhêros" dos sindicatos.

Adivinhem qual é o maior fornecedor de óleo à Venezuela? Sim, o "grande satã" norte-americano. Segundo Ricardo Haussman, da Universidade de Harvard, a tragédia venezuelana eclipsa qualquer outra da história dos Estados Unidos, Europa Ocidental e do resto da América Latina. Isso sem contar que a Venezuela se tornou um narco-estado, sendo a maior exportadora da cocaína das FARC e da Bolívia para os cartéis de drogas mexicanos e do norte da África. Chávez (enquanto vivo), Maduro, Cabello e toda a cúpula militar venezuelana esteve ou está envolvida com o narcotráfico. Em 2015, dois sobrinhos de Maduro foram presos no Haiti por agentes da DEA americana quando tentavam vender 800 kg de cocaína. Essa é uma breve história de como um psicopata criminoso e seus asseclas conseguiram em menos de 20 anos arruinar um dos países mais promissores da América Latina, com sua utopia socialista.

P.S. Todas as informações acima foram retiradas do livro "HUGO CHÁVEZ, O ESPECTRO", do jornalista brasileiro Leonardo Coutinho, cuja leitura eu muito recomendo
Herculano
30/04/2018 13:00
CRESCIMENTO ECONôMICO: HÁ ALGO DE MUITO ERRADO ESCONDIDO NO BRASIL, Adolfo Sachsida

Algo está passando despercebido frente a algumas "boas" notícias relacionadas à economia. Sim, o Brasil saiu da recessão. Sim, o Brasil está crescendo. Contudo, o ritmo do crescimento deveria ser bem mais intenso do que o que está sendo observado.

Vamos supor que a taxa de crescimento de longo prazo do PIB per capita brasileiro esteja ao redor de 1,7% ao ano. Isso implica numa taxa anual de crescimento do PIB ao redor de 2,5%. Em 2014 o PIB cresceu 0,1%, em 2015 caiu 3,8%, em 2016 caiu outros 3,6%, em 2017 cresceu 1%. Em outras palavras, estamos mais de 15% abaixo da trajetória de longo prazo. Num cenário assim, a taxa de crescimento do PIB deveria ser bem mais alta. Notem que número significativo de analistas preveem um crescimento de 2,8% para 2018, e de 3% para 2019. Caso tais valores se confirmem, ao final de 2019 estaríamos ainda abaixo do PIB de 2014, e continuaríamos mais de 15% abaixo de nossa trajetória de longo prazo.

O normal seria a economia brasileira estar se recuperando a taxas bem mais rápidas. Se isso não está ocorrendo é porque algum problema bem sério está sendo desconsiderado nas análises. Será que nossa já baixa taxa de crescimento de longo prazo ficou pior ainda? Será que os desastres microeconômicos da administração petista derrubaram ainda mais nossa já estagnada produtividade? Será que a dívida pública, aliada a nossa péssima situação fiscal, está tendo efeitos deletérios bem mais sérios do que estamos notando?

Tem algo de muito sério acontecendo no subterrâneo de nossa economia que não está recebendo a devida atenção. Em minha opinião, são dois os culpados:

1) o estrago microeconômico das políticas econômicas do PT é bem mais sério do que parece. Tudo leva a crer em severos problemas de má alocação de investimentos (a famosa política de escolha de setores e de campeões levados a cabo pelo BNDES e pelo governo petista). Ao investir em setores pouco capazes de competir (tal como os vultosos investimentos no setor naval ou nas péssimas escolhas de investimentos da Petrobras) não só foram "queimados" importantes recursos, pior que isso: a própria manutenção desse investimento implica em novos e custosos desembolsos. Por exemplo, por pior que tenha sido investir em estádios para a Copa do Mundo, ainda assim foi pior ainda colocar bilhões de reais na Refinaria Abreu e Lima ou no complexo Comperj. Quem poderia imaginar que investir em estádios seria a menos pior das ideias petistas?

2) A delicada situação fiscal da União, estados e municípios pode estar assustando bem mais do que os jornais levam a crer. São vários os problemas que nos levam a ter severas dúvidas sobre a sustentabilidade da trajetória fiscal atual.

Em resumo, o Brasil precisa de grandes reformas macroeconômicas e microeconômicas. Reformas que coloquem nossa trajetória fiscal num patamar aceitável. Nesse sentido, a reforma da previdência é um primeiro passo urgente. Mas muito mais precisa ser feito no lado fiscal: revisão das desonerações tributárias, revisão dos subsídios governamentais, ampla política de privatização e concessões, reforma administrativa, e freio no crescimento constante dos gastos públicos, são objetivos a serem perseguidos. Pelo lado da produtividade, temos que aprovar medidas que recoloquem o Brasil no caminho do crescimento sustentável. Nesse sentido, abrir a economia, modernizar a legislação trabalhista, simplificar a tributação, valorização e proteção efetiva da propriedade privada, reduzir drasticamente a burocracia, diminuir o volume do crédito direcionado, aprovar o cadastro positivo, e várias outras medidas precisam ser urgentemente implementadas em nosso país.
Herculano
30/04/2018 12:54
ALGUNS DOS PIORES RISCOS QUE RONDAM O BRASIL, por Bolívar Lamounier, sociólogo, na revista Isto É

Quase toda semana alguma revista ou jornal do Primeiro Mundo publica reflexões sobre o fim da democracia representativa. Subestimar tais alertas seria tolice, mas permito-me lembrar que eles têm sido feitos desde as primeiras décadas do século 20.

O que não vejo nessas matérias é a indispensável distinção entre democracia e Estado. Democracia é software, Estado é hardware. Ou seja, o termo Estado refere-se à parte fixa, ou, melhor dizendo, à ossatura burocrática que assegura a estabilidade e a regularidade de funcionamento de toda sociedade. Mal comparando, é o esqueleto, a estrutura óssea que sustenta um ser vivo. Mas o que lhe incute a vida é o processo político. Esse é o "programa" que manda a máquina operar no cumprimento de tais ou quais objetivos. O eventual colapso da democracia leva a uma ditadura, o do Estado, a uma situação de anarquia ou desordem generalizada.

No presente momento brasileiro, quase não há ameaças diretas ao regime democrático, pois praticamente todas as forças políticas querem trabalhar dentro dele para tentar atingir seus objetivos particulares. Mas ameaças ao Estado não faltam, e esse é o perigo. Penso ser útil mencionar três tipos de ameaça. A primeira e mais grave é o fato de altas autoridades institucionais se comportarem em flagrante desacordo com suas atribuições. O melhor exemplo é o STF, que em tese é o guardião da ordem constitucional, mas onde diversos ministros parecem mais empenhados em descumpri-la que em mantê-la incólume. Não é segredo para ninguém que alguns ministros trabalham diuturnamente para abortar o combate à corrupção.

O segundo fator é o aumento exponencial da criminalidade violenta, notadamente no nordeste e no Norte, processo estreitamente associado ao narcotráfico, que há tempos controla pontos importantes do território nacional. Por último, mas não menos importante, é o descalabro econômico a que fomos arrastados pelos governos Lula e Dilma. Um Estado deixa praticamente de ser um Estado quando carece de recursos para fazer face aos gastos correntes e à remuneração dos empréstimos que é obrigado a fazer para manter a máquina em andamento. O prognóstico atual é o de que reaveremos essa capacidade em 2021, se não fizermos novas asneiras.
Herculano
30/04/2018 12:40
da série: alguém tem dúvida que o PT prega a democracia, liberdade de expressão e a pluralidade, desde que as notícias, versões, análises e promoção lhes beneficiem unicamente.

PT QUER CENSURAR A TV JUSTIÇA

O PT quer impedir que os julgamentos do STF sejam transmitidos pela TV.

Os golpistas preferem fazer suas porcarias no escuro.

Diz o Estadão:

"Em nova ofensiva contra o Judiciário, o PT tenta emplacar na pauta da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara um projeto que proíbe a TV Justiça de transmitir as sessões do Supremo Tribunal Federal e demais tribunais superiores.

A proposta, do deputado Vicente Cândido, foi apresentada em 2013, mas virou prioridade para o partido depois de a Corte negar HC apresentado contra a prisão de Lula. Petistas avaliam que o resultado poderia ser diferente não fosse a transmissão ao vivo gerar pressão sobre os ministros."
Herculano
30/04/2018 12:26
BOLSONARO VAI QUEBRAR O AGRONEGóCIO?, por Celso Rocha Barros, para o jornal Folha de S. Paulo

Se ele for eleito e brigar com a China para puxar o saco de Trump, acabou, amigos

Em seu esforço para tornar-se o macaco Twelves de Donald Trump, Jair Bolsonaro resolveu xingar os chineses. Reclamou do aumento da participação chinesa na economia brasileira, da venda de estatais brasileiras para capital chinês, e, com o intuito evidente de provocar Pequim, fez um tour pela Ásia em que visitou Taiwan, mas não a China.

A China reivindica Taiwan como parte de seu território, e Taiwan já disputou com Pequim o direito de ser reconhecida internacionalmente como governo legítimo do território chinês.

Até aí, campanha eleitoral é sempre uma chance para os candidatos chamarem de inteligência a burrice de seus eleitores, e os bolsonaristas acreditam nessas palhaçadas de Trump, Olavo de Carvalho, enfim.

O problema é o seguinte: uma parte importante desse mesmo eleitorado bolsonarista não pode se dar ao luxo de brigar com a China.

Olhem as pesquisas: Bolsonaro se sai especialmente bem em áreas em que o agronegócio é forte. Essas mesmas áreas votaram em Aécio Neves em 2014 e têm sido sistematicamente antipetistas nas últimas eleições.

Há algum sentido nesse voto. Se você mora em uma fazenda longe de um centro urbano (e, portanto, de uma delegacia), é bastante natural que apoie candidatos que defendem o direito de portar armas.

O interior do Brasil é mais conservador, culturalmente, do que os grandes centros urbanos. É natural que o discurso agressivo contra os sem-terra tenha boa acolhida junto aos proprietários rurais.

Mas o anticomunismo do agronegócio brasileiro tem um limite claro: a China comunista é um de seus principais fregueses. Grande parte da prosperidade recente da agropecuária brasileira se deve ao fato de que os chineses, sob a liderança de Deng Xiaoping, abraçaram o mercado, modernizaram a economia, e adquiriram novos hábitos, como comer.

Mais de um bilhão de seres humanos apareceu no mercado mundial querendo comprar comida. E nós, no Brasil, temos bastante comida para vender.

Isto é: o agronegócio brasileiro pode se divertir falando mal de comunista pobre - Cuba, Coreia do Norte, Venezuela?" mas não pode sonhar em brigar com os comunistas que estão ficando ricos - os chineses.

Até porque, em termos econômicos, a China não é mais comunista faz tempo: o comunismo só sobrevive no sistema político autoritário. Mas desde quando os bolsonaristas são contra o autoritarismo?

Se Bolsonaro for eleito presidente do Brasil e resolver brigar com a China para puxar o saco de Trump, a China vai retaliar o Brasil aumentando as tarifas sobre os produtos brasileiros. E aí acabou, amigos.

Há vários países no mundo que vendem o que nós vendemos - inclusive aqui na vizinhança. Mas só China e Índia têm mais de um bilhão de consumidores.

A guerra comercial de Trump contra a China já é estúpida, ruim para a economia americana. Mas os Estados Unidos ainda têm chances razoáveis de sobreviver a este surto de estupidez. Nós não teríamos.

Se a China resolver retaliar o Brasil comercialmente, Bolsonaro e seus filhos vão ter que começar a produzir nióbio por cada uma de suas reentrâncias para começar a compensar o efeito dessa catástrofe na economia brasileira. E aí é melhor o pessoal do agronegócio Jair se acostumando a ser pobre.
Herculano
30/04/2018 12:22
MAIA MANTÉM FIM DO FORO NA GAVETA HÁ UM ANO, por Cláudio Humberto, na coluna que publicou hoje nos jornais brasileiros

A proposta de emenda que acaba com o foro privilegiado foi aprovada no Senado e chegou à Câmara em maio de 2017, mas até agora o seu presidente, Rodrigo Maia (DEM), não usou o poder para fazê-lo andar e ser votado. O fim dessa excrescência é uma rara unanimidade nacional. Outra decisão do Senado, que anula a cobrança de malas nas cias. aéreas, também repousa na gaveta de Maia há 16 meses.

O QUE MUDARIA
O projeto aprovado no Senado, de autoria de Álvaro Dias (Pode-PR), limita o foro privilegiado aos presidentes dos três poderes.

NÃO TÁ COMIGO
Nas PECs, os líderes têm 48h para indicar os membros das comissões ou o presidente deverá fazê-lo, mas Maia finge que não é com ele.

NÃO VALE O ESCRITO
O regimento é escrito em português, mas a assessoria de Maia diz que não há prazo para compor comissões: "A praxe é aguardar os líderes".

PRÁTICA É IGNORAR
A praxe é outra: descumprir o regimento, deixando criar uma absurda fila com dezenas de PECs. Há projetos na gaveta há 27 anos.

TCU INVESTIGARÁ MALFEITOS NO SESC E SENAC/MG
Antes de o juiz da 3ª Vara Criminal de Belo Horizonte decretar intervenção e afastar o presidente e quatro diretores da Federação do Comércio de Minas (Fecomércio/MG), a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) havia acolhido voto do ministro Dias Toffoli liberando o Tribunal de Contas da União (TCU) a investigar suspeitas de irregularidades no Sesc e no Senac de mineiros. O presidente da Fecomércio/MG pretendia que o STF proibisse a investigação do TCU.

OLHO NA CNC
Lázaro Gonzaga, afastado da Fecomércio/MG, é do grupo que tenta tomar o controle Confederação Nacional do Comércio (CNC).

ELEIÇÃO ESQUENTA
Gonzaga se juntou a outros líderes de federações do comércio para apoiar a eleição de José Roberto Tadros à CNC, em setembro.

CARRAPATOS S/A
Aliado de Gonzaga, Tadros preside a Fecomércio/AM há 40 anos, e pretende suceder ao atual presidente da CNC, no cargo há 36.

TASSO PRESIDENTE?
Inconformado com a atitude mosca-morta de Geraldo Alckmin, o prefeito de Manaus Arthur Virgílio não esconde sua preferência por outra candidatura para salvar o PSDB de um vexame: Tasso Jereissati.

NÃO HÁ LEI QUE PEGUE
Alckmin foi descortês com o deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), elogiado relator da reforma trabalhista: juntou-se aos que lutam para que a lei não pegue ao prometer "corrigir" suas "imperfeições".

PPP NO AUTóDROMO
A empresa pública Terracap vai tocar a parceria público-privada para reforma e gestão do autódromo de Brasília, passo inicial para garantir a Fórmula 1 a partir de 2021. O consórcio habilitado deve investir R$50 milhões. Não haverá dinheiro público. As obras começam este ano.

PSB BEM PRÉ-ELEIÇÃO
O PSB de Joaquim Barbosa é o partido que mais se deu bem com a desincompatibilização dos governadores: ganhou o comando de dois estados: Rondônia (com Daniel Pereira) e São Paulo (Márcio França).

RENDA EXTRA
Os royalties do petróleo vão garantir a municípios e estados produtores uma receita extra de R$37,51 bilhões, este ano. Aumento de 23,3% em relação a 2017 e mais que o dobro do que foi distribuído em 2016.

MDB E PT NO COTÃO
O MDB do líder Baleia Rossi (SP) é o partido que mais gastou com o "cotão parlamentar" este ano. Até agora foram R$ 6,8 milhões. O PT de Maria do Rosário e Wadih Damous perde por pouco: R$ 6,1 milhões.

MENINA DOS OLHOS
Apesar da má fama, o MDB do presidente Michel Temer deve ser a garota dos olhos, com vistas a aliança, de partidos como o PSDB e até o PT. É o único presente em todos os municípios brasileiros.

CALENDÁRIO ELEITORAL
Começa no próximo dia 5 de julho a campanha interpartidária. É a primeira etapa para a realização da disputa de prévias estaduais e federal que acontecerão entre os dias 20 de julho e 5 de agosto.

PERGUNTA DO LEÃO
Preso há mais de duas semanas, Lula conseguiu entregar a tempo a declaração do imposto de renda?
Herculano
30/04/2018 12:03
CUSTO DE VIDA DA ENVELHESCÊNCIA, por Márcio Dressen, planejadora financeira pessoal, diretora do Planejar, para o jornal Folha de S. Paulo

Longevidade exige planejamento financeiro precoce e apurado

Mario Prata afirma que "a envelhescência é uma preparação para entrar na velhice, assim como a adolescência é uma preparação para a maturidade. Engana-se quem acha que o homem maduro fica velho de repente, assim da noite para o dia. Não. Antes, a envelhescência".

Depois da envelhescência, a velhice. Quando cada fase começa e termina, não importa. Eu, envelhescente de carteirinha, não raramente encontro pessoas mais jovens, com idade inferior à minha, porém mais velhos de corpo, alma e espírito.

Com o passar do tempo, flexibilizamos o conceito de "idoso". Aos 18, achava velho alguém de 30 anos. Aos 30, pensei que o problema eram os tais dos 40. Aos 40, imaginei que os 60 seriam um osso duro de roer. E assim fui completando décadas sem sentir o peso da idade.

Uma coisa é certa, estamos vivendo mais e, portanto, precisaremos de mais dinheiro para bancar essa longevidade. Qual será o seu custo de vida daqui a alguns anos, depois de aposentado?

Há quem afirme que o custo de vida na aposentadoria será inferior ao custo de vida na fase laboral, com redução de 30% nos custos. Na teoria defendida por especialistas, na envelhescência e na velhice viveremos com 70% do orçamento da maturidade.

Duvido e discordo dessa premissa. Acho arriscado contar com essa redução no custo de vida dessa que pode ser a fase mais longa de nossas vidas. Talvez a teoria seja aplicável a países mais desenvolvidos que proporcionam grande e eficiente estrutura aos idosos, em saúde, habitação, ocupação e lazer.

Infelizmente não é o caso no Brasil. Por aqui, muitas vezes acontece exatamente o contrário. Não raro, principalmente nas classes sociais menos favorecidas, filhos e netos dependem da parca renda do idoso aposentado para sobreviver.

Minha mãe é idosa, muito idosa, segundo algumas classificações. Aos 97 anos, diz que a vida melhorou muito! Posso afirmar que o custo de vida dela aumentou bastante.

Para ter qualidade de vida nessa idade, tanto a pessoa idosa quanto os familiares que a cercam, é necessária uma boa infraestrutura de cuidadores e profissionais de saúde que os sistemas público e privado de saúde não oferecem. Haja dinheiro! E ela é uma pessoa saudável, seu único mal é a idade avançada.

Sair de casa pelo menos duas vezes por semana é receita médica! Os três filhos se revezam nos fins de semana para desfrutar da companhia dela e substituir a folga dos cuidadores. Ao todo, são quatro passeios por semana, sem contar as consultas médicas.

Cuidadores diurnos e noturnos, além dos profissionais da saúde, demandam um orçamento generoso, que, felizmente, eu e meus irmãos temos a condição de compartilhar e proporcionar para a mamãe. Além do aspecto financeiro, existe uma enorme demanda emocional, de paciência e gratidão, que se paga com amor e dedicação.

Seja previdente na projeção do seu fluxo de caixa na envelhescência e na velhice. Poupe o suficiente para assegurar uma boa qualidade de vida; que não falte dinheiro para muito lazer, viagens ou qualquer outra atividade que proporcione bem-estar a você e a seus familiares.

Cuidando de nós mesmos, ao menos financeiramente, estaremos cuidando também dos entes queridos, reduzindo o custo final, emocional e financeiro que a longevidade acarreta.

Que a vida seja longa, se puder ser vivida na sua plenitude. Prepare-se para essa fase, que, além de longa, pode ser a melhor da sua vida.
Herculano
30/04/2018 12:00
RENATO DUQUE, OPERADOR DO PT, por Josias de Souza

Seguindo as pegadas do ex-ministro petista Antonio Palocci, o operador de propinas do PT na Petrobras, Renato Duque, está na bica de fechar com a Lava Jato um acordo de delação premiada. Num entendimento prévio, o ex-diretor da estatal petrolífera já firmou um acordo com procuradores brasileiros e italianos, para delatar crimes investigados em processos que correm na Itália.

Duque está preso desde 14 de novembro de 2014. No princípio, fazia pose de durão. Quando não negava, silenciava sobre os crimes. Em maio do ano passado, num depoimento a Sergio Moro, Duque revelou-se propenso a delatar. Nesta segunda-feira, o repórter Robson Bonin informou, em notícia veiculada no Globo, que a celebração do acordo está perto de acontecer.

Confirmando-se o acerto, a delação não deve ser banal. No depoimento prestado a Moro, seis meses atrás, Duque dissera que Lula não apenas sabia da roubalheira na Petrobras, como era beneficiário das propinas. Contou detalhes dos encontros secretos que manteve com Lula.

Duque revelou também que Lula, já com a Lava Jato a espreitar-lhe os calcanhares, orientou-o a apagar as digitais que imprimira em contas na Suíça. Contou que, na conversa, ficou entendido que Lula ecoava preocupações da então presidente Dilma Rousseff.

Num instante em que a Segunda Turma do Supremo retira de Moro pedaços das delações da Odebrecht, as confissões de Renato Duque podem ser úteis à força-tarefa de Curitiba. Com ela, deve ficar mais difícil para Lula ostentar o papel de personagem de uma ficção em que imóveis reformados lhe caíam sobre o colo ?"um sítio em Atibaia, por exemplo.
Herculano
30/04/2018 11:56
TODO MUNDO MENTE, por Luiz Felipe Pondé, filósofo, no jornal Folha de S. Paulo

Quando questionadas por suas preferências, as pessoas querem parecer inteligentes

"Todo mundo mente" é a tradução de uma frase famosa do personagem Dr. House da série homônima. Ele dizia: "Everybody lies". E é também um livro singular com o mesmo nome, escrito pelo ex-engenheiro do Google Seth Stephens-Davidowitz (HarperCollins, 2017).

Trata-se de um daqueles trabalhos escritos a partir de pesquisa em cima do Big Data, essa gigantesca plataforma de dados, cada vez mais processada por algoritmos sofisticadíssimos ("bots", para os íntimos). Davidowitz é um "data scientist" (cientista de dados).

A chamada "física social", disciplina criada pelo também "data scientist" do MIT Alex Pentland, autor de um clássico de 2014 na área, "Social Physics", se constitui numa ciência social a partir dos rastros deixados por nós na rede. O "físico", aqui, seria esse rastro que pode ser organizado como qualquer outro dado concreto de uma "hard science" ("ciência dura", e não vaga, como as "humanas").

Enquanto Pentland é um claro "integrado" à ideia de que isso tudo fará o mundo melhor, Davidowitz é mais dialético na sua abordagem.

A ideia central do livro é que "everybody lies". E a razão desta mentira generalizada é que queremos parecer melhor do que somos no Face (nada que santo Agostinho, vivendo entre os séculos 4 e 5, não soubesse, sem o suporte, claro, da "data science" pra provar). A outra razão da mentira é o marketing do bem, que resolveu construir uma grande mentira a serviço da ideia de que o bem é algo que se cria numa start-up cheia de millennials livres do mal.

A comparação entre, por exemplo, o que se posta no Face (fruto de nossa intenção de parecer ótimos, felizes, inteligentes e engajados) e o material que, de fato, "googamos", em busca de respostas ou, pelo menos, de mais dados sobre o tema que nos interessa, revela que todos mentimos. Os dois conteúdos não batem.

Como alguém, por exemplo, que diz que o marido é ótimo e a ama apaixonadamente no Face, pode, no Google, se perguntar tanto "como saber se meu marido é gay?" ou "o que fazer se meu marido não quer fazer sexo comigo?". Sim, essas são duas das maiores questões que atormentam as mulheres. O homens, por sua vez, postam que estão "evoluídos", principalmente os mais jovens, mas continuam atormentados por questões como "ela está tendo um caso?" ou "como aumentar meu pênis?".

Fala-se muito de empoderamento feminino, e as mulheres mais jovens ficam cada vez mais fálicas (e sozinhas, diante de homens jovens amedrontados). Mas, se olharmos para as buscas delas no Google, o que vemos é o desejo de ver material erótico em que mulheres são violentadas, humilhadas, tratadas como vadias e similares. Enquanto a histeria do assédio toma conta de Hollywood e do mundo da mídia, muitas mulheres ficam vendo vídeos em que mulheres são assediadas e acabam gozando.

A Netflix aprendeu uma dura lição. Quando buscou fazer os menus de seus consumidores a partir da lista que estes informavam, jogou dinheiro no lixo. Quando questionadas por suas preferências, as pessoas elencavam filmes inteligentes, europeus, iranianos, alternativos, documentários. Mas, na verdade, ninguém usava o menu.

Enquanto projetavam um perfil de amantes de filmes inteligentes, na verdade, viam filmes de terror, crimes, romances, comédias idiotas e super-heróis bobos. A Netflix resolveu então perguntar ao algoritmo, nosso oráculo. O algoritmo sabe de mim mais do que eu sei de mim mesmo. Outra vez, santo Agostinho. Só que, para este, era Deus quem sabia mais de mim do que eu sabia de mim mesmo.

E aí chegou ao que precisava. Nós mentimos, o algoritmo não. Rastreando os tipos de filmes realmente vistos, a Netflix chegou à solução: não pergunte para as pessoas do que elas gostam, porque elas mentem (provavelmente, para si mesmas), olhe para o que elas fazem de fato. De novo, nada que a filosofia moral já não soubesse.

Quer mais? Apesar de as pessoas afirmarem que são contra julgar os outros (está na moda amar todo mundo), na verdade, o que os rastros dizem é que muita gente adora julgar os amigos, os colegas de trabalho, e falar mal deles.

Apesar de dizerem que querem ser informadas e, por isso, veem noticias de manhã, na verdade, as pessoas adoram acompanhar fofocas sobre celebridades transando fora do casamento.

Apesar de se condenar, veementemente, a violência, as pessoas adoram assistir a filmes de caras ricos fazendo sexo violento com alunas da faculdade. O mundo nunca foi uma farsa maior do que é hoje.
Miguel José Teixeira
30/04/2018 11:27
Senhores,

. . .
"A corrupção, a impunidade e a complacência com o crime, a depender do bandido que o pratica, nos condenam".
. . .

Ainda adolescente, li um livro-manifesto que muito me impressionou: O direito à preguiça, de Paul Lafargue. Na obra, publicada no fim do século 19, o anarquista, genro de Karl Marx, antevia o futuro. Defendia que a automação do processo produtivo, consequência da revolução industrial, levaria à melhoria da qualidade de vida da humanidade e, consequentemente, à redução da jornada de trabalho. Muito antes de Domenico De Masi falar em ócio criativo, ele já celebrava as virtudes do tempo livre para as pessoas. Neste início do século 21, a discussão começa a ser retomada. Desta vez, porém, deriva da revolução tecnológica e do acelerado avanço da inteligência artificial.

A grande diferença, agora, é que até bilionários, como Warren Buffett, começam a se convencer de que, num futuro não muito distante, todos os cidadãos do planeta terão de receber uma renda básica, capaz de permitir que vivam modestamente, mesmo sem precisar fazer nada em troca. Sim, é isso mesmo! E um dos motivos é que o trabalho, tal qual o conhecemos hoje, está em processo de extinção. Muitas das funções que homens e mulheres desempenham serão assumidas por robôs, aplicativos e outros inventos. Imagine arquitetos e engenheiros competindo com softwares capazes de elaborar projetos de construção de ponte e viadutos em segundos, conforme o gosto do freguês. Essa tecnologia já existe.

Resumindo: tarefas, projetos e pesquisas que seres humanos levariam meses ou até anos para concluir, máquinas inteligentes farão em instantes. Já pensou como ficará o transporte público? Pelo pouco que se vê hoje, já é possível vislumbrar que não haverá necessidade de motoristas de carros nem pilotos de aviões, metrô ou trens. Tampouco marinheiros conduzindo navios. E o que acontecerá às empresas de seguro e bancos quando todas as transações financeiras começarem a ser feitas por blockchains, um mecanismo praticamente imune a fraudes?

A revolução é ambiciosa, ampla e não poupa ninguém. Supermercados, lojas etc., como já é realidade hoje em alguns países, não terão vendedores. Nem haverá dinheiro de papel. Vem aí também uma revolução na medicina. Diagnóstico médico poderá ser feito de forma precisa e instantânea via uma gota de saliva analisada pelo smartphone, que indicará, também, o tratamento mais adequado. Carros, aviões, prédios, praças, estradas serão construídos mais rapidamente e com mais segurança por robôs, que também farão faxinas nas ruas e nas casas das pessoas.

Nada nem ninguém escapará das mudanças. Praticamente todos os tipos de trabalho manual serão feitos por máquinas. É uma revolução sem volta. Inexoravelmente sem volta. Restará a homens e mulheres comandarem essas transformações. Serão elas e eles que moldarão esse admirado e temido mundo novo. Para o bem e para o mal. Sem investir maciçamente em educação de boa qualidade, o Brasil corre o risco de chegar atrasado ao futuro. Não podemos mais tolerar o roubo de dinheiro público por bandidos de direita, de esquerda ou de centro. A corrupção, a impunidade e a complacência com o crime, a depender do bandido que o pratica, nos condenam.

Fonte: Correio Braziliense, hoje, PLÁCIDO FERNANDES VIEIRA

EndEl: http://impresso.correioweb.com.br/app/noticia/cadernos/opiniao/2018/04/30/interna_opiniao,268233/atrasados-para-o-futuro.shtml

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.