Lista telefônica

Atenção ao câncer de mama em cães e gatos - Jornal Cruzeiro do Vale

Atenção ao câncer de mama em cães e gatos

22/10/2018
Atenção ao câncer de mama em cães e gatos

O câncer de mama é um dos tumores mais frequentes na população feminina, atingindo em torno de 57 mil casos por ano no Brasil. Neste mês, o assunto e a importância do diagnóstico precoce são colocados em pauta pela campanha Outubro Rosa, que promove diversas ações em todo o País para incentivar o autoexame e acompanhamento médico. Entretanto, o cuidado também merece ser estendido para outros membros da família: os pets.

Segundo dados do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), o câncer de mama possui uma alta incidência nos animais de estimação domésticos. Em torno de 45% das cadelas e 30% das gatas desenvolvem algum tumor, sendo que 85% dos casos apresentam caráter maligno. O médico veterinário Adolfo Sasaki comenta que o aumento da expectativa de vida, anticoncepcionais, obesidade e alimentação inadequada são alguns dos fatores que influenciam para o desenvolvimento de neoplasias. “O que assusta é que aproximadamente 17% dos diagnósticos em cadelas são realizados de maneira tardia, o que reduz as chances de efetividade do tratamento”.

Uma das medidas recomendadas para reduzir a probabilidade de aparecimentos de tumores mamários nos pets é a castração, que deve ser efetuada ainda nos primeiros cios. Sasaki ainda destaca que, apesar de ser um procedimento cirúrgico, os riscos são baixos e menores dos envolvidos com o uso dos anticoncepcionais: “Além de predispor o pet ao câncer de mama, esses hormônios aumentam as incidências de outros tipos de tumores, como os no útero e ovário. Diabetes também é outra doença que pode surgir com o uso”.

O acompanhamento do tutor é de extrema importância para a identificação precoce de nódulos mamários, sendo que atenção deve ser redobrada em animais idosos. Para isso, basta fazer apalpação nas mamas para verificar qualquer alteração, além de observar o aparecimento de lesões. Anormalidades devem ser investigadas por exames mais completos. “O veterinário vai investigar para verificar se o tumor é maligno ou não, determinando o tipo de tratamento mais adequado. Existem casos em que não há a necessidade de retirada do nódulo ou da cadeia mamária”, analisa o veterinário.

 

 

Via assessoria de imprensa  

Comentários

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.