Lista telefônica

Artigos - Jornal Cruzeiro do Vale

A palavra de ordem é: BASTA

15/09/2017 09:34
Por Eng. Agr. Dr. Ronaldir Knoblauch

Venho através deste texto reforçar as palavras do Marcelo Tiago Marques, publicado neste mesmo jornal – edição 1817, página 15. Parabenizo o Marcelo pelo ótimo artigo mas gostaria de complementar o que ele escreveu, representando a maioria esmagadora das “pessoas do bem” dizendo, BASTA. Fazendo uma volta ao passado, não lembro de ter visto o Brasil tão esculhambado como agora. A impressão que se tem é que está tudo errado, dos pés à cabeça. Depois da notícia de que dois assaltantes (adolescentes – marmanjões, naturalmente), espancaram e roubaram uma senhora idosa em cadeira de rodas no Arraial Ouro, aqui em Gaspar, a indignação e a revolta tomaram conta de mim e tenho certeza, de toda a população que clama pela hora do “BASTA”. Basta de tratar esses marginais imundos como vítimas da sociedade, de que a polícia não pode arregaçar a cara desses vagabundos a cacete, basta de ouvir algumas pessoas culpando os policiais por estarem agindo energicamente, quando bandos de delinquentes estão aprontando verdadeiras arruaças nas ruas ao saírem de farras onde rolam drogas das mais diversas, trazendo indignação, raiva, e prejuízos à população. Basta de ouvir essa turma dos direitos humanos defender bandidos, assaltantes e assassinos e nunca, nunca ouvir deles qualquer referência à dor das pessoas do bem que perderam seus entes queridos por mãos imundas desses covardes. Já tive o desprazer de assistir o momento da prisão de bandidos que zombam da polícia e tiram “sarro” da cara das autoridades policiais, especialmente os considerados “ de menor”, que na verdade não passam de bandidos cruéis e covardes que fazem uso dos direitos dos adolescentes – os quais eles conhecem muito bem, e nada acontecer com eles, ao contrário, devem ser tratados com delicadeza e respeito pelas autoridades policiais. Basta de tanto pânico no meio rural, onde a cada dia, pessoas simples, humildes e trabalhadoras, são assaltadas, espancadas e tirado delas o que de mais precioso elas tinham que era a paz, a segurança e a alegria de viver com a tranquilidade de outrora. Chega de ver ladrões e traficantes serem presos hoje, e em poucos dias, beneficiados por leis que só protegem bandidos e delinquentes, estarem nas ruas, aliciando menores, roubando, matando, destruindo famílias e levando pânico à população que já se sente encarcerada e desnuda de seu bem mais precioso, a liberdade.

Poderia eu, escrever dezenas de páginas – já que nem me referi aos políticos – mesmo porque, seria “chover no molhado”, e mesmo assim não esgotaria toda a minha indignação e revolta com a atual situação do Brasil. Para finalizar, há dias atrás eu estava conversando com um agricultor e ele me disse: é meu amigo, falavam mal do regime militar, mas, pelo menos eles cuidavam de nós, não é? Pergunto: será que não está na hora de os militares tomarem novamente as rédeas deste país e fazerem uma limpeza geral?

 

Edição 1818

Comentários

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.
 

Artigos

14/07/2017

É aqui!

Quando um trabalho é honesto e feito com dedicação, o resultado é sempre positivo. Exemplo disso, toda a equipe da Moendão Cachaçaria comemora o destaque conquistado na Expo Cachaça, que aconteceu em Belo Horizonte no mês passado.

Nos primeiros meses desse ano o Brasil registrou um tímido recuo no número de falências decretadas.

No início do mês de abril de 2014, este jornal noticiou com o destaque merecido, que o juiz Marcio Schiefler Fontes tinha sido convocado para o alto posto de juiz instrutor criminal do Supremo Tribunal Federal.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) - proposta de padronização curricular e de transformação do ensino formal em um processo de troca, de construção de conhecimento mais humanizado - tem potencial para modificar o cenário da educação no Brasil.

Ao brincar, a criança exerce sua criatividade livremente. Ela experimenta gostos, prazeres, sons, cria imagens e até com os aromas ela faz experiências que a entretêm.

“É fácil a confusão entre união estável e namoro, já que, por ser ela um fato social, a sua prova decorre de atos que externam convivência pública, cujos atos também são externados quando do namoro ou mesmo do noivado...”

Construir um relacionamento feliz e duradouro é uma das principais buscas de um casal que se ama.

Você já pensou se empresas, bancos e universidades não tivessem o controle de pessoas que entram e saem de seus estabelecimentos diariamente?

Em meados do século passado, iniciou-se a revitalização do centro das cidades portuárias como Rotterdam, Baltimore, Boston, Buenos Aires, Sidney e Barcelona.