Artigos - Jornal Cruzeiro do Vale

Feliz e mais saudável

A concepção de um pai exclusivamente provedor, que trabalha e provê a família de bens materiais e condições financeiras necessárias para mantê-la, e que representava o modelo familiar bem sucedido tempos atrás, está sendo totalmente transformada. A maior riqueza paterna esperada hoje no lar é sua atuação mais presente no relacionamento com os filhos.

É fundamental que os pais dessa geração revejam o modo como levam a vida junto com seus filhos, percebendo seu relevante papel na formação deles. A ideia de que a educação era responsabilidade da mãe eximia um pouco o pai desse essencial trabalho educacional.

De fato, felizmente essa mudança tem acontecido. Hoje, os pais estão mais presentes. Eles dividem as tarefas com as mães, participando do banho, do preparo da comida e de outras tantas atividades com os filhos desde os primeiros dias de vida. Estão muito mais presentes na vida da criança.

Essa aproximação entre pai e filhos é extremamente positiva. Ao relacionar-se com o pai intensamente, como acontece com a mãe, a criança cresce percebendo as diferenças de atuação entre os dois. Essa possibilidade torna o pai parte ativa do processo de desenvolvimento e formação dos filhos.

Para entender tamanha importância, é preciso destacar que no processo de formação e de educação, cada criança aprende com um modelo, vendo exemplos, repetindo e experimentando comportamentos e ações. Por essa razão, é essencial que desde os primeiros dias de vida, a criança conviva com vários modelos, onde ela pode autoconhecer-se por essas repetições e experimentações. É a chamada pluralidade, que entra no processo de formação com seu papel transformador.

Sob o aspecto do espelho e da repetição de diferentes modelos, vale também ressaltar a importância da convivência das crianças com outros adultos. Claro, sempre tendo como referência seus pais, mas o convívio com tios, avôs e pessoas com modelos diferenciados, mas com valores e princípios que regem o comportamento daquela família, é benéfica, possibilitando à criança muito mais condições de se desenvolver, vendo atuações diferentes perante as mesmas situações, o que lhe garante riqueza de vivência.

Há ainda outro ponto que destaca a importância da presença e participação paterna, que pode ser representada não apenas pelo pai biológico, mas por um avô ou por um padrasto, por exemplo. No decorrer do desenvolvimento da criança, há momentos em que ela se aproxima mais da mãe, há momentos em que se aproxima mais do pai. Haverá assuntos que se sentirá mais confortável para falar mais com um do que com outro, assim como tipos de brincadeiras, e toda essa circulação é muito rica para a formação da criança.

 

Edição 1888

Comentários

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.
 

Artigos

Ao longo de toda a história, as civilizações sempre manifestaram a sua atividade criativa por meio de formas culturais.

Há poucos dias, pesquisadores da Universidade de Cambridge no Reino Unido anunciaram a descoberta da menor estrela conhecida, um pouco maior do que Saturno, a estrela EBLM J0555-57Ab.

14/07/2017

É aqui!

Quando um trabalho é honesto e feito com dedicação, o resultado é sempre positivo. Exemplo disso, toda a equipe da Moendão Cachaçaria comemora o destaque conquistado na Expo Cachaça, que aconteceu em Belo Horizonte no mês passado.

Nos primeiros meses desse ano o Brasil registrou um tímido recuo no número de falências decretadas.

No início do mês de abril de 2014, este jornal noticiou com o destaque merecido, que o juiz Marcio Schiefler Fontes tinha sido convocado para o alto posto de juiz instrutor criminal do Supremo Tribunal Federal.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) - proposta de padronização curricular e de transformação do ensino formal em um processo de troca, de construção de conhecimento mais humanizado - tem potencial para modificar o cenário da educação no Brasil.

Ao brincar, a criança exerce sua criatividade livremente. Ela experimenta gostos, prazeres, sons, cria imagens e até com os aromas ela faz experiências que a entretêm.

“É fácil a confusão entre união estável e namoro, já que, por ser ela um fato social, a sua prova decorre de atos que externam convivência pública, cujos atos também são externados quando do namoro ou mesmo do noivado...”