Lista telefônica

Artigos - Jornal Cruzeiro do Vale

Urgente: mudança de rumo das cidades

26/05/2017 14:29
Por Carlos Rodolfo Sandrini  - arquiteto, urbanista e presidente do Centro Europeu

As principais cidades do mundo começaram a ser desenhadas há séculos, e elas não estão preparadas para o que acontecerá a partir dos próximos anos: a quase extinção do comércio popular de rua; o abandono dos antigos edifícios comerciais; a fuga das indústrias; as mudanças na relação de emprego; a robotização; e a inteligência artificial. Cabe ao poder público adaptar as cidades às novas necessidades, vocações e desejos. Tudo isso sob os preceitos da sustentabilidade.

Em meados do século passado, iniciou-se a revitalização do centro das cidades portuárias como Rotterdam, Baltimore, Boston, Buenos Aires, Sidney e Barcelona. Foram intervenções bem-sucedidas que reverteram a degradação da área central destas cidades. Algo que, de forma mais modesta, está sendo feito no Rio de Janeiro. Porém, se no século passado a degradação foi maior nas cidades portuárias, agora o problema será de todas as médias e grandes cidades. As novas tecnologias e as mudanças de comportamento social irão, em menos de 10 anos, alterar o comércio, a indústria, o ensino, a relação de emprego, o trânsito, a construção civil e, consequentemente, o perfil urbano.

Já estão sobrando espaços no centro das cidades. É a hora de, a exemplo de Seul, na Coréia do Sul, fazer aflorar os rios e riachos que foram canalizados; desadensar eliminando edificações desnecessárias, criando percursos pelo interior das quadras, deixando o centro respirar; evitar a “musealização” do patrimônio histórico, dando vida aos mais importantes exemplares da arquitetura. Veremos também uma diminuição natural do trânsito nos grandes centros urbanos. Isso ocorrerá, principalmente, pela diminuição drástica da frota de automóveis, motivada pela mudança da cultura do carro próprio com a adoção do compartilhamento, por alternativas privadas e inteligentes de otimização de transporte e pelas soluções que evitam o deslocamento das pessoas.

Obviamente, toda essa transformação vai refletir em mudanças na construção civil. Os edifícios comerciais deverão vender oportunidade de gerar negócios e não somente espaço. Hoje, vemos a diminuição da demanda para os edifícios de salas comerciais. Diversas variedades de coworkings vocacionais irão substituí-los. Os prédios residenciais deverão atender aos novos hábitos de consumo e relacionamento. Os projetos deverão viabilizar a prestação de novos serviços nas dependências do condomínio, sejam nos apartamentos ou nas áreas comuns. Assim como offices nas áreas comuns, para que os moradores possam receber pessoas para assuntos de trabalho.

A tendência no Brasil é de prédios com aproximadamente 65 pavimentos, altura que só Balneário Camboriú (SC) ousou alcançar. Com este número de pavimentos, equacionado pelo número de torres e de elevadores independentes, o número de apartamentos poderá ser suficiente para sustentar um condomínio inteligente, para todas as classes sociais. É importante salientar que, independentemente do tamanho, as edificações deverão sempre ser amigáveis aos pedestres e à escala humana ao nível do solo.

No Brasil, mais de 84% da população vive em área urbana. Em todo o mundo, esse índice não para de crescer. Para o Departamento dos Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas, gerir áreas urbanas é um dos principais desafios do século XXI. Para evitar a degradação dos centros urbanos, é fundamental que as iniciativas públicas e privadas comecem a agir agora. Os poderes executivos e legislativos deverão decidir se essas transformações levarão progresso ou pobreza para suas cidades. As oportunidades que as novas tecnologias e comportamentos sociais estão trazendo são muitas. Planejar, legislar e decidir com visão de futuro é a diferença entre a evolução e o caos urbano.

 

Edição 1801

Comentários

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.
 

Artigos

Coxinha gourmet, pastel gourmet e brigadeiro gourmet. A palavra ganhou tanta força no Brasil que tudo o que você possa imaginar ganhou uma variação "gourmetizada". É claro que com tanta "gourmetização", as pessoas acabariam enjoando. Hoje, o que os clientes buscam nos estabelecimentos é que comida de qualidade com preço justo e sem muita frescura.

Originário da freguesia de São Pedro Apóstolo, criada pela Lei Estadual 509 de 25 de abril de 1861 e tendo como sede a Capela de Belchior Baixo, o município de Gaspar cresceu e se desenvolveu ao longo dos seus 82 anos, sob a égide da Igreja Católica Apostólica Romana.

Ficamos estarrecidos, embora não surpresos, ao concluir, no Decomtec (Departamento de Competitividade e Tecnologia da Fiesp), estudo sobre os custos econômicos da corrupção e as propostas para o combate a essa erva daninha. Traçaram-se dois cenários. 

A Comissão Pró-Fórum retornou satisfeita de Florianópolis, depois da reunião que teve na última quinta-feira, com o presidente do Tribunal de Justiça, Desembargador José Antônio Torres Marques e com o seu principal assessor, Dr. Carlos Roberto da Silva. 

Os  índices de sobrepeso e obesidade no mundo estão cada vez mais altos. No Brasil, quase metade da população está acima do peso ideal. Entre as principais razões estão o sedentarismo, os hábitos alimentares incorretos e o estresse. 

O Brasil tem capacidade de gerar 37 milhões de megawatts de energia por meio do biometano, um gás que pode ser obtido a partir da degradação de materiais orgânicos presentes em resíduos que não serão mais utilizados (lixo).

O próximo dia 16 de julho assinala os 60 anos do falecimento de Carlos Barbosa Fontes, ocorrido em 1956. Carlito Fontes, como era mais conhecido, nasceu em Gaspar no dia 2 de fevereiro de 1919, filho de Eurico da Silva Fontes, natural de Itajaí, e de Hilda Barbosa Fontes, nascida em Florianópolis. 

É muito comum identificarmos crianças que fazem cara feia quando oferecemos frutas a elas. As frutas, como é consenso, são indispensáveis na alimentação, independentemente da faixa etária.

Em momentos econômicos difíceis, como o que estamos vivendo, há uma tendência de redução de custos em todas as esferas corporativas.

As figuras mais representativas desse período foram Abelardo e santo Tomás de Aquino. Este, na Summa theologica, sistematizou toda a doutrina da igreja.