Lista telefônica

Artigos - Jornal Cruzeiro do Vale

O custo da violência no trânsito brasileiro

24/03/2017 15:00
Por Carlos Santana, diretor de relacionamento institucional da ProSimulador

A imprudência no trânsito mata cerca de 45 mil pessoas por ano no Brasil e deixa aproximadamente 600 mil com sequelas permanentes, conforme aponta o Ministério da Saúde. Isso significa que o país registra uma infeliz média de 123 mortes por dia – é como se a cada 24 horas caíssem quase dois aviões semelhantes ao que levava a delegação da Chapecoense. Em 2016, só o estado de São Paulo contabilizou 5.727 óbitos nas ruas e estradas, segundo o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito.

Por que a tragédia do dia a dia no trânsito, que poderia ser evitada com melhor formação do condutor e um cidadão mais consciente de seu papel, por exemplo, não nos impressiona tanto quanto a repercussão de um acidente aéreo? Será que perdemos a capacidade de indignação diante de um tema tão sério e que merece o engajamento de toda a sociedade?

Além do trauma que a violência no trânsito deixa em quem perde um ente querido, ela provoca um profundo impacto social e econômico. E quando se vive um cenário de recessão como o atual, o custo da imprudência nas ruas e estradas chama ainda mais a atenção. Se considerarmos os gastos com o resgate, tratamento hospitalar e reabilitação das vítimas; conserto de equipamentos de trânsito danificados nessas ocorrências, custo do atendimento prestado pela polícia e bombeiros; além do reflexo com a perda de cidadãos em idade economicamente ativa, o valor apontado chega a R$ 56 bilhões. A estimativa considera como referência o ano de 2014 e foi apresentada pelo Observatório Nacional de Segurança Viária.

Os dados dessa pesquisa vão além de tão somente trazer quanto custa a violência no trânsito. Ela tem uma faceta ainda mais preocupante quando mostra que, ao aplicar essa quantia no suporte às vítimas de acidentes de trânsito, simplesmente deixa-se de ter verba suficiente para construir anualmente 28 mil escolas de educação básica ou 1.800 hospitais. A conclusão é que perdemos a oportunidade de tratar do tema ‘educação no trânsito’ no começo da vida do cidadão, nas escolas, o que beneficiaria a formação de brasileiros/motoristas mais conscientes de seus deveres e do respeito às leis, especialmente às de trânsito.

O cálculo fica ainda mais dramático quando se constata que o gasto com auxílios-doença, aposentadoria por invalidez e pensões por morte contabilizaram R$ 25,6 bilhões, no período entre 2003 a 2012 no Brasil, de acordo com a Previdência Social. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), presentes em um estudo encomendado pela Secretaria de Políticas de Previdência Social, revelam ainda que na população de 15 a 29 anos – portanto, no ápice da idade economicamente ativa -, os acidentes de trânsito são considerados a causa principal de morte no país, com os homens sendo oito em cada 10 vítimas dentro dessa faixa etária.

Diante de tudo isso, e aproveitando a comparação inicial entre a realidade do trânsito e a aviação, pensando na formação de quem está no comando seja de um carro ou avião, por que para ser um piloto profissional é preciso passar por aulas em um simulador e para obter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) essa realidade é ainda tão recente no Brasil? Esse é um exemplo de como a tecnologia deve ser usada a serviço de uma melhor formação, permitindo ao aluno vivenciar cenários extremos que enfrentará. Em meio a esse desperdício de vidas e dinheiro público, é a chance de usar o avanço tecnológico do simulador de direção para treinar os sentidos e a capacidade de tomada de decisão em uma fração de segundos, o que pode ser crucial em defesa da vida.

Um trânsito mais seguro depende de cada um de nós. Um comportamento mais adequado nesse cenário não só significa respeito e empatia pelo próximo, mas também compromisso como cidadão de colaborar para o crescimento econômico e social do país.

 
Edição 1793
 

Comentários

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.
 

Artigos

Sentindo a necessidade de apoiar e orientar a atividade empresarial que aqui crescia num ritmo acelerado e animador na década de 1970, os empresários locais uniram-se e fundaram em 22 de junho de 1982, a Associação Empresarial de Gaspar, Acig, a qual teve como seu primeiro presidente o Sr. Vilmar de Oliveira Schurmann. 

06/05/2016

DIA DOS ANIMAIS

Criaram o Dia Estadual de Proteção aos Animais: 28 de abril. Outros Estados tem também esse dia, ainda que em dias diferentes. Aproveito para dizer, mais uma vez, que não acredito muito nessas ONGs ou como quer que se chamam, que prometem proteger os animais.

A Fosfoetanolamina sintética, assim como várias outras substâncias ao longo das últimas décadas, veio com uma promessa de cura para pacientes com câncer. Porém, uma nova “molécula promissora” aparece todo dia no mercado e, de cada mil dessas, apenas uma chega a se tornar um medicamento registrado. As demais são rejeitadas não só por serem ineficazes, mas também por serem tóxicas. 

Este artigo tem como objetivo fomentar a aplicação da penalidade acessória de pontuação por infração de trânsito no contexto da legislação brasileira.

Mais uma joia do governo brasileiro em prol da já combalida educação que é oferecida por aqui: o MEC – Ministério da Educação, eliminou a obrigatoriedade do estudo da Literatura Portuguesa na Nova Base Nacional Curricular Comum, que deve ser colocada em prática a partir de junho próximo.

Os governos militares fizeram grandes investimentos, com dinheiro emprestado a juros baixos - que logo subiram à estratosfera-, em usinas hidrelétricas. 

O prefeito Bill de Blasio da cidade de Nova York está criando a “Frota Limpa” para reduzir as emissões dos veículos próprios do município pela metade até 2025, e por escalonamento, de 80% até 2035, no máximo. Esta frota será de veículos elétricos, a maior de qualquer cidade dos Estados Unidos.

Desde o último dia 1º de dezembro, quando teve instalada a sua 4ª Vara, que abrange os feitos da Família, Infância e Juventude, Idoso, Órfãos e Sucessões, a Comarca de Gaspar vem reorganizando os seus serviços.

O ano de 2016, infelizmente, não começou nada bem. Não falo nem na corrupção, na impunidade e no descaso à saúde, à segurança, à justiça, etc, coisas que também precisamos combater.