Lista telefônica

Enquanto isso, na sala de 'aula'... - Jornal Cruzeiro do Vale

Enquanto isso, na sala de 'aula'...

25/08/2017

Uma professora de um colégio de Indaial foi agredida e humilhada por um aluno de 15 anos. O fato ocorreu após o agressor ser expulso da sala de aula por mau comportamento.

Segundo relatos, o ‘estudante’ estava com a apostila fechada e conversando com colegas, o que levou a educadora a chamar a atenção do mesmo. Inconformado, o aluno emitiu em alto e bom som um ‘vai se f...”. E, por fim, desferiu as agressões.

Os mais antigos (que estudaram até o início da década de 70), de vez em quando se recordam dos tempos em sala de aula. Lembram que quando cometiam pequenos deslizes e eram alvos de castigos severos (ajoelhar na tampinha ou em milho), estendiam a mão para receber aquela reguada ou, ainda, iam para o famoso paredão. Aqui em Gaspar, a professora mais recordada é a dona Lídia Tonioli Marques, por muito tempo a única na cidade (Décadas de 50/70). Os alunos recebiam os docentes de pé e em um silêncio ensurdecedor. A maioria dos ex-alunos da dona Lídia demonstram gratidão, respeito e agradecem pela educação que receberam.

Já na década de 90, foram abolidos os castigos e métodos supracitados. Contudo, quase não se ouviam histórias de alunos enfrentando professores. Estes ainda eram valorizados e respeitados. Apesar de não sermos ‘santos’ em sala de aula, sempre obedecíamos às ordens dos nossos mestres.

Entretanto, com a geração nascida nos anos 2000, o papo é outro. Embalados por Restart, BBB e calças rasgadas, quem manda na sala de aula são os alunos! Quase todo mês nos deparamos com uma notícia de agressão de aluno em professor, como o caso de Indaial. Não à toa estamos em 65º entre 70 nações no ranking de educação mundial.

A evolução (ou não) e a inversão de valores são culpa de quem?

O salário irrisório recebido por um professor poderia ser um motivo pelo desânimo destes em sala de aula?

Ou será que a educação complementar – aquela que vem de casa – está precária e em extinção? Ainda ensinamos valores e princípios aos nossos filhos? Ou apenas os mimamos?

Como a geração Neymar e Justin Bieber vai educar seus filhos e contar suas experiências em sala de aula? Esse menino de 15 anos que agrediu sua professora vai ensinar seu futuro filho que isso pode e está certo? Ainda, os pais do agressor o defenderam ou reprimiram?

 

Edição 1815

Comentários

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.