Lista telefônica

Editorial - Jornal Cruzeiro do Vale

Em Ilhota

No início de 2017, o prefeito de Ilhota, Erico de Oliveira, afirmou que manteria o transporte aos universitários, apesar de mudar a maneira com que o serviço vinha sendo ofertado. Os ônibus do município deixariam de ser usados e haveria uma licitação para resolver o problema, contratando uma empresa terceirizada. Porém, até então nada foi feito. As faculdades da região já deram início às aulas e os ilhotenses que frequentam o ensino superior precisam acrescentar os gastos com o transporte, a matrícula do curso, materiais didáticos e alimentação fora de casa.

A comunidade sente na pele o aumento expressivo, uma vez que o município sempre custeou parcial ou totalmente o transporte. O que preocupa os acadêmicos no momento é a prorrogação da data da licitação, que inicialmente aconteceria no início de fevereiro, para evitar que as aulas começassem em meio à situação. Agora, segundo os alunos, a data foi retardada para a metade de março, um mês após o início das aulas. A informação não foi confirmada oficialmente pelo chefe do Executivo, que não atendeu e não retornou as ligações da reportagem do Jornal Cruzeiro do Vale.

Enquanto isso, os estudantes de Gaspar tem esperanças de conseguirem transporte gratuíto para as universidades. O prefeito Kleber Wan-Dall foi prestativo ao falar do assunto, que já foi sua prioridade enquanto vereador, há quatro anos. Hoje, representando a prefeitura, ele afirmou que por uma questão de viabilidade financeira o município não suportaria oferecer o auxílio no momento, mas o assunto não está fora de cogitação futuramente. Wan-Dall reconhece a necessidade e promete trabalhar em torno disso recebendo comissões de acadêmicos, que desejam a ajuda, para conversar a respeito.

 

Edição 1789

Comentários

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.
 

Leia Mais

Em 82 anos, esta é a primeira vez que Gaspar tem um policial-psicólogo. O cargo foi ocupado há dois meses pela psicóloga Carla Fernanda de Bastos Ferrari.

A semana foi marcada por eventos do movimento Maio Amarelo, que busca a conscientização de motoristas, pedestres e ciclistas contra a violência no trânsito. Para além das válidas iniciativas de educação e alerta, o problema da alta mortalidade das estradas brasileiras passa por questões centrais que precisam ser atacadas como questão de honra pelo poder público e pela sociedade civil.

29/04/2016

Perto do fim

A polêmica da semana em Gaspar foi o caso de abuso sexual envolvendo uma menina de 3 anos em uma creche do bairro Figueira. 

Na última semana, o gasparense Edvan Ribeiro, o Canema, conquistou o título mundial de muay thai na categoria 71 quilos. Na mesma competição, o blumenauense Alberto Uda, que treina com o time gasparense toda semana, também se destacou e conseguiu inclusive um contrato com o UFC.

Exausa de assistir impotente a tantas tragédias que se somam no asfalto do km 40 da BR-470, a comunidade da região começa a se mobilizar para uma manifestação que busca chamar a atenção das autoridades para o problema e defender alguma providência a fim de diminuir o risco de novos acidentes na rodovia.

No dia 20 de março de 2014, a prefeitura de Gaspar emitiu uma nota à imprensa ressaltando que a administração municipal, desde o ano de 2009, vinha unindo esforços para sanar distorções salariais existentes em algumas funções no quadro de aservidores, porém era necessário criar um “ambiente financeiro econômico favorável para viabilizar o avanço”.

O poder público é constantemente criticado pela omissão com que encara - ou deixa de encarar - assuntos relacionados ao desenvolvimento da cidade.

A interminável espera por algum posicionamento do governo do Estado, das entidades do município e das lideranças regionais a respeito da execução ou não do Contorno de Gaspar, propostas alternativas começam a ser articuladas como forma de buscar investimentos menores, mas capazes de ao menos amenizar o caos do trânsito na região central de Gaspar enquanto o poder público não bate o martelo sobre a realização ou não do projeto do Contorno.

Uma parceria entre moradores, sociedade civil e entidades pode ajudar a viabilizar a implantação de três câmeras de videomonitoramento na região do Bela Vista.